Desde o ano passado, um conjunto de redes de alcance internacional vem se articulando para atuar conjuntamente como uma Multiconvergência de Redes Globais. Tendo realizado oito encontros virtuais, decidimos, no encontro durante o Fórum Social Mundial de 2021, que era o momento de experimentar, no interior das redes, um Parlamento da Cidadania Planetária, com pessoas oriundas dos cinco continentes. O Parlamento se organiza em duas câmaras, um Conselho e uma Assembleia. Porém, nesse momento apenas o Conselho de Sabedorias dos Povos da Terra está implementado, cuja missão primeira é organizar a Assembleia da Cidadania Planetária.

Claro que uma experiência dessa natureza, embora ambiciosa, tem que nascer modesta, como as pequenas sementes que, encontrando as condições favoráveis, tornam-se imensas árvores. Assim, nesse momento, apenas sete redes globais estão mobilizadas para participar do Parlamento. Cada uma indicou dois conselheiros – um homem e uma mulher para representá-la no Conselho de Sabedorias dos Povos da Terra. A terceira sessão do Conselho será realizada no dia 04 de setembro de 2021, às 11h de Brasília. Estarão presentes representantes das sete redes: Diálogos em humanidade: Geneviève Ancel (França) e Siddhartha (India); Internacional Convivialista: Alain Caillé (França) e Geneviève Azam (França); Ágora das e dos Habitantes da Terra: Fatoumata Ki-Zerbo (Senegal/Mali/Burkina Faso) e Marcos Arruda (Brasil); Economia de Francisco e Clara: Emilce Cuda (Argentina) y Célio Turino (Brasil); Carta da Terra: Moema Viezzer (Brasil) e Mateo Alfredo Castillo Ceja (México); Red Internacional Solidarius: Celina Valadez (México) y Jason Nardi (Itália) e Iniciativa das Religiões Unidas (URI): Swamini Adityananda Saraswati (cidadã planetária) e Francisco Morales (Argentina).

Um desejo expresso das e dos participantes dessa experiência é inovar na política, funcionando de modo que os objetivos e os meios de os concretizar se harmonizem. Assim, busca-se um ambiente que saia do padrão patriarcal e seja bem mais feminino, onde se pratique a cordialidade e a cooperação que se quer ver no mundo, por exemplo, destacando o que une as pessoas ao invés do que as divide, e buscando ver diferentes alternativas de funcionamento como complementares e não como contradições. É assim que um Pacto de Convivialidade vem sendo discutido desde as primeiras reuniões da Multiconvergência de Redes Globais, a partir de julho 2020 e hoje está sendo atualizado em um grupo de trabalho (GT Metodologia) para nortear a organização do experimento do Parlamento.

Outro GT é aquele que busca ampliar o experimento trazendo novas redes globais para enriquecê-lo. Sabe-se que apenas uma experiência exitosa em sua metodologia, mas também amplamente legitimada por um número considerável de redes, pode ter o impacto político que a Multiconvergência de Redes Globais deseja e que o mundo precisa. É verdade que para a realização do experimento do Parlamento o trabalho organizativo interno das redes será considerável; por isso mesmo, algumas das redes cidadãs globais que iniciaram o processo de Multiconvergência, declinaram sua participação no experimento por estarem muito sobrecarregadas pelas suas próprias ações. O desafio de contactar novas redes, explicar o processo em curso e mobilizá-las a participar é o fundamento do GT de Extensão.

Mais dois grupos de trabalho estão em andamento no interior do Conselho de Sabedorias: 1) O GT Visão e Missão, que trabalha com o sentido e direção da experiência do Parlamento, os temas que serão discutidos e por que escolhê-los, e a ação política a ser desenvolvida no processo; e 2) O GT Assembleia, que discute como organizar a segunda câmara do Parlamento, a Assembleia da Cidadania Planetária, buscando ser diversa o suficiente para minimamente representar a humanidade a partir de representantes indicadxs pelas redes. Esses representantes precisam preencher os seguintes critérios: ser oriundos de todos os continentes, ser paritários quanto ao gênero conter pessoas de diferentes categorias de renda e educação, e ser representativos das diferentes etnias dos povos da Terra, incluindo povos ancestrais.

Nesse momento, as discussões do Conselho se concentram nessas quatro temáticas, a partir das contribuições dos grupos de trabalho nos quais conselheiras e conselheiros estão envolvidos. Todas as reuniões do Conselho vêm sendo gravadas para acompanhamento do público e estão disponíveis no canal da MRG. Para além dessas discussões, as reuniões transcorrem em ambiente de busca de conhecimento entre as pessoas e as redes, de construção de confiança mútua e de partilha de sonhos e realizações por uma humanidade mais evoluída, justa, democrática, ecológica e feliz.


Para acessar outros artigos publicados sobre este mesmo tema, clique aqui.