A vitória de Trump é o triunfo do anti-humanismo, mas não é o fim da história

10.11.2016 - Anna Polo

This post is also available in: Inglês, Espanhol, Francês, Italiano, Alemão, Grego

A vitória de Trump é o triunfo do anti-humanismo, mas não é o fim da história

A vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais norte-americanas representa sem dúvida o triunfo do anti-humanismo em sua forma mais racista, xenófoba, fanática, misógina e neofascista, contra a versão “light” de Hillary Clinton, respeitadora dos direitos das mulheres e dos homossexuais, mas impulsionadora de guerras e neoliberal.

Após o primeiro choque, existirá tempo para análise e reflexões, sobretudo para compreender como foi que milhões de pessoas elegeram o que parecia ser uma nota histérica e conservadora sem nenhuma possibilidade de vitória. Repúdio ao establishment, representado à perfeição pela arrogância de Hillary Clinton? Ódio contra o diferente, busca do bode expiatório, temor pelo futuro, resposta visceral e simples frente aos complexos problemas do momento?

Estamos em meio a um período sombrio e perigoso, é inútil negar, mas justamente por isso é fundamental não perder a coragem e ceder ao pessimismo. Agora mais do que nunca devemos dar voz e espaço a todas as experiências positivas, baseadas na solidariedade e na não-violência e alimentar a esperança de que possa surgir, desse momento sombrio, algo novo e luminoso. O campo do humanismo é amplo e variado – vai desde os movimentos pacifistas aos pelo meio ambiente, os dos direitos humanos, justiça social, defesa das minorias, assim como tantos outros. Favorecer a convergência e a união entre todas essas tendências é outra tarefa fundamental que nos aguarda.

Os processos históricos e humanos não são lineares. Por tantas vezes pareceu que a humanidade perdeu o fio de sua evolução, caindo em uma profunda intolerância e violência, mas depois esse fio sempre foi recuperado e o ser humano voltou a caminhar para avançar. E até mesmo nos momentos mais sombrios, como o que estamos vivendo atualmente, cada um de nós pode se transformar em um farol de luz e fazer sua contribuição à acumulação de bondade e compaixão que fez com que a história avançasse e que dará continuidade a ela mesmo após nossa época.

Traduzido do espanhol por Bruno Brando Farias

Categorias: Humanismo e Espiritualidade, Internacional, Opinião, Política
Tags: , , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.