As brumas de Brumadinho, Mariana e Itabira

16.08.2020 - Rio de Janeiro, Brasil - Eduardo Alves

As brumas de Brumadinho, Mariana e Itabira
Bento Rodrigues Nov 1015 (Crédito da Imagem: Romerito Pontes, CC BY 2.0)

A nebulosidade que origina o nome da cidade de Brumadinho ocupa de distintas formas e com variados impactos, também as cidades de Mariana e Itabira.  Tanto as brumas quanto os rios e as pedras poderiam ser fontes de inspirações poéticas. E assim foram, pois se pode encontrar nos poemas de um dos mais potentes poetas de todos os tempos, nuvens, pedras e rios. Mineiro, de Itabira, Drummond já havia escrito o suficiente para contribuir com sentimentos e pensamentos das pessoas para entender que, na vida, o Rio Doce impactava mais que quaisquer brumas. E, como escrito pelo poeta, “O Rio? É doce. A Vale? Amarga”. E era mesmo sua declarada posição favorável à vida e contrária à mineração em curso, impactada ainda mais pela criação da empresa que “não vale”, a Vale do Rio Doce. O poeta não aguentou e, ainda que não tenha deixado de olhar e sentir Itabira, foi ver o Brasil em suas formas físicas por aí.

Carlos Drummond de Andrade nasceu em Itabira em 1902 e faleceu no Rio de Janeiro em 1987. A Vale do Rio Doce foi fundada em 1942, em Itabira, e até hoje segue minerando por aí. O quanto a empresa Vale já era amarga, desde o início, para o poeta, sua amargura se tornava mais evidente para as pessoas nos anos 2015 e 2019 quando ocorreram rompimentos de barragens que ceifaram a vida das pessoas em Mariana e Brumadinho. O impacto da vida em Minas chegou para todo mundo: deram-se conta de que um vale amargo já tinha sido anunciado pelo poeta muitos anos antes.

O que está em questão, antes de mais nada, é a necessidade mais que urgente de assumir uma posição assertiva e combativa em defesa da vida. E, tratando-se de Brumadinho, sofre-se impacto na água, na mineração e sobretudo nas pessoas que estão nesta segunda Unidade Federativa do Brasil e que nela ainda existem. Mas até quando existirão? Palavras não resolvem nesse caso, o Estado precisa agir criando frestas de humanidade. Sabemos que o Estado seguirá com seu papel e sua finalidade de existência, confirmadamente no capitalismo, mas podem ser criadas frestas de humanidade, frestas públicas, para que as pessoas cuidem e preservem a vida em sua dignidade plena. Ao se juntar ao papel opressor do Estado, a ideologia populista que tomou a formação brasileira, fomentada pelo projeto neocolonial de impérios em disputa, fomenta a necropolítica que explode em todas as dimensões e contra a vida.

Neste momento específico em que a pandemia toma o mundo e em que a política brasileira estende o tapete para que o vírus massacre os mais empobrecidos, estes que fazem existir a vida de todos por meio de seu trabalho, as situações são ainda muito mais doloridas. Escrever para que o Estado brasileiro, e a Vale, ainda que faces de uma mesma “necromoeda”, se façam valer reparando a vida das pessoas que não a perderam com a morte dos corpos, é uma exigência fundamental. Urge, ainda mais, uma ação que precisa se consolidar como alimento de solidariedade e de unidade: os grupos políticos brasileiros comprometidos com a vida precisam dar as mãos unificando uma grande onda e uma potente gira em favor das pessoas em Mariana e Brumadinho.

A multidão de cada local, que se unifica em organizações da sociedade civil, com diferenças e recortes múltiplos, possui um centro de unidade que precisa ser descoberto por todas as pessoas: somos as pessoas que possuem a mercadoria força de trabalho para vender e para sobreviver. Dentro dessa unidade, há diferenças e diversidades de humanidades e há vários direitos humanos a serem defendidos, bordados e conquistados. A vida é mais ampla do que a da humanidade, e seres humanos como nós, que se dispõem à organização, à ação, ao discurso e à fala possuem a tarefa de defender toda a vida existente e senciente, não somente a sapiens, de modo a ampliar, radicalizar e aprofundar a defesa da vida humana e não humana em toda a sua plenitude.

A narrativa dominante sobre as tragédias possui ideologicamente a tarefa de esconder a natureza histórica, social e fundamentalmente econômica delas, dando-lhes o caráter de fatalidade naturalizada. E assim tem sido o véu místico ideológico deste modelo societário: a Natureza, o acaso e a contingência se personificam como sujeitos causais das tragédias e os verdadeiros sujeitos responsáveis por elas se coisificam como objetos de seus efeitos, nesta inversão cotidiana a partir da qual opera a ideologia. Sabemos que nada há de natural nas tragédias em Mariana e Brumadinho: possuem, sim, sujeitos que as fizeram existir e seguem estes sujeitos, num rodízio fantasmagórico, a fazer existir ainda mais tragédias, incluindo as múltiplas tragédias da pandemia. Esses sujeitos são dominantes na economia e, como tais, se apropriaram privadamente da Natureza sobre qual a destruidora mineração sempre ocorreu e segue existindo.

Um basta na destruição da Natureza e da vida é clamado no momento. Tal basta só pode ser feito por sujeitos sociais, esses que são impactados por toda a destruição da natureza e da vida, em todas as suas dimensões, e transformam os seres humanos em objetos e em insetos.

Mas são esses mesmo seres humanos objetificados que são os verdadeiros sujeitos de toda a produção social e que possuem o potencial criativo para transformar a Natureza sem lhe esgotar e para que a transformação do grande COMUM seja apropriado de forma coletiva e solidária. Não há mais tempo para as destruições. Precisamos viver um tempo das reparações, mas, sobretudo, de avanços. Reparar o que a empresa multinacional de mineração chamada Vale fez em 2015 e 2019 é mais do que necessário, é urgente. Mas essa empresa que opera sobre os caminhos e sobre as condições para a morte não o fez sozinha e o Estado precisa ser responsabilizado e compromissado pelos e com os sujeitos humanos que sofrem seus impactos. Somos nós os sujeitos que sofrem os maiores impactos deste modelo estatal e econômico e os mesmos que produzem, pelo trabalho, todas as coisas necessárias à vida planetária, portanto, somos quem possui a força, a potência e as condições para mudar o mundo. Eis o tempo de fazer com que o rio que nos atravessa seja realmente doce e de tirar toda a amargura que condena a humanidade.

Vamos, unificados, realizar uma grande gira de defesa da vida e que faça a solidariedade avançar para que viver seja um ato de criação e não de escravidão, como tem predominado no mundo e principalmente nesta neocolônia chamada Brasil. Vamos seguir, como sujeitos humanos, sociais e políticos solidários, exigir todas as reparações nas cidades de Minas Gerais, para que sejam “cidades gerais” em vidas e não em coisas. E, nessa mesma trilha, potente e criativa, vamos superar as ondas de mortes da pandemia, abraçar toda a periferia que traz o viver espalhado por todo o Brasil e fazer acontecer a dignidade humana em todas as suas dimensões. Vamos ultrapassar fazendo a vitória em favor da grande maioria de pessoas brilhar em nosso Brumário. É hora de fazer a vida valer!

Categorias: Ámérica do Sul, Direitos Humanos, Ecologia e Meio Ambiente, Opinião
Tags: , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Dia da Não Violência

Dia da Não Violência

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.