Estar no lugar certo. Uma reflexão pessoal após o assassinato de Willy Monteiro Duarte

08.10.2020 - Roma, Itália - Edoardo Calizza

This post is also available in: Espanhol, Italiano

Estar no lugar certo. Uma reflexão pessoal após o assassinato de Willy Monteiro Duarte

Na noite de 5 a 6 de setembro, um rapaz esbelto e corajoso de 21 anos, Willy Monteiro Duarte, foi morto por quatro outros rapazes fisicamente muito mais fortes do que ele, com idades entre 21 e 26 anos em Colleferro, uma cidade de 21.000 habitantes nos arredores de Roma. Willy Monteiro Duarte tinha intervindo para defender um amigo dele de um espancamento.

Eu li vários artigos e posts nos quais, sentindo pena do rapaz assassinado, haviam escrito que ele estava “no lugar errado, na hora errada”. Essa afirmação me chamou a atenção e me fez pensar. Acho isso enganoso e perigoso. Enganoso, porque sugere que o problema é que ele estava lá, e não o que estava acontecendo onde ele estava. Perigoso, porque parece dizer ao leitor que em situações semelhantes o melhor a fazer é “mudar de lugar”. Acho que um ponto importante de reflexão se abre aqui.

Onde escolhemos estar, que “lugar” escolhemos ocupar, diante da violência? Qual é o lugar certo, qual é o lugar errado, para ocupar diante da violência quando ela se manifesta tanto de forma contingente como estrutural? Willy Monteiro Duarte, com a sua coragem, decidiu passar de um lugar seguro, longe do espancamento, para um muito menos seguro, no meio do bando de violentos, para defender seu amigo. Ele queria reduzir o lugar, o espaço disponível para aquela violência cega, injustificável e destrutiva, que provavelmente não lhe deu tempo para outras estratégias. Para fazer isso, tudo o que ele tinha era o seu corpo esbelto, que foi o que ele usou. Não é preciso se esforçar muito para entender que uma surra de quatro homens musculosos representa um risco real para sua própria segurança. E ainda assim, esse é o lugar que ele decidiu ocupar. É plausível imaginar que, se ele não tivesse intervindo, o seu amigo é que estaria no lugar dele. Por esta razão, penso que definir como “errado” o lugar que ele ocupou intencionalmente é profundamente incorreto do ponto de vista ético e social.

Em uma sociedade que glorifica a violência, que a coloca em evidência até que seja assimilada por nossas consciências como algo normal, inevitável ou de qualquer forma aceitável, torna-se difícil ver o que realmente estava no lugar errado. Isso deveria nos fazer refletir. Qual e quanto espaço resta para o culto da violência? Aqui, a palavra “culto” parece particularmente apropriada, dada a atividade de “fisiculturistas” dos rapazes que praticaram o espancamento e o assassinato. Corpos fortalecidos, potencializados, treinados cotidianamente para corresponder a essa imagem de força bruta, violenta, agressiva, machista, que é enaltecida no modelo dominante de nossas sociedades. Corpos treinados para dominar, esmagar o outro. Um modelo violento que encontra seu lugar, encontra espaço e, o que é mais preocupante, encontra reconhecimento. Um modelo do qual o espaço deveria ser retirado, dia a dia, bairro a bairro, escola a escola, para dar lugar a uma cultura de não-violência que exalta qualidades diametralmente opostas às exaltadas hoje nas pessoas, nas relações individuais e sociais. Uma cultura que eduque desde os primeiros anos de idade para saber discernir, emocional e intelectualmente, entre o que está no lugar certo e o que está no lugar errado, segundo um sistema de referência moral interno, que tem como centro o valor do outro, de sua liberdade e sua dignidade.

Willy Monteiro Duarte estava no lugar certo. Os amigos que vieram atrás dele e tentaram salvá-lo, estavam no lugar certo. O que estava fora de lugar era a violência homicida e alucinada que o arrasou. Em retrospectiva, pessoalmente eu gostaria que ele tivesse escolhido outro lugar naquele momento, mas percebo que, se optarmos sempre por deixar o terreno para a violência por medo das consequências, ela se espalharia para ocupar todo o espaço disponível. Então, ocupar o lugar necessário, quando a violência ocorre, é um ato de profunda coragem. É uma escolha que não pode ser avaliada a posteriori, pois às vezes ela deve ser feita sem poder calcular todas as consequências. E quando as consequências são imagináveis, como no caso de Willy, e mesmo assim essa escolha é mantida e esse lugar é ocupado, então se torna uma escolha profundamente humanizadora e revolucionária. O lugar ocupado por Willy Monteiro Duarte é o lugar ocupado por milhares de ativistas e outros cidadãos, todos os dias, em todos os cantos do planeta. É o lugar que ocupou Julio Andrés Pineda Diaz, ativista hondurenho do organismo internacional Mundo Sem Guerras e Sem Violência, brutalmente morto poucos dias atrás por causa do espaço que ocupava diante da violência em seu país. O lugar ocupado pelas mulheres da Administração Autônoma do Nordeste da Síria (mais conhecida como Rojava) que se opõem à violência opressiva de várias frentes anti-humanas, que querem impedir o desenvolvimento de experiências profundamente democráticas, revolucionárias, livres e inovadoras. O lugar ocupado por aqueles que navegam no Mediterrâneo para oferecer humanidade, ajuda e esperança àqueles que migram. O lugar ocupado por qualquer um que decida colocar um olhar humanizador sobre o outro, sobre todos aqueles e aquelas que não encontram espaço na narrativa egocêntrica e auto-enaltecedora que domina hoje. O lugar ocupado por qualquer um que se dirija ao outro com gentileza e consideração em um mundo que quer que sejamos contrários, desconfiados, distantes.

O lugar que nós, Humanistas, ocupamos todos os dias, aspirando construir uma realidade não violenta, onde o Ser Humano é realmente o valor central, reconhecendo o direito de colocar a resistência certa a qualquer forma de violência que nos afete, que afete as pessoas próximas a nós, assim como as mais distantes neste planeta.

É o lugar que escolhemos intencionalmente. O lugar que iremos defender, ainda que com dificuldade, mesmo que ainda em aparente minoria, sabendo que temos a nossa força resoluta, equilibrada, poética e humanizadora para nos opormos à violência culturista do sistema. Essa força que se alimenta da sensação de que não estamos sozinhos e sozinhas ocupando este espaço. Que se alimenta toda vez que não nos movemos, que não desistimos de estar no lugar certo, na hora certa, reduzindo o espaço concedido à violência fora de nós e dentro de nós. Essa força que quer construir, que não procura mártires, que traça implacavelmente o caminho do Ser Humano do futuro e que ressoa no coração de quem já pode imaginar esse futuro, de quem já pode sentí-lo com profunda emoção, apesar de todas as dificuldades pessoais. Isso ressoa no coração de quem pode ver esse futuro esboçado nos olhos bondosos e brilhantes de um jovem de 21 anos de corpo esbelto e coração gigante em uma cidadezinha nos arredores de Roma.


Traduzido do italiano por Stephany Pasquino Vitelli

Categorias: Europa, Humanismo e Espiritualidade, Internacional, Opinião
Tags: , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.