CAUSAS

Pressenza começará a publicar a segunda parte da série de entrevistas Construtoras do Futuro, rumo a uma cultura não violenta.

Compartilharemos novamente conversas com mulheres que estão dando uma contribuição valiosa, imprescindível neste momento histórico e que é a base do futuro ao que aspiramos. Mulheres diversas, de distintas gerações, que põem o melhor a serviço da vida.

O projeto nasceu há alguns meses com a ideia de entrevistar três ou quatro mulheres de diferentes continentes, mas foi crescendo sozinho e nos transbordou. Algumas mulheres nos convidavam para entrevistar outras mulheres, e assim por diante…, mas tivemos que interromper esse trabalho durante algum tempo.

Agora, então, decidimos dar voz a mais mulheres de diferentes partes do mundo, embora saibamos que essa é, no entanto, uma pequena amostra de tantas mulheres a quem gostaríamos de dar visibilidade, e da união maravilhosa que está sendo construída.

Aprendemos muitas coisas ao longo do caminho e experimentamos a solidariedade entre umas e outras, além do compromisso que têm com o meio onde vivem. Encontramos e vimos inúmeras redes crescerem, e até mesmo chegamos a fazer parte de algumas delas. Redes que se estão formando silenciosamente e que vão conectando o planeta. Redes que vão restaurando o tecido que um dia foi um só e que hoje não mais se justifica que continue desgastado.

Esta união que existe, a partir da base, para recompor o tecido social nos dá fé — a cada dia mais inabalável — de que o futuro não se poderá interromper; também nos faz acreditar que este sistema violento não poderá terminar com a vida no planeta, porque nós, como milhões de pessoas, tomamos o destino da história em nossas mãos, movidas por um pressentimento vital comum e apoiando-nos no feminino que habita nossa mente e nosso coração. É assim que podemos transferir esse destino para nossas palavras, para nossos gestos e para o nosso trabalho no mundo. Estamos aprendendo juntas a cuidar‑nos e a cuidar da casa que temos em comum; a afastar-nos da competitividade e da divisão e a dar ênfase ao que nos une; a resistir à violência de fora e à nossa; sempre respeitando profundamente a diversidade que percebemos como enriquecedora… e todas com um objetivo em comum: ir construindo um outro relato e uma realidade nova, a que põe no centro a Vida.

Esta segunda parte da série começará com a entrevista a Loueila Mint O Mamy, protagonista do documentário Aquí estamos, dirigido por Javier Ríos e que estreou em Tenerife, Espanha, no dia 13 de outubro. Logo seguimos sua caminhada em Madri, no dia 19, na sede da CTXT (Revista Contexto), sobre a qual manteremos vocês informados em breve.


Traduzido do espanhol por Graça Pinheiro / Revisado por Tatiana Elizabeth