ONU cobra responsabilidade do Governo Brasileiro em relação a tragédia-crime de Brumadinho

17.09.2020 - Rio de Janeiro, Brasil - Redação Rio de Janeiro

ONU cobra responsabilidade do Governo Brasileiro em relação a tragédia-crime de Brumadinho
(Crédito da Imagem: Webtv UN, captura de tela)

Durante a 45o Sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU desta quinta, 17 de setembro, a Relatoria Especial responsável pelos temas de resíduos tóxicos e direitos humanos apresentará o informe sobre sua visita ao Brasil. O relator, Baskut Tunkat, esteve na Aldeia Indígena Naô Xohã, em São Joaquim de Bicas, e conversou com lideranças de várias comunidades de Brumadinho em atividade realizada no Parque da Cachoeira, em dezembro de 2019.

Após a apresentação do relatório, um testemunho de Marina Oliveira, mobilizadora social da Região Episcopal Nossa Senhora do Rosário (RENSER), será transmitido em Genebra. Marina lembrará a comunidade internacional que, após 20 meses do crime, a população continua sem saber o nível de contaminação a que está exposta. E denuncia: “o Estado permite que a empresa responsável pela tragédia defina a metodologia de análise de contaminação. Como confiar no automonitoramento? Queremos análises independentes da qualidade do ar, solo e água”.

A porta-voz de Brumadinho pede ao Conselho de Direitos Humanos da ONU que advirta o Governo Brasileiro para que seja garantida a punição exemplar dos responsáveis pelas violações e que uma eventual retomada das operações extrativas em Brumadinho ocorra somente após a reparação integral dos danos e se estudos atualizados comprovarem que não há riscos para a segurança hídrica da população. “Queremos parâmetros e sanções internacionais para as empresas. Nós queremos compromissos reais, porque nossas dores são reais”, afirma Marina.

A Relatoria da ONU afirma que “os crimes corporativos contra trabalhadores e comunidades são perpetrados com impunidade, e os direitos à informação e participação são reduzidos drasticamente”. (…) “Enquanto o desastre de Brumadinho foi tecnicamente causado pela instabilidade estrutural e liquefação, a verdadeira causa reside numa notável falta de fiscalização governamental e numa conduta criminalmente imprudente por parte da Vale”.

Reconhecendo que o país passa por um momento de profundo retrocesso, o relatório apresenta uma recomendação ao Conselho da ONU para que seja aberta um inquérito internacional sobre a situação de direitos humanos no Brasil, com foco em questões ambientais, de saúde pública, direitos do trabalhador e defensores de direitos humanos. É a primeira vez que o Brasil é alvo de uma investigação como essa desde o início do período democrático.

“Várias decisões judiciais e parlamentares não são implementadas quando desfavoráveis aos interesses privados. A retórica inflamatória, a rejeição da sustentabilidade e o fracasso em processar tem incendiado outra epidemia, uma de intimidação, ataques e assassinato de defensores dos direitos humanos”, denuncia o Relator da ONU.

Serviço
Participação de Brumadinho na Sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU – Informe da Relatoria Especial para os Resíduos Tóxicos e Direitos Humanos sobre visita ao Brasil realizada em dezembro de 2019

Algumas pessoas estão disponíveis para entrevista.

Data: 17 de Setembro, quinta-feira, às 12h40
Local: UN TV – webtv.un.org

Contato para imprensa:
Carolina de Moura | (31) 99111-9359

Categorias: Ámérica do Sul, Direitos Humanos, Ecologia e Meio Ambiente, Europa, Nota de imprensa
Tags: , , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Dia da Não Violência

Dia da Não Violência

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.