CONTO

 

Por Valéria Soares

 

As mãos ágeis dão forma a mais uma encomenda. Tecem em lã o desejo de alguém, na velocidade do som. A mulher de metro e meio, se tanto, observa os carros passando a vinte quilômetros por hora e a vizinha no tanque. Conversam. Enredam dúvidas e certezas; criam novas histórias da vida alheia sem nenhum pudor. Parecem amigas e são até que deem as costas uma à outra.

O ruído do motor na tarde, as mulheres que chegam e saem o molde sobre a mesa, a almofada de alfinetes …

A mulher grita com os filhos no quintal, abre a Manequim, faz sugestões… Anota as medidas de mais uma freguesa, ouve histórias. Discreta, silencia. O breve olhar diz: “Criança não participa da conversa dos adultos”.

A mão na máquina, o pé no motor, a casa, os filhos. A vida sutilmente alinhavada.

Sangue de vísceras sob as unhas, a pele encardida pela fumaça transformam-na em objeto do medo pueril. “Solteirona, feia, esquisita…” Vende chouriço e morcela. D. Zinha da morcela. ” Vou te dar pra D. Zinha!” – amedrontam.

Contrariando; seu riso agudo é fácil. Ri, porque é feliz. Ri, porque é bastante a vida que tem.

Feminina, enfeita a casa com cheiros doces, memórias afetivas, com alegria subversiva; com amor.

Briguenta, exigente, corajosa: mãe.

Sedutora, bonita: mulher.

Constrói a vida que deseja nos espaços que tem.

Espera, esperneia, discorda, concerta.

Luta, porque é;

Luta, para ser.