poema

UBUNTU

POEMA Por C. Alfredo Soares   Sinto a rumba Run pi lê O candomblé O sei lá o quê Sinto e danço Tranço os pés Retorço o corpo Vibro como uma cascavel Viro os olhos Bebo do meu sangue Gargalho…

Sobre voar

CONTO Por Valéria Soares   – Desaprendeu? – desaprendi. – mas você era tão… – Era! Muito tempo atrás. Não sou mais. – Tem certeza? Isso a gente nunca esquece. Basta uma vez pra nunca mais esquecer. – Não foi…

Pessoas são palavras

POEMA Por Valéria Soares   Pessoas são palavras (Para Ivan Cardiano – In Memorian)   Coragem!   Assim lhe fora dito Assim ouvira Assim permaneceu: Corajoso Para calar quando todos falavam Para falar diante do silêncio amedrontado Para crer ainda…

Páscoa

POEMA Por Valéria Soares   Houve um homem que não julgou Houve um homem que não acusou Houve um homem que não pecou Houve um homem que acolheu…   Por tanto amor Por tanta compaixão; O Filho se fez homem…

Pessoas são palavras

POEMA Por Valéria Soares (Para Luiza Sabino) Ela é ar… respiração profunda… Tempo e ritmo… Giro perfeito. Flutua como pluma e finge pousar. Leve dente de leão num sopro volta ao voo. É ar. Às vezes brisa suave Às vezes…

Evidência

POEMA Por Valérias Soares   Pessoas são palavras Textos escritos ao longo do caminho Algumas ensaios Outras, romances Contos e crônicas. São palavras doces Difíceis Incompreensíveis Delicadas Agressivas Cotidianas… Há pessoas poesia Escrita rara Rima rica Figuras envolventes Fragmentos do…

Ventania

POEMA Por Valéria Soares   Foram as folhas pro ar Firula veloz entre as árvores Em verde e amarelo Foi a terra pro ar vendando os olhos Névoa seca girada várias vezes tornando a cabra cega Foi a roupa no…

Poema definitivo

POEMA Por C. Alfredo Soares   Queria escrever um poema definitivo Aquele que despertaria todos os sentidos Que de tão lindo Logo seria compreendido Tentar eu já tentei Me atentar ele já me atentou Mas quando me ponho a escrever…

Por que se opor à guerra?

Por David Glick Porque o choro de uma mãe não tem fim por um filho arrancado pela guerra. Porque a relva não respira ensopada de sangue. Porque a cada explosão um bebê busca sua mãe por proteção. Porque a loucura…

Outrora Verão

POEMA Por C. Alfredo Soares   Outrora verão Agora outono Palavras caem ao chão Como folhas secas Outrora eu Agora nós Rosas desabrocham no jardim Florescendo sentimentos Outrora não Agora sim Expectativas viram realidade sem explicação Outrora quente Agora frio…

1 2 3 13