Argumento de burro 

06.06.2021 - Rio de Janeiro (RJ) - Alfredo Soares

Argumento de burro 
(Crédito da Imagem: H. Hach por Pixabay)

O burro estava preso, como sempre,  no fundo do quintal. Tinha dias que nem solto era. Ficava só na água e no capim. A carroça içada pelo peso da caçamba não era usada para levar nada pra ninguém. O tempo era bicudo. Faltava trabalho até pra ele. O burro olhava ao redor e nem seu dono via. Era uma vida medíocre à espera da morte que demoraria a chegar. Vida tão sem objetivo que nem o vento soprava quente ou frio naquele vale.

Mas ao longe vinha Zé Bezerra e Capitão. Dois cabras cheio de ideias malditas na mente desocupada. Sempre tinham ideias de jerico, diz o povo do lugar.  Os dois queriam vida boa sem suar a gola da camisa. Faziam os outros de trouxa sem pestanejar. Foi quando Zé olhou pro burro, ali sem serventia e cochichou com Capitão: “vamos pegar esse burro, com carroça e tudo e vamos pra vila bagunçar?” Capitão, uma Maria vai com as outras, não tinha capacidade pra pensar, então disse:  “vamos!”

Zé montou a carroça, mandou o amigo subir, e ordenou o burro a galopar. Capitão apertou o chapéu na cabeça, agachou na carroça e nada do burro desembestar. Zé, que ficava irritado com qualquer coisa, mascou um talo capim que sempre levava na boca e danou a ordenar o burro aos berros de “simbora bicho ruim, anda catiço, lamparão dos inferno… “ O burro impávido não movia uma pata, parecia esperar o momento certo.

Suando feito bode velho e já ouvindo gracinha de Capitão, Zé Bezerra desceu da carroça pra puxar o burro pelo cabresto. O burro empacado relinchava e nada. Uma raiva foi tomando Zé Bezerra, enquanto Capitão ria e zombava do amigo. Pra atiçar  ainda mais, ele dizia que o burro era mais inteligente que Zé. Pior que parecia que o bicho sabia o que estava fazendo. Sair com aqueles dois não poderia ser pra coisa boa.

O sol já ia no meio céu e a vila ficava a algumas léguas de distância.

Era preciso sair cedo, pra não voltar na escuridão, correndo o risco de dar de cara com uma onça parda faminta pela estrada vicinal.

Foi quando capitão resolveu descer da carroça, entrar no mato e sair de lá com uma vara de marmelo, antes mesmo de Zé perguntar o que pretendia fazer com aquilo, Capitão foi no traseiro do burro e deu uma lambada com a vara no seu lombo. O bicho de um pulo,  seguido de um pinote, passando em cima de Zé Bezerra. O desastre foi grande. O burro só parou no rumo da cerca. Capitão foi atropelado pela roda de ferro da carroça e ficou manco. A roda lhe quebrou o joelho esquerdo. Zé Bezerra teve o apelido alterado pra “ovo choco”, por causa do pisão do animal nas suas partes baixas. Os dois não se falam mais. Dizem que quando se encontram até atravessam a estrada pra não cruzarem um com o outro. Um põe a culpa no outro pelo ocorrido e guardam mágoa pelo resultado daquela tarde trágica quando os dois estavam com a cabeça desocupada de boas intenções. Já o burro continua tendo uma vida mansa naquele lugar que fica depois da vila próximo do olho d’água onde nasce o rio que dá na única cachoeira do lugar. O burro ganhou fama naquelas paragens, todos respeitam seu sossego, muito mais por medo de sua reação.

Seu dono até aposentou a carroça. Preferiu deixar o bicho sossegado.

Sabe como é: não se mexe com quem está quieto e, pelo jeito, não se cutuca burro e onça com vara curta.

Essa lição todo povo da roça sabe de cor. Mas tem gente que só acredita depois que o pior já alterou a sua vida.

Categorias: Cultura e Mídia
Tags:

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.