CONTO

 

 

Por Valéria Soares

 

 

Fico observando uma lagartixa colada no vidro da janela.

Minha mãe diria que ela não tem modos! Arreganhada desse jeito, toda exposta.

Minha filha se arrepiaria, sentiria medo, nojo. Não olharia.

Eu a observo. Será que ela sabe que está assim tão exposta, tão vulnerável?

A lagartixa, no entanto, tem os olhos fitos nos insetos pululando à luz da lua. Livre

de qualquer opinião.

Sem vergonha nenhuma, deseja.

Dane-se todo o resto!

 

De vez em quando me serviria ser uma lagartixa…

Completamente focada em meus desejos.

Grudada na tua janela despudoradamente.