POEMA

Por C. Alfredo Soares

 

Felicidade

Invada a cidade

Tome as ruas pra si

Estabeleça os caminhos

Deságüe e encharque os mortais

 

Ali vivem de espasmos

Numa estéril procura

Nos atropelos

Nos enganos diários

No faz de conta

 

Um dia, quem sabe

Te encontrarão

Não nas manchetes dos jornais

Eles quase não existirão mais

Mas nos canteiros

Nas praças floridas

Nas alamedas e veredas

Nas matas altas

Nas cachoeiras

Nos mares azuis

Na tela da TV

No computador e no celular

 

Todos estampando sorrisos largos

Brilhos nos olhos

Refletindo o outro

Percebendo

Sentindo

O verdadeiro irmão

Numa reciprocidade inédita

Arrebatadora do coração alheio

 

A felicidade então

Alçada a lei pétrea

Forjará sentimentos e princípios

Claros e justos

Feliz cidade

Múltipla e diversa

Fruto da sua mistura

Que se reflete no outro

Esta sim uma cidade fraterna, acolhedora e maravilhosa