CONTO

Por C. Alfredo Soares

 

De bicicleta desço a ladeira
Mão firme no guidão
Medo nem por perto passa
Desço pedalando e sem freio
Comigo Antonio Luiz, Serginho, Marcelo e Eduardo
Não havia disputa
Só a liberdade bastava

Moleques felizes


Já descemos trilhas e serras a toda
Caímos e levantamos muitas vezes
Ralamos pernas
Quebramos as “magrelas”
Desbravamos cachoeiras e montanhas
E fortalecemos
Corações e mentes

Mais o tempo é prudente e sábio e guardava uma velada intenção
Que fossemos amigos para sempre
Mais do que amigos irmãos

De bicicleta desço a ladeira
Mão firme no guidão
Medo nem por perto passa
Desço pedalando e sem freio
Comigo Antonio Luiz, Serginho, Marcelo e Eduardo
Não havia disputa
Só a liberdade bastava

Moleques felizes

Já descemos trilhas e serras a toda
Caímos e levantamos muitas vezes
Ralamos pernas
Quebramos as “magrelas”
Desbravamos cachoeiras e montanhas
E fortalecemos
Corações e mentes

Mais o tempo é prudente e sábio e guardava uma velada intenção
Que fossemos amigos para sempre
Mais do que amigos irmãos