O jardim da casa de cima

20.09.2020 - Rio de Janeiro, Brasil - Redação Rio de Janeiro

O jardim da casa de cima
(Crédito da Imagem: Davison Alves**)
RELATO

 

 

Por Alfredo Soares*

De uma hora pra outra me peguei com as flores e a horta do meu quintal. Converso com elas quando chego do trabalho e me ponho a molha-las. É uma terapia. Falo de tudo e ouço música.

Me lembro do meu primeiro trabalho. Seu Olavo cuidava do jardim da casa de dona Sônia, uma carioca, esposa do seu Damasceno, que tinha a melhor casa da rua. Na verdade era uma mansão se comparada as demais.

A casa era cercada de um jardim enorme e muitas plantas e árvores. Seu Olavo se esmerava, mas precisava de um ajudante. O tempo já lhe cobrava os anos passados.

Então lá fui eu a mando do meu pai. Seu Sebastião, astuto e inteligente, não pensou duas vezes quando pedi dinheiro pra ir a matinê de domingo, com meu tio/irmão José Carlos. Ele me influenciou, na adolescência,  me apresentando seus discos de Beatles, Led Zepelim Black Sabath, entre outros.

Como  a  febre das discotheques estava só começando e eu não queria ficar de fora, agarrei a oportunidade de ganhar um trocado toda sexta feira e ainda comprar drops Ducora ou Mentex pra chegar nas cocotas.

Fiz 14 anos e Zé me levou a melhor matinê – era assim que se chamavam as tardes dançantes de domingo – da cidade. Meu pai, diante do meu pedido, me sugeriu que eu mesmo pagasse pela entrada no Clube Comary, onde acontecia a domingueira . Eu, sedento por não perder uma balada decidi aceitar.

Pela manhã estudava no C. E. Higino da Silveira e a tarde ia trabalhar com seu Olavo.

O jardim de dona Sônia era a parte boa. Seu Olavo fazia bicos pela vizinhança. Ele não rejeitava serviço. Por conta dele aprendi a limpar fossas, carreguei muita lajota escada acima, passei muito fios por dentro de conduítes, virei muita massa em obra. Mas o jardim era o que eu gostava.

A cada semana que dona Sônia subia, ela trazia uma planta nova. Pra ficar tudo arrumado era preciso regar as plantas, podar  e, principalmente, limpar a grama chinesa que ficava debaixo de duas enormes árvores de eucalipto, que perfumavam o ambiente como numa sauna a vapor,  e da grama esmeralda que ficava na subida de lajota por onde o carro entrava.

Em dias de vento era quase impossível deixar tudo limpo. Seu Olavo quase surtava com a demora. Ele mesmo não pegava no ancinho. Só gritava pra que eu não me atrasasse. Normalmente isto ocorria nas tardes de quinta ou sexta.

O jardim era lindo. Dona Sônia planejara cada cantinho. Gramara tudo e colocara trilhas de pedra para cada canto que a gente olhava.  Seu Damasceno chegava dirigindo seu Dodge Dart Coupé V8, com dona Sônia ao lado e os filhos atras. Os mais velhos vinham em seus próprios carros. Dona Sônia também dirigia. Era uma mulher moderna. Moravam em Laranjeiras.

Em Teresópolis, a casa de assoalho tinha uma sala em dois pavimentos. Cada filho tinha seu quarto e Marcelo, seu filho mais novo, era amigo da molecada da rua. Ele sempre convidava os meninos pra encarar as aventuras do fim de semana. Eu, Marcelo de dona Noemia, Serginho e Antonio Luís não faltávamos ao encontro aos sábados e, quando as férias chegavam praticamente morávamos por lá. Nos dias de chuva  íamos para o quarto dele brincar de Autorama.

Também tinha a briga pra andar na sua bicicleta alemã de nome bikeandor.

Na casa uma ladeira dava para o final da rua onde tinha uma rotatória, que fazíamos de campinho. Nosso desafio era descer a toda, montado na Bike, indo parar na rotatória

Não bricavamos no jardim, pois era quase todo Inclinado. Pra evitar acidentes, escalávamos um pra viajar a entrada e, principalmente, pra avisar da chegada de dona Sônia. Ela, como mãe, temia por nossas vidas. Seu Damasceno, elegante e altivo, era mais condescendente com a nossa bagunça.

Bem, aquele jardim da casa de cima – era assim que chamávamos a casa – era nosso parque de diversão. Não faltam boas histórias, ombros e penas raladas, sinais de um tempo bom. Vivemos a década de 70 distantes dos seus problemas. A gente só queria aproveitar a vida e ser criança, descobrindo e experimentando coisas e sentimentos.

O tempo passou, a democracia foi instalada e eu deixei de trabalhar com seu Olavo no jardim de dona Sônia. Crescemos. Meu pai me levou pra carpintaria e de lá fui tentar a vida no radio.

Mas o jardim me motivou a gostar das plantas. Hoje tentei entender o porquê de tanto querer comprar uma begônia aqui pra casa. Vê-la florir e colorir o quintal.  Creio que tem a ver com aquele jardim da casa de cima da minha rua. Confesso que eu saí de lá, mas a rua na saiu de dentro de mim.


* Jornalista, radialista, escritor. Teresopolitano radicalizado em Campos/RJ. Instagram: alfredosoares49
** Pintor, cartunista e ilustrador. Também é professor de desenho. Instagram

Categorias: Ámérica do Sul, Cultura e Mídia
Tags: ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.