Massacre de Paraisópolis revela dinâmica perversa vivenciada por moradores de comunidades do Brasil

03.12.2019 - Vinícius Chamlet

This post is also available in: Espanhol

Massacre de Paraisópolis revela dinâmica perversa vivenciada por moradores de comunidades do Brasil

No último domingo, dia 1 de dezembro, 9 pessoas foram mortas após ação da Polícia Militar em Paraisópolis. As forças policiais, segundo relatos de moradores, fecharam as principais saídas da rua em que ocorria o Baile da 17, forçando os que ali estavam a tentar fugir por vielas, o que levou ao pisoteamento, e subsequente morte. Vídeos que circulam na internet mostram a brutalidade policial. No material PMs agridem com chutes jovens sem nenhuma chance de defesa. 

Símbolo da desigualdade social no Brasil

Paraisópolis. A segunda maior favela da cidade de São Paulo, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mais de 40 mil pessoas vivem na região. Ícone da desigualdade social do Brasil por fazer divisa com o bairro de luxo Morumbi. Bairro este que abriga grandes mansões de magnatas brasileiros. 

O massacre, como está sendo chamado inclusive por órgão do governo do Estado de São Paulo, escancara a difícil situação enfrentada por moradores de comunidades no Brasil, que padecem com a falta de estrutura por parte do poder público e pelo vácuo de poder ocupado por facções criminosas. 

O discurso de que a ação era necessária, por parte da sociedade brasileira e do alto escalão da Polícia Militar, pois nestes bailes de rua haveria a venda generalizada de drogas e outras substâncias não se sustenta, uma vez que o mesmo não ocorre em festas organizadas em bairros ricos, como higienópolis, que notoriamente há o uso de tais substâncias. A ação mal calculada da Polícia Militar de São Paulo ocorreu em sequência a morte de um sargento da corporação, o que segundo relato de moradores, teria feito com que as ações da polícia fossem mais truculentas, e que inclusive, resultou em relatos de ameaças de morte. 

Uma reinvenção da polícia é mais do que necessário

É preciso repensar a política de segurança pública no Brasil. O caso de Paraisópolis escancara os dilemas vivenciados por moradores de favelas de todo o Brasil. Da baixada fluminense (RJ) à Ceilandia (DF), como dizia racionais, os problemas persistem. É preciso repensar o modelo de segurança pública. Mas além de pensar as forças policiais, é preciso pensar a desigualdade social no Brasil, o racismo institucionalizado que se cristaliza na perseguição dos bailes funks de uma forma extremamente agressiva, de modo semelhante com o que ocorria com o samba no Brasil, no começo do século XX. 

Categorias: Human Rights, Opinions, Politics, South America
Tags:

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.

maltepe escort