POEMA

Por Valéria Soares

 

Viajo mundos, submundos

mudo em minha dor

mudo com minha dor

saio e cerro a porta

aqui fora, o diferente

o novo

o incerto

o que ainda não é caminho

faz-se medo

saio e cerro a porta

cerceiam-me as lembranças

aqui fora, eu

Sol

No amanhecer

Tecido de seda virgem.

Saio só

Sem olhar

Sem ousar sal

pétrea estátua ser

sou eu

só eu

paisagem desértica

sequidão

Miragem

Delírio

Único sentido

Ser só

Eu

Só eu