MANAUS: No pulmão do mundo, mulheres e homens morrem por asfixia do Estado

15.01.2021 - Redação Rio de Janeiro

MANAUS: No pulmão do mundo, mulheres e homens morrem por asfixia do Estado
(Crédito da Imagem: Foto: Mariana Reis)

Mariana Reis*

Desci do avião: que terra úmida! Eu estive em Manaus no final de 2017. Cheguei com muita dor da endometriose, doença que eu ainda não sabia que tinha. Suava sem parar. A primeira coisa que notei foi o sorriso das pessoas. Quando a gente está com dor, trombar com um sorriso espontâneo é como ganhar um abraço.

Nesse mesmo dia, no final da tarde, fui com alguns amigos até a praia da Ponta Negra. Entrei devagarzinho que era para sentir a água aliviando meu ventre-árvore. O sol já se punha e aquela escuridão que surgia se misturava com o rio negro. Perdi o fôlego.

Minha pele amanhecia emocionada. Nas ruas, nos pontos turísticos e no meio daquela gente sorridente, minha pele continuava a lacrimejar. Demorei um pouco para me acostumar com o pulmão do mundo. Respirar pelas camadas da derme é um misto de sufoco e alívio.

No mirante, vi a floresta lá do alto, o ar entrando e saindo dos meus pulmões, aves de tudo quanto era espécie querendo se fazer ouvir e, sabe-se lá quantos outros animais escondidos pelos brônquios dos troncos, numa reza rouca.

Manaus tirou minha dor que transpirou. Sabores me salivavam o peito que subia e descia, no mesmo ritmo da cidade. No mercadão, conheci um senhor que vendia tudo quanto era de curar. Atrás do balcão, cercado pela alquimia ancestral, disse que a copaíba era a seiva sagrada da árvore. Que coisa bonita para se dizer para quem gosta da poesia das palavras-remédios.

Ontem li o relato de um médico sobre a situação da pandemia em Manaus. Ele dizia que era terrível ter formação, residência e doutorado e não ter oxigênio para salvar pessoas. No pulmão do mundo, homens e mulheres ficaram sem respirar, por asfixia do Estado.

Penso que, o verdadeiro paradoxo é viver num país que tem o privilégio de existir pulsando com a maior floresta tropical do mundo, mas seus governantes não a consideram como parte da nossa existência. Assim como, desconsideram a saúde pública, universal e de qualidade, prevista na Seguridade Social, da Constituição Federal de 1988.

Tanto a floresta, como o SUS são de todos/as nós. É inadmissível que falte oxigênio em um hospital público. É dever preservarmos nossa floresta. E que seja autorizado perdermos o fôlego, apenas, em contemplação pelo espetáculo da natureza.

Eu dormi um dia na Floresta Amazônica nessa mesma viagem. Acordei um pouco mais humana, foi como deitar na terra-mãe e acordar raiz.

Desejo essa humanidade aos nossos governantes. Honro os/as profissionais que tem feito o impossível para que as pessoas continuem pulsando, assim como a floresta.

Por Manaus, eu sinto muito.

Por isso, escrevo.

 

 

*Mariana Reis é Assistente Social, Mestra em Serviço Social e Políticas Sociais. Poeta, educadora, escritora e incentivadora da leitura, como ato de amor revolucionário. Poesia em Travessia é seu primeiro livro, inspirado em Guimarães Rosa e Manoel de Barros. Fala sobre livros e literatura no Instagram @sobretudolivros. Lives com autoras nacionais é seu mais novo projeto literário, com objetivo de divulgar escritoras mulheres. No sertão mineiro foi batizada Caliandra na ciranda de luas-mulheres, que de todas as partes do Brasil, nutrem a terra com seu sangue e sua luta.

 

Categorias: Ámérica do Sul, Direitos Humanos, Ecologia e Meio Ambiente, Saúde
Tags: , , , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.