Maré verde- Mulheres argentinas lideram movimento histórico. Lei do aborto será votada amanhã pelo Senado

27.12.2020 - Buenos Aires, Argentina - REHUNO - Red Humanista de Noticias en Salud

This post is also available in: Espanhol, Francês

Maré verde- Mulheres argentinas lideram movimento histórico. Lei do aborto será votada amanhã pelo Senado
(Crédito da Imagem: Lara Va)

A poucos dias de terminar 2020, o ano marcado pela pandemia da Covid 19, a Argentina tem a possibilidade de dar um passo à frente a fim de deter outra epidemia; a morte de mulheres por abortos clandestinos. Desde 1980 o aborto inseguro é a principal causa de morte materna no país.

Diante disso, muitos movimentos em prol do direito à interrupção voluntária da gravidez vêm se articulando para mudar esta realidade.

Em 2018, o projeto de legalização do aborto passou na câmara dos deputados da Argentina, mas foi barrado no Senado. Este ano a situação se repete, o projeto foi aprovado no início de dezembro por 131 votos a favor e 117 contra e no próximo dia 29 de dezembro, voltará novamente à votação no Senado.

Esta é a nona vez que um projeto de lei de interrupção voluntária da gravidez tramita no Congresso Argentino e diferentemente de outras vezes, este vez tem o apoio do presidente em exercício Alberto Fernández.

A expectativa dos movimentos de mulheres e de diversas organizações a favor dos direitos humanos é que dessa vez a lei seja aprovada e o direito ao aborto finalmente previsto em lei, atualizando assim uma lei de 100 anos atrás.

A iniciativa Argentina representa um grande passo para toda a América Latina

O estudo “ Desafios e oportunidades para o acesso ao aborto legal e seguro na América Latina a partir dos cenários do Brasil, da Argentina e do Uruguai”, publicado em 2020 mostrou que a cada ano 47 mil mulheres de todo o mundo morrem em decorrência do aborto inseguro, sendo a América Latina a região com leis mais restritivas para o aborto e com maior número de abortos inseguros.

Caso o aborto seja legalizado, a Argentina será o quinto país da América Latina e Caribe a dar às mulheres o direito a escolherem pela interrupção voluntária da gravidez. Os países que já têm o aborto previsto em lei são: Cuba desde 1965, Porto Rico desde 1973, Guiana 1995 e Uruguai desde 2012. Diversos outros países da região possuem leis intermediárias em relação ao aborto e El Salvador, Honduras, Nicarágua e República Dominicana são os países que criminalizam totalmente a prática.

A experiência Uruguaia

O processo mais contemporâneo na legalização do aborto foi o do Uruguai e possui algumas características importantes que valem a pena observarmos.

A legislação anterior à legalização do aborto no Uruguai era de 1938 e permitia o procedimento nos casos em que a honra do marido estivesse em jogo, quando havia risco de vida para a mulher e em casos de pobreza extrema. Naquela época, os métodos contraceptivos não estavam universalmente disponíveis e as políticas de educação não incluíam acesso à saúde e aos direitos sexuais e reprodutivos.

É importante observar que o Uruguai é um país com uma história importante de separação entre Igreja e Estado, diferente de quase toda a América Latina onde a maioria dos Estados na prática não são laicos.

Possivelmente esse fato fez com que a pauta do aborto fosse sendo cada vez mais discutido e a partir de 1995 o debate sobre legalização ou descriminalização do aborto foi sendo intensificado.

Assim, entre 2001 e 2012 o país iniciou um “Plano de iniciativas sanitárias contra abortos inseguros”, com o apoio da Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (Figo) além de outros parceiros nacionais e internacionais.

Em outubro de 2012, o país aprovou a lei de interrupção voluntária da gravidez para gestações de até 12 semanas ou 14 semanas completas em casos de estupro. O procedimento somente pode ser realizado pelas instituições do Serviço Nacional de Saúde do Uruguai, sendo proibido em clínicas privadas do país.

O processo de acompanhamento da interrupção voluntária da gestação inclui a avaliação de uma equipe multidisciplinar que atende e acompanha a paciente durante todo o processo, sendo obrigatório um período de reflexão de cinco dias entre a consulta com a equipe e o procedimento em si. Para a maioria dos casos, o método escolhido é o Kit de mifepristone-misoprostol.

Desde outubro de 2012, mês da legalização do aborto, até 2016, o país registrou somente 2 mortes por abortos, sendo que essas mortes foram em decorrência de procedimentos realizados fora do sistema de saúde. Outro dado importante foi a redução de mortes maternas, de 25 para 14 mulheres (a cada 100 mil nascidos vivos), ou seja, legalizar o aborto também impactou na mortalidade materna em geral.

Não existem dados anteriores sobre o número de abortos inseguros, mas logo após a legalização, a taxa de procedimentos para interromper gestações era de 12 em cada 1000 mulheres de 15 a 45 anos, segundo estatísticas oficiais do Ministério da Saúde.

Estes números estão entre os mais baixos do mundo e isso não está associado somente à implementação da legaização do aborto, mas também à política de saúde implementada nos anos anteriores.

Para se ter uma ideia, no Brasil, onde a prática é ilegal, segundo dados do Ministério da Saúde, em 2016, eram registrados 4 mortes por dia em hospitais em decorrência de complicações no aborto, cerca de 1.500 mortes de mulheres por ano.

O catolicismo e mais contemporaneamente as religiões evangélicas, se articulam politicamente para interferir em diversos campos impondo suas crenças e valores. No caso do aborto, o debate sobre saúde pública sempre fica em segundo lugar e o centro da questão torna-se o corpo das mulheres como espaços de controle, disputas e dominação por parte das religiões.

Lara Va.

Os desafios que as mulheres ainda precisam enfrentar

Diversos estudos apontam que as mulheres com maior risco de morte e sequelas derivadas do aborto inseguro são jovens, indígenas, negras periféricas ou residentes em áreas rurais pobres, com menos acesso a educação formal, informação sobre saúde sexual e reprodutiva e acesso a meios contraceptivos. As mulheres que estão em relacionamentos abusivos ou que sofrem violência sexual completam o quadro de vulnerabilidades.

Nesse contexto é preciso olhar o direito ao aborto como um compromisso da sociedade e dos órgãos de saúde com as mulheres, que muitas vezes estão à mercê das multiplas desigualdades, da falta de acesso a métodos contraceptivos pelos sistemas de saúde, além de situações de violência sexual intrafamiliar.

O passo que os sistemas de saúde e a formação profissional precisam dar

As diversas violências sofridas no processo de abortamento, seja desejado ou não pela mulher, são consideradas violência obstétrica. A humilhação, os maus tratos, o abandono e a recusa de profissionais em acompanhar o processo de abortamento são frequentemente relatados por mulheres.

É urgente que a formação de todos os profissionais da assistência obstétrica incluam o aborto como prática que precisa ser aprendida em seus múltiplos aspectos. É preciso dar a oportunidade dos estudantes de Obstetrícia (sejam médicos ou enfermeiros) refletirem sobre a escolha da especialidade em Ginecologia e Obstetrícia, contemplando que o aborto é uma rotina que fará parte das suas atividades profissionais.

Ao não fazer isso, chegamos à taxa média de até 50% de profissionais da obstetrícia que alegam objeção de consciência, negando-se a prestar atendimento em casos de aborto.

Apesar de a maior parte dos casos de objeção de consciência alegarem motivos religiosos, estudos atestam que a postura dos profissionais muda dependendo de quem necessita do procedimento e profissionais que se negam rotineiramente a realização de abortos, abrem exceção no caso de familiares ou conhecidos.

É importante ressaltar que a legalização do aborto é apenas um primeiro passo, importante, fundamental, mas que precisa ser seguido de muitos outros. É preciso Instituições com equipes multidisciplinares treinadas para o acompanhamento de todo o processo e acesso universal a métodos contraceptivos.

É preciso um Estado com seus respectivos sistemas de saúde laicos e que priorizem a saúde e a vida das pessoas acima de tudo.

 

1-From risk and harm reduction to decriminalizing abortion: The Uruguayan model for women’s rights. Acesso em: https://doi.org/10.1016/j.ijgo.2016.06.003Citations: 11

2- Abortion Worldwide- 20 YEARS OF REFORM. Acesso em: https://www.reproductiverights.org/sites/crr.civicactions.net/files/documents/20Years_Reform_Report.pdf

3- A legislação sobre o Aborto nos Países da América Latina: uma Revisão Narrativa. Acesso em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/ccs_artigos/legislacao_aborto.pdf

4- Desafios e oportunidades para o acesso ao aborto legal e seguro na América Latina a partir dos cenários do Brasil, da Argentina e do Uruguai. Acesso em: https://www.scielosp.org/article/csp/2020.v36suppl1/e00168419/

5- Aborto induzido: Conhecimento, Atitude e Prática de Ginecologista e Obstetras no Brasil. Acesso em: https://apublica.org/wp-content/uploads/2013/09/pesquisa_ginecologistas.pdf

 

 

 

Categorias: Ámérica do Sul, Gênero e feminismos
Tags: ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.