A violência sem freio na Colômbia

08.04.2021 - Bogotá - Redaccion Colombia

This post is also available in: Espanhol

A violência sem freio na Colômbia
(Imagem de Pressenza)

Por Stephanía Aldana Cabas

Em 13 dias, três líderes indígenas foram assassinados e três massacres foram perpetrados por agentes armados ilegais.

Os massacres e assassinatos na Colômbia não param durante 2021. Segundo dados do Indepaz (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento e a Paz), entre 18 de fevereiro e 2 de março, ocorreram três massacres e três líderes sociais (dois homens e uma mulher) foram assassinados.

Os números elevados que vão até agora, em 2021, deixaram 27 líderes sociais e defensores dos direitos humanos e 9 signatários da paz assassinados, em crimes perpetrados por grupos armados irregulares.

No meio da guerra

Luz Ayda Conchave Lana, líder indígena da comunidade Miacora, foi assassinada durante os confrontos armados entre o Exército de Libertação Nacional (ELN) e as Forças de Autodefesa Gaitanistas da Colômbia (AGC), em Alto Baudó, departamento de Chocó, em 19 de fevereiro de 2021.

Após o assassinato da líder Conchave Lana, tiraram a vida de Alejandro Manúgama, médico tradicional e guarda indígena da comunidade de Cevedé, em Bagadó, Chocó. Diante desses dois assassinatos, o líder e membro da Comissão da Verdade, Leyner Palacios, indicou que “em Baudo Chocó crianças, mulheres e adultos sofrem as consequências da guerra”. E acrescentou que “e o governo não deu conta em proteger as comunidades indígenas e afrodescendentes”.

A essas declarações, juntou-se a do Governo Maior das Autoridades Indígenas Tradicionais da Colômbia, que denunciou o extermínio físico e cultural dos povos indígenas através dos assassinatos seletivos de seus líderes, autoridades ancestrais e médicos tradicionais; sem contar no deslocamento e recrutamento forçados, assédio, confinamento e implantação de minas antipessoal. Por esse motivo, a Autoridade Indígena apelou às autoridades nacionais e internacionais para que ajudem as pessoas afetadas.

Grupos armados haviam restringido a mobilidade de Marcos Paí, ex-governador indígena da reserva La Brava, pertencente à comunidade Awa; ele foi interceptado, torturado e, posteriormente, morto por um grupo armado ilegal, em 21 de fevereiro de 2021, no município de Tumaco, departamento de Nariño, no sul do país.

O líder indígena de 40 anos, que estava acompanhado da esposa e dois filhos, um deles menor, parece ter violado a restrição de mobilidade imposta pelo grupo armado irregular que controla a área. Segundo dados da Organização Nacional Indígena da Colômbia (ONIC), esposa e filhos sobreviveram ao ocorrido.

Fiscal indígena assassinado

Em menos de uma semana, em 24 de fevereiro de 2021, um segundo líder da comunidade indígena Awá foi assassinado. Trata-se de Jhon Pai Pascal, que foi procurador do Conselho de Piguambí Palangala, localizado na comunidade de Llorente, município de Tumaco, Nariño.

As Autoridades Indígenas do Povo Awá indicaram que “homens armados chegaram por volta do meio-dia, ao interior da prefeitura onde estava Jhon Pai, e o mataram após atirar nele várias vezes”.

Com o assassinato do procurador do Conselho de Piguambí Palangala, 27 líderes e defensores dos direitos humanos perderam a vida até agora, em 2021, nas mãos de grupos armados ilegais; enquanto 1143 é o número de homicídios registrados pelo Indepaz. Pessoas que perderam a vida lutando pelos direitos das comunidades na Colômbia, desde a assinatura do Acordo de Paz, em 2016.

Os massacres não param

No período entre 18 de fevereiro e 2 de março de 2021, ocorreram três massacres, nos quais 14 pessoas foram mortas. Esses eventos elevam o número para 58 o número de mortos em 15 massacres este ano. Os departamentos onde a maioria dos casos ocorreram são Antioquia, Cauca, Nariño, Valle del Cauca e La Guajira.

É importante destacar que, esse ano, ocorreram dois massacres mais do que em 2020, o que disparou o alarme de organizações internacionais de direitos humanos, como o Escritório designado para os Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas, conforme indicado por Michelle Bachelet perante o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, em Genebra, em 25 de fevereiro de 2021.


Traduzido do espanhol por Mercia Santos / Revisado por Graça Pinheiro

Categorias: Ámérica do Sul, Direitos Humanos
Tags: , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.