CONTO

Por Luiza Machado

 

A parte que não contaram. Os vilões da vida real existem, mas eles não usam uma máscara sinistra e nem, muito menos, chegam anunciando o plano maligno. Não que seja fácil quando nós sabemos quem é o vilão, mas pelo menos teria toda a questão do aviso, os relâmpagos e a capa preta, enfim, todo um drama sinistro funcionando como uma placa neon dizendo ATENÇÃO: PULA FORA.

Se eu soubesse, será que eu teria pago para ver? Sinceramente? Acho que não. Não me arrependo, não é isso! Toda experiência é válida, mas eu me considero jovem, e o fato de teoricamente ter muitos anos pela frente não me faz valorizar menos cada segundo.

Eu me emaranhei numa armadilha. Mais uma coisinha para anotar: descobrir o vilão é só o primeiro passo. Ninguém contou que poderia ser tão difícil de escapar de uma gaiola cuja a porta estava aberta. Ele diz que te ama, que você não vai encontrar ninguém melhor. É nessa parte que aqueles que realmente se importam com você te lembram das suas qualidades e o quanto é difícil achar alguém como você. Algumas pessoas podem ser cobras (perigosas e sorrateiras) mas não conhecer seu próprio valor pode ser o veneno.