Chile e a maldita pandemia

02.04.2021 - Talca, Chile - Rodolfo Schmal

This post is also available in: Espanhol

Chile e a maldita pandemia
foto por Quino Al sobre Unsplash

A pandemia virou o mundo de cabeça para baixo. No Chile também estamos afetados. As devastações económicas, sanitárias, sociais continuam em vigor, da mesma maneira que o cansaço e a incerteza, apesar de já terem surgido as vacinas.

Em relação ao comportamento de governos e indivíduos, é difícil identificar aqueles países com resultados que poderíamos qualificar como bem-sucedidos em sua batalha contra a covid-19. Aqueles que parecem ter contido a pandemia em algum momento, proclamando vitória antes da hora, por um motivo ou outro, não conseguiram evitar os surtos.

No Chile, já carregamos nas costas a pandemia há pouco mais de um ano e não há sinais de que ela esteja diminuindo, muito pelo contrário. Tudo isso apesar de já termos vacinas, de estar em andamento um programa de vacinação de sucesso quanto ao número de pessoas vacinadas. As infecções e mortes pela covid-19 persistem, assim como a velocidade de propagação do vírus.

Também é preocupante porque a primeira linha das equipes de saúde, embora permaneçam fortemente comprometidas com o combate, dão sinais de esgotamento; também de decepção ao constatar que uma elevada proporção da população não segue os protocolos estabelecidos para o enfrentamento da pandemia. Os profissionais de saúde – médicos, paramédicos e auxiliares – começam a se perguntar se vale a pena colocar sua saúde em risco e se privar de descanso ao constatar que a taxa de ocupação de leitos está atingindo níveis críticos, enquanto a população pode frequentar as academias, cinemas ou cassinos.

Há algo que não se encaixa, uma indicação de que não estamos agindo bem e que devemos melhorar substancialmente. As autoridades governamentais administraram bem o processo de compra das vacinas e em tempo hábil. O sistema de saúde básico tem se destacado no processo de vacinação. Até agora, tem sido observado o respeito total às prioridades de vacinação, ao contrário do que tem ocorrido em outros países, onde autoridades de alto escalão têm furado a fila – veja os casos do Peru e da Argentina.

A pergunta que devemos nos fazer é: onde estamos falhando? Eu arriscaria duas hipóteses.

A primeira, no âmbito da população, um comportamento que beira a mais absoluta irresponsabilidade por parte de poucos, mas que tem impacto. As aglomerações, bem como a participação em festas clandestinas, e o descumprimento da capacidade e dos protocolos estabelecidos, são apenas alguns exemplos que impedem o controle da pandemia. Um processo de vacinação bem-sucedido não é suficiente se for acompanhado por um relaxamento de comportamentos. Esses são os momentos-chave que requerem uma maior tenacidade para o enfrentamento da pandemia, deixá-la para trás o mais rápido possível e que ela afete o menor número de pessoas.

A segunda, no nível governamental, de autoridades, a adoção de decisões que não são compreendidas. No esquema passo a passo, periodicamente vamos de uma fase a outra sem saber quais são os critérios sob os quais essas decisões são tomadas. Essa falta de transparência não é propriamente um convite ao cumprimento das decisões adotadas, que, em última análise, presume-se que obedecem a pressões de grupos de interesse. Alguém sabe qual foi o critério aplicado para a conceder as autorizações de férias? Qual é a lógica por trás da decisão de um bairro passar de uma fase de restrição para outra? Por que duas vizinhas próximas, fortemente comunicadas, estão em fases diferentes? Se tais critérios existem, eles não são conhecidos e, portanto, haveria uma falha na política de comunicação. Nesse sentido, as mensagens transmitidas são ambíguas. Não se entende que o relaxamento seja promovido quando os indicadores de contágio e/ou ocupação dos leitos atingem níveis críticos.

Se esses aspectos fossem melhorados, esperaríamos uma reação positiva da população no sentido de todos remarem juntos pelo mesmo lado e, assim, sair dessa maldita pandemia o mais rápido possível.


Traduzido do espanhol para o português por Mércia Santos / Revisado por Graça Pinheiro

Categorias: Ámérica do Sul, Assuntos internacionais, Ciência e Tecnologia, Opinião
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.