Renda Básica Universal, ou seja para todos

04.06.2020 - Barcelona, Catalunha - Sasha Volkoff

This post is also available in: Inglês, Espanhol, Francês, Italiano, Alemão, Catalão, Grego

Renda Básica Universal, ou seja para todos

Este artigo dá continuidade a uma série que tentará explicar brevemente diferentes aspectos da proposta do Rendimento Básico Universal (RBU). Para ver a série completa de artigos publicados sobre este mesmo tema, clique aqui.

Como o seu nome indica, a proposta do Rendimento Básico Universal é para todos. Alguns, para que seja ainda mais exato, acrescentam “Incondicional”, ou seja, não exige condições especiais. Perante isto, algumas pessoas interrogam-se porquê para todos, se alguns não precisam dele? A resposta tem pelo menos dois aspectos: um conceptual, e o outro prático.

A RBU é para todos porque é um novo direito, como tal, deve aplicar-se a todas as pessoas por igual. Não é um presente, nem uma “esmola”, como alguns dizem tentando desvalorizá-lo, mas é algo comparável a um Direito Humano. Por conseguinte, qualquer ser humano tem direito. É evidente que até chegar a todos os seres humanos levará algum tempo e que será necessário começar por grupos mais pequenos (por exemplo, países ou regiões), mas o objectivo é sem dúvida global.

É também evidente que a RBU é um mecanismo altamente redistributivo, ou seja, redistribui a riqueza de forma mais justa entre todos, para compensar as injustiças inerentes a um sistema como o capitalista. Como tal, obtém recursos daqueles que possuem mais para os distribuir por aqueles que mais precisam deles, tal como a tributação progressiva costuma fazer. Mas não o faz de uma forma discriminatória, estabelecendo condições que devem ser cumpridas, mas sim de uma forma muito mais transparente (e aqui podemos ver o segundo aspecto da resposta, o prático) e simples: a cada pessoa são atribuídos recursos económicos mínimos; a partir daí, aqueles que têm mais do que suficiente terão de devolver esses recursos sob a forma de um imposto, enquanto aqueles que têm menos (e precisam de mais) poderão utilizá-los para as suas necessidades sem terem de devolver nada.

Imaginemos que somos um grupo de 10 pessoas que têm de atravessar um deserto, e para isso cada uma precisará de 1 litro de água. Partimos de uma situação em que uns têm vários litros e outros não têm nada. O que fazemos é um fundo comum de 10 litros, a partir do qual damos a cada um, o litro de que necessita. Para alimentar este fundo comum, são aqueles que têm mais água que contribuem mais. Trata-se de um mecanismo simples, solidário, justo e tranquilizador, pois poderemos atravessar o deserto sem medo, sabendo que todos têm o mínimo necessário. Chegou o momento da RBU.


Tradução de Pedro Braga

Categorias: Economia, Opinião
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.