Um olhar humanista sobre o Parto e o Nascimento

15.01.2021 - Barcelona, Cataluña - REHUNO - Red Humanista de Noticias en Salud

This post is also available in: Inglês, Espanhol, Francês, Alemão, Grego

Um olhar humanista sobre o Parto e o Nascimento
(Crédito da Imagem: Claudía Mónica García)

Por Flavia Estevan

Antes de começar, quero fazer um parênteses em relação ao uso do gênero nesta nota, usarei mulheres referido-me às mulheres cis, para poder abordar as especificidades das experiências delas com relação ao parto e ao nascimento, sem deixar de reconhecer que homens trans também dão à luz e que mulheres trans também são mulheres.

O Parto e o Nascimento

Parto e nascimento convergem duas experiências diferentes que acontecem ao mesmo tempo; Parir é a experiência da mulher e Nascer é a experiência do feto que chega ao mundo.

Ambas experiências envolvem corpos, emoções e sensações, além de que parir e nascer acontecem sob determinantes sociais, culturais e históricas.

Tratarei de falar rapidamente sobre algumas variantes históricas e culturais e principalmente compartilhar uma visão sobre o tratamento que os corpos femininos vêm recebendo nesse processo.

Até o século XX o parto estava dentro de um repertório de situações vividas na esfera doméstica e comunitária. Mulheres pariam entre mulheres, em geral nos seus lares e dessa forma mantinham suas roupas, sua alimentação, seu entorno familiar e sua identidade.

A obstetrícia como especialidade médica no ocidente, foi levando progressivamente os partos para dentro das instituições hospitalares e isso se consolidou a partir dos anos 50, sobretudo nas sociedades urbanas.

Inserir o parto entre as especialidades médicas mudou a compreensão de que o parto é uma experiência humana. O profissional que acompanha o parto passou a ter o papel de protagonista, bastante motivado a fazer algo diante do “sofrimento” de uma mulher.

Tem sido uma reivindicação dos movimentos feministas na saúde, desde a década de 60, a retomada da autonomia sobre nossos corpos. Também é preciso recuperar a confiança tanto por parte de nós mulheres, quantos dos profissionais da saúde, na capacidade que temos de parir e que os bebês têm de nascer.

Qual é o olhar humanista sobre o parto e o nascimento que devemos lançar nos dias atuais?

Um olhar humanista deve incluir a superação das práticas de violência obstétrica que incluem xingamentos, tortura psicológica, violência física e sexual durante o parto, além de procedimentos de rotina que são realizados todos os dias em todo o mundo e são violentos; como uso de substâncias quimicas para acelerar os partos, manter mulheres deitadas e sem alimentação, manobras como empurar o fundo do útero, realizar cortes vaginais e cesarianas sem necessidade. Todas essas práticas não possuem respaldo científico, pelo contrário, estão contra indicadas.

Devemos trabalhar pelo ideal de que todos os partos sejam experiências respeitosas e com segurança. Precisamos garantir o acesso aos direitos sexuais e reprodutivos para todas as pessoas do mundo, garantindo dessa forma que os nascimentos que ocorram, sejam desejados.

Humanizar é trabalhar dia e noite pela melhor experiência possível de parto, dispor dos recursos necessários, que são sobretudo investir em profissionais qualificados, bem remunerados, com jornadas de trabalho dignas e que possam estar em reflexão permanente e tenham acesso à ferramentas para superação da violência interna e com outres.

Humanizar é cuidar do olhar que lançamos sobre o parto e o nascimento, se nosso olhar é julgador, rígido e queremos que o parto caiba em nossos tempos, em nossas agendas e em nossos protocolos, inevitavelmente atropelamos as mulheres e desrespeitamos sua autonomia.

Cada parto e cada nascimento é uma aventura rumo ao desconhecido, uma intenção lançada ao porvir, uma condição de origem. É o início da vida de alguém e o renascimento de uma mulher e de uma família, portanto um momento sagrado e sublime.

Como profissionais da saúde tomemos a responsabilidade de acompanhar esses processos dando nosso melhor, para estar à altura dessa missão grandiosa que nos foi conferida. Como disse o escritor, poeta e médico brasileiro João Guimarães Rosa, “Uma criança nasceu, o mundo tornou a começar”.

Em um mundo que precisa re-começar em tantos aspectos, talvez aí tenhamos uma pista.

 

 

 

Categorias: Internacional, Opinião, Saúde
Tags: , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.