Superando o medo: o caminho do movimento hipocrático

11.07.2020 - Olivier Turquet

This post is also available in: Inglês, Espanhol, Francês, Italiano, Catalão

Superando o medo: o caminho do movimento hipocrático

Muitas vezes durante a pandemia do Covid-19, o assunto das possíveis curas para o vírus surgiu e provocou polêmica. Por iniciativa de Mauro Rango, um entusiasta da medicina italiana que mora em Rodrigues (República das Ilhas Maurício), foi formado um grupo de estudo que foi formalizado há alguns dias na Associação IppograteOrg. Vamos conversar sobre isso com alguns deles. Mauro, Maria, Adriana, Nicola, Massimo.

– Mauro, você pode resumir o que aconteceu?

– MAURO: Moro na República das Ilhas Maurício. A ilha onde moro se chama Rodrigues, a 600 km a leste das Ilhas Maurício, o último ponto da África no Oceano Índico. Eu sempre amei remédios, embora não seja médico. No surto da epidemia de Covid-19, comecei a pesquisar possíveis terapias com amigos médicos, o que sempre me levou à combinação de azitromicina e hidroxicloroquina.

Quando o Coronavírus chegou à Itália e as primeiras pessoas começaram a morrer, liguei para o meu amigo pneumologista, Dr. Alberto Palamidese, agora aposentado, que me confirmou (no início de março) que o órgão alvo do vírus era o pulmão e os resultados apresentavam pneumonia intersticial semelhante à do Mycoplasma Pneumoniae que, se não fosse tratada imediatamente, levaria à morte do paciente. Ele me disse que, na época, o tratamento consistia em azitromicina, altas dosagens de cortisona, heparina de baixo peso molecular, até o uso de plasma hiperimune.

Nos primeiros dez dias de março, telefonei para um amigo médico do Departamento de Prevenção da Úmbria da USL-2, que me disse que estava tratando todos os pacientes com os primeiros sintomas no território em casa, com hidroxicloroquina 400 mg / dia x 7 dias e azitromicina 500 mg / dia x 6 dias. Com exceção de algumas hospitalizações muito raras, todos os casos foram resolvidos em uma semana. Zero mortes (incluindo as hospitalizadas). Zero efeitos colaterais.

Ao mesmo tempo, soube que as autoridades sanitárias locais das Maurício estocavam hidroxicloroquina e azitromicina. Eu perguntei às autoridades e, com a chegada da epidemia, o plano (que seria anunciado posteriormente pelo Primeiro-Ministro) era o seguinte: hidroxicloroquina, azitromicina, as mesmas dosagens da Úmbria e, nos casos mais graves, plasma hiperimune.

A mesma terapia foi usada anteriormente na Coréia do Sul, que erradicou rapidamente a epidemia.

Então, descobri que todas as minhas pesquisas sempre levavam ao mesmo ponto.

Comecei a escrever longos e-mails para vários jornais explicando que a terapia existia enquanto em minha região de origem, Veneto, ex-compatriotas e amigos de amigos foram para o hospital para morrer, sem nenhuma terapia, só oxigênio. Então começa o massacre na Lombardia. Continuei escrevendo sem ninguém me ouvir.

Em 17 de março, a circular da AIFA autoriza o uso off-label de hidroxicloroquina, mas também alerta contra o uso simultâneo de azitromicina devido ao alongamento da curva QT e possível parada cardíaca por arritmias graves. A circular da Federação de Médicos de família recomenda o uso de hidroxicloroquina em casa, mas poucos, especialmente no norte da Itália, o utilizam combinado com azitromicina. Enquanto a situação no centro e no sul da Itália era diferente. Mesmo em muitos hospitais grandes, por exemplo, penso no Tor Vergata de Roma ou no Cotugno de Nápoles, a azitromicina e a hidroxicloroquina foram usadas em associação já em meados de março.

Finalmente, por volta de meados de abril, a terapia com azitromicina e hidroxicloroquina também é levada em consideração pelos hospitais da Lombardia e Veneto, mas ainda em modalidade de pele de leopardo, porque muitos tentaram, sob orientação de virologistas, imunologistas e epidemiologistas, tratamento com antivirais que teve pouco efeito.

Enquanto estava em Piacenza, o médico chefe do Hospital, Prof. Cavanna tratou em casa com hidroxicloroquina e azitromicina sem morte e sem efeitos colaterais.

E na Alemanha eles conseguiram manter a taxa de mortalidade em 3%, graças ao amplo uso de hidroxicloroquina, azitromicina e plasma hiperimune generalizado. Mas em silêncio, como os Alemães sabem fazer bem.

Sofrí muito ao ver meus compatriotas morrerem e a raiva aumentou ao descobrir que as informações eram ocupadas por médicos de laboratório, especialistas de vários tipos e estatísticos e não por médicos clínicos, especialmente pneumologistas, que poderiam tratar a patologia.

Havia confusão completa e ninguém estava preocupado, no nível superior, em estabelecer regras terapêuticas a serem seguidas tanto no nível local quanto no hospital. Cada região, cada hospital, mas também cada ala e todo clínico geral seguiram sua própria política em relação à terapia.

Outra razão para essas contradições e da atual confusão que levou a consequências catastróficas acredito que está ligada ao fato de uma parte da comunidade médica continuar a seguir o caminho conhecido de validar pesquisas científicas que não podiam chegar em tão pouco tempo, mantendo uma atitude de esperar para ver, na esperança de identificar um medicamento validado para todos os níveis, enquanto outra parte da comunidade médica, mais acostumada a filtrar os resultados da pesquisa através das lentes da experiência clínica pessoal ou de outros médicos, projetava reproduzir experiências que tiveram a validação do “resultado em campo” em outras realidades isto é, terapias que tiveram o reconhecimento experimental de ter curado pacientes.

A intuição clínica dos médicos validada por resultados impressionantes ainda não parece encontrar cidadania na atual comunidade médico-científica. A experiência clínica comprovada pela cura de registros médicos de muitos casos tratados sem efeitos colaterais parece ser menos significativa do que um estudo randomizado. Aqui, quero lembrar o recente trabalho retrospectivo do grupo de Marselha que comprovou a validade do protocolo com hidroxicloroquina e azitromicina em mais de 3.700 pacientes da Covid-19 (https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1477893920302817).

Em 5 de maio, recebo uma mensagem do WhatsApp de um amigo de Milão. Ele me fala de uma intervenção na transmissão realizada por Fazio, de um virologista chamado Burioni, que estava tentando desacelerar a iniciativa de alguns médicos de usar plasma hiperimune. Uma enorme onda de raiva me fez escrever minha primeira mensagem do WhatsApp sobre o assunto. Enviei-o a cerca de quarenta amigos um pedido para encaminhá-lo a seus conhecidos.

A partir daquele dia minha vida mudou.

Recebi milhares de mensagens do WhatsApp e milhares de e-mails. Entre as pessoas que me contataram, havia também muitos médicos. Muitos deles fizeram as mesmas tentativas que eu relatei que a cura já existia. Um grupo constituído por médicos hospitalares de plantão e aposentados, médicos locais e até equipe de enfermagem nasceu imediatamente, com o objetivo de informar sobre as possibilidades terapêuticas. Mas também por milhares de cidadãos com diferentes profissões.

–  Quem está no grupo agora e o que você está fazendo?

– O grupo nasceu como uma convergência de pessoas com diferentes habilidades e idéias profissionais que se perguntaram o que poderia ser feito para encontrar uma cura para esse coronavírus. A primeira coisa que queríamos fazer era reconstruir como as coisas realmente foram.

Em essência, já em março, nos grandes hospitais romanos, napolitanos, da Sardenha e da Sicília, mas também em outras realidades desconhecidas, a hidroxicloroquina e a azitromicina eram usadas como medicamentos básicos sempre presentes. Em seguida, os protocolos diferiam entre hospitais e entre os mesmos departamentos de um hospital (testemunhando a completa ausência de uma direção). Aqueles que adicionaram vitamina C, cortisona, heparina, aqueles que adicionaram vários antivirais e heparina e vit. A, mas o núcleo básico permaneceu azitromicina e hidroxicloroquina. Nesses hospitais, onde os protocolos continham os medicamentos mencionados, a mortalidade foi substancialmente reduzida para aqueles acima de 80 anos com múltiplas patologias. Ao mesmo tempo, no entanto, nos hospitais da Lombardia e Veneto, o número de mortes foi enormemente maior, atingindo o recorde de 17% da mortalidade na região da Lombardia.

Meu vídeo do YouTube de 30.000 vidas que poderia ter sido salvas foi removido após 9.000 visualizações. O YouTube respondeu à nossa objeção instantaneamente com uma mensagem pronta aparentemente automática, informando que o conteúdo era inadequado.

Com esse grupo de médicos e em diálogo com o coordenador de outro grupo de médicos locais que usaram amplamente a hidroxicloroquina com seus pacientes, realizamos várias iniciativas, sem lhes dar muita publicidade, incluindo:

  1. Enviei pessoalmente uma carta de cerca de oitenta médicos italianos ao The Lancet e para conhecimento à OMS, desmantelando com a ajuda de uma cardiologista (Dra. Adriana Privitera), o estudo publicado pelo The Lancet após o que a OMS retirou a hidroxicloroquina dos ensaios e a AIFA suspendeu o uso off-label para Covid. Ao contrário do The Guardian e dos 120 cientistas (https://zenodo.org/record/3862789#.XvikvV9xfIX) que atacaram o estudo do ponto de vista do método, mostramos que as mortes a que o estudo se refere ocorreram por duas razões: 1. Inclusão de pacientes com doença muito avançada; 2. Uso de hidroxicloroquina em pacientes cardíacos (isquêmicos, descompensados ​​e arrítmicos) que não deveriam tomá-lo. O estudo considerou essas mortes como causa direta dos efeitos do fármaco em questão e concluiu pela ineficácia da  hidroxicloroquina e seu perigo devido ao aumento da mortalidade e arritmias. Conclusões das quais demonstramos a falta de confiabilidade do ponto de vista médico e científico.
  2. Escrevemos uma carta ao Presidente Mattarella explicando a posição absurda da AIFA e pedindo-lhe para intervir.

Agora estamos comprometidos em ajudar nos protocolos de alguns países da América do Sul e estamos envolvidos na pesquisa de máquinas de plasma para a Somália.

Além dos médicos, envolvemos milhares de pessoas da sociedade civil em torno de um projeto chamado HippocratesOrg. A página do Facebook (https://www.facebook.com/IppocrateOrg/) já está ativa, enquanto o site www.ippocrateorg.org estará em breve.

Este projeto não tem ambição política. Rejeitamos invasões de representantes de várias formações políticas, ajuda, pedidos de colaboração com associações afiliadas ou relacionadas a partidos que recusamos, porque nascemos como um agregado de cidadãos e profissionais de saúde cujo único objetivo é a defesa da saúde humana. Nosso objetivo é desenvolver um movimento que saiba dar voz àquela parte da comunidade médico-científica que, no caso do coronavírus, não se sentiu representada pelas instituições de saúde. Ao mesmo tempo, estaremos comprometidos em opor-nos a todas as pesquisas ou informações que tenham como objetivo o enfraquecimento do acesso a terapias médicas adequadas ao tratamento e prejudicar o direito humano à saúde e bem-estar.

– A terapia com hidroxicloroquina acabou sob os holofotes das narrativas hegemônicas e despertou posições conflitantes da OMS, institutos de pesquisa e da Agência Italiana de Medicamentos (AIFA): você pode resumir brevemente a história dessa diatribe?

– ADRIANA: É necessário esclarecer um pouco. O uso de cloroquina remonta ao longo do tempo.[1] E durante a epidemia de Covid-19, a China e a Coréia do Sul usaram hidroxicloroquina com e sem associação ao macrolídeo (WangMet al.Remsedivir e cloroquina inibem efetivamente o coronavírus noviço recém-emergido. CellRes 2020 4 de fevereiro [2]). Cerca de 20 estudos in vitro na China, com excelentes resultados, recomendaram o uso na prevenção e tratamento de pneumonia durante o Covid-19 (https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32075365/). Em março de 2020, um estudo realizado na França em 20 pacientes mostrou menos persistência do vírus, especialmente na associação com azitromicina (https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32205204/).

Após esses estudos, a combinação hidroxicloroquina azitromicina foi prescrita em todo o mundo, mesmo fora dos ensaios clínicos autorizados. Na Itália, em abril, a Federação Italiana de Clínicos Gerais (FIMMG) recomendou seu uso em casos comprovados de Covid-19 e em suspeitos; muitos médicos de família usaram o tratamento para evitar internações. Em 26 de fevereiro de 2020, o Governo do Reino Unido adicionou cloroquina à lista de medicamentos que não podiam ser exportados, dado o crescente número de testes de eficácia do medicamento. Em março, com uma circular, a AIFA autorizou o uso de hidroxicloroquina off-label, alertando contra o uso simultâneo de Azitromicina em vários estudos que demonstraram o perigo de arritmias graves [3]. Mas, depois de tanta positividade, os problemas começam [4]. Em maio, Mandeep Mehra e colaboradores publicaram no The Lancet um estudo observacional em 96.032 pacientes hospitalizados em 6 continentes que tomaram hidroxicloroquina e cloroquina isoladamente ou com macrolídeo concluindo por evidências de arritmias graves no grupo tratado em comparação ao grupo controle, alta mortalidade e ausência de vantagem terapêutica da hidroxicloroquina e cloroquina isoladamente ou em associação ao macrolídeo. (https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)31180-6). Com base nisso, a OMS interrompe as investigações e estudos sobre a hidroxicloroquina, AIFA em 29 de maio, não concede mais prescrição off-label e permite que apenas os ensaios oficiais continuem. Isso cria uma situação muito séria, porque essa terapia foi muito útil para lidar com a primeira fase da doença.

Felizmente, o estudo da Lancet é desafiado por 120 pesquisadores de todo o mundo que desafiam a coleta de dados e a metodologia. O Lancet retira o estudo e a OMS retoma as experiências com hidroxicloroquina em 3 de junho.

E nós, com a assinatura de 80 médicos, escrevemos para a revista sobre os méritos de seu valor científico. Infelizmente, a AIFA não dá um passo atrás, mantendo a indicação para o uso de hidroxicloroquina na Covid-19 apenas para estudos clínicos tanto no hospital quanto em casa, portanto, a prescrição é excluída do reembolso e, ainda mais grave, quem prescreve responde pessoalmente de quaisquer efeitos colaterais asas para tratamento.

Um grupo de médicos faz uma solicitação legal à AIFA pedindo para poder usá-la novamente para o tratamento precoce da doença. Finalmente, em junho, o teste britânico RECOVERY (www.recoverytrial.net/files/recovery-protocol-v6-0-202005-14.pdf), que utilizou doses muito altas da droga, não encontrou nenhuma diferença na mortalidade entre os grupos tratados e os controles após um mês de tratamento. Este estudo também deve ser criticado, de fato, mais de 10.000 pacientes foram recrutados em hospitais de todo o Reino Unido, a dose de hidroxicloroquina é MUITO ALTA e os pacientes são tratados em monoterapia, quando o efeito da hidroxicloroquina está associado ao macrolídeo, incluindo também pacientes graves, alguns sob ventilador. Como todos sabem, a hidroxicloroquina é o tratamento ideal no estágio intermediário inicial ou intermediário da doença, o que evita o agravamento das complicações fatais conhecidas. A explicação do Prof. Viale de Bologna da história natural da doença e intervenções terapêuticas nas várias fases é muito útil (https://youtu.be/mVBfCzDWxPQ).

Após a RECUPERAÇÃO, a OMS bloqueou mais uma vez tudo. Lembre-se de que a Recovery recebe financiamento de Oxford, mas também da fundação Bill e Melinda Gates.

Desde a análise de todos os estudos, até o momento, NÃO HÁ UM ESTUDO que demonstre a periculosidade do medicamento, quando administrado com as indicações CORRETAS. Então, é legítimo perguntar para onde está indo a pesquisa científica?

 

– O que você pergunta ao Governo italiano e às instituições médicas?

– NICOLA: Itália entrou na fase 2 da epidemia com a redução de infecções em quase todas as regiões e o esvaziamento de unidades de terapia intensiva e o constante declínio nas mortes. Isso aconteceu, em nossa opinião, por três fatores concomitantes:

1) o bloqueio foi observado pelos cidadãos de maneira louvável, juntamente com as medidas higiénico-sanitárias (máscaras, distanciamento social, higiene das mãos, superfícies, etc.).

2) A boa terapia usada mesmo que empiricamente e em modalidade “pele de leopardo”, com amplo uso em particular da hidroxicloroquina na fase inicial da infecção e da heparina, logo que o mecanismo fatal da trombose de múltiplos órgãos foi descoberto, o que causou a precipitação da condição clínica dos pacientes.

3) as condições climáticas da estação quente que parecem favoráveis ​​à limitação das infecções por essa classe de vírus respiratórios.

À luz do exposto, para não correr o risco de anular o que foi obtido até agora, solicitamos ao Governo italiano, mas também às Regiões, que conscientizem a população sobre a terapia a ser implementada após a proibição do uso de hidroxicloroquina, até ontem a arma vencedora da terapia inicial. De fato, a perda de seu uso até o momento sugere que foi decidido deixar os pacientes completamente descobertos do ponto de vista da inflamação, deixando apenas à ação do antiviral a árdua tarefa de impedir a subsequente tempestade de ocitocinas. Também perguntamos que tipo de molécula antiviral será usada e o custo de todo um tratamento com Covis para avaliar se existe uma relação custo / benefício correta e aceitável. No caso de uma recuperação da epidemia na Itália, qual será o tratamento no território?

Na ausência do uso da hidroxicloroquina como primeiro medicamento de uso imediato no território, haverá inevitavelmente um maior fluxo de pacientes em condições graves para as unidades de saúde: um roteiro já visto e aterrorizante, especialmente na RAS!

– MARIA: Gostaria de retomar uma experimentação séria e independente da hidroxicloroquina, que claramente, como todos os medicamentos, deve ser usada com sabedoria e com as precauções que Adriana já expôs por inteiro, fornecendo a todos uma informação saudável e verdadeira sobre dados estatísticos e possíveis terapias.

Além disso, parece importante para todos nós pararmos para refletir sobre as responsabilidades daqueles que administraram a epidemia no nível do governo, ISS, AIFA e Regiões, em particular a Lombardi, relendo todo o processo de fluxos de informação, revisando as uma sucessão de eventos a partir de um amplo perfil que inclui o meio ambiente, prevenção, conscientização e liberdade dos cidadãos. Em suma, uma visão ampla que reinterpreta todo o processo como um todo.

Gostaria de salientar, com dados e prazos, que, se as terapias corretas tivessem sido implementadas desde a primeira fase e em todo o território, as medidas de profilaxia, com especial atenção à proteção dos trabalhadores da saúde, teriam evitado a hecatombe e a crise econômica nacional de bloqueio. Sem mencionar o massacre de nossos idosos em asilos!

Agora, com a epidemia quase extinta, é declarada a necessidade de vacinação em massa contra a gripe, para vantagem das empresas farmacêuticas, quando a correlação entre a vacinação é cada vez mais evidente a vacina contra a gripe e a gravidade do Covid-19. (https://www.facebook.com/Articolo71/photos/a.109803843911684/175394604019274/?type=3&theater). Além disso, gostaríamos de saber quais evidências científicas justificam a vacinação contra a gripe em crianças de seis meses a seis anos. Explique-nos!

Fomos projetados em uma dimensão surreal na qual, além do perigo real do vírus, ninguém sabia de nada, virologistas e políticos famosos, mas todo mundo fingia saber fazendo o país entrar em angústia e pânico, com sérios danos às crianças, idosos, deficientes e pessoas com doença mental.

– Os cuidados com a saúde devem ser de boa qualidade e gratuitos em todo o mundo: o Covid-19 mostrou a que distância estamos desse objetivo. Na sua opinião, qual é o papel da Big Pharma e o que devemos fazer os cidadãos?

– MASSIMO: A influência da grande indústria farmacêutica – o “big pharma”- distorce a realidade na real relevância das doenças e seus respectivos tratamentos, algumas vezes modificando substancialmente as informações públicas.

Para remediar esse importante problema, seria necessário que quem fosse convidado a falar em público fosse obrigado a declarar qualquer vínculo com as empresas do setor.

A pandemia do COVID-19 destacou que os médicos de campo sabem como encontrar respostas eficazes (e sustentáveis!) Muito antes de os pesquisadores poderem verificar sua validade. A verdadeira força reside na capacidade de trocar livre e rapidamente experiências e resultados. Acreditamos que a clínica devolverá o valor e a dignidade que a pesquisa dispendiosa lhe roubou.

A pesquisa da Big Pharma está aproveitando o caso COVID investindo bilhões de dólares para oferecer medicamentos caros ou até inexistentes, quando já temos um conjunto de medicamentos disponíveis que mostraram grande eficácia tanto nos estágios iniciais da doença (hidroxicloroquina, azitromicina, heparina), tanto nos estágios mais avançados (plasma hiperimune).

P: Os enormes fundos filantrópicos no campo da medicina devem poder ser tratados de maneira exclusiva e transparente por órgãos governamentais independentes, a fim de evitar uma mistura deletéria de interesses econômicos, gerenciamento de informações publicitárias e necessidades de saúde.

– MARIA: Obrigada, Olivier, pela pergunta “o que devemos fazer nós cidadãos?” pois direciona a atenção para todos nós, para nossa capacidade de entender e agir, sem delegar totalmente a leitura da realidade aos especialistas, ou presumir isso. Penso que é uma responsabilidade que devemos assumir para começar a pensar sobre o que aconteceu, de forma crítica e criativa.

Como cidadãos e médicos, podemos redescobrir juntos a sabedoria profundamente inata no sentimento humano e coordenar o conhecimento de maneira funcional para o surgimento da verdade, não entendido de maneira dogmática e estática, mas como um devir contínuo que é revelado àqueles que observam o real, sem preconceitos, reclamações ou interesses a serem preservados.

Sem recuperar o pensamento crítico e a liberdade de expressão dos médicos, temo que nos encontremos novamente em uma situação dramática devido a outro vírus ou à emergência climática e ambiental que já está nos colocando sob controle em todos os níveis.

– MAURO: Após a publicação do estudo de Marselha, citado acima, nos perguntamos quantos médicos experimentaram o protocolo de hidroxicloroquina-azitromicina em sua prática clínica na Itália e os convidamos a participar de nossa pesquisa para realizar um estudo epidemiológico retrospectivo dos casos tratados em conjunto.

Escreva-nos para este e-mail provisório: ippocrateor@gmail.com (assim que o site Ippocrateorg.org estiver ativo, abriremos outro)

Mais Informações:

www.ippocrateorg.org (em breve) ;

Pedido médico à AIFA para a reintrodução da hidroxicloroquina em Covid 19: https://www.nursetimes.org/coronavirus-caos-idrossiclorochina-140-medici-contro-laifa/90879

Lettera a Lancet

Tutti i video di Mauro Rango:

 

[1] Agora que no tratamento da malária, a hidroxicloroquina é indicada tanto em adultos quanto em crianças no caso de artrite reumatoide, lúpus eritematoso sistêmico, artrite idiopática juvenil, com precauções recomendadas para: problemas com a retina, patologias cardiovasculares, cardiomiopatias, insuficiência cardíaca, prolongamento do intervalo QT, insuficiência renal, insuficiência hepática, deficiência de glicose 6 fosfato desidrogenasse

[2] O efeito antiviral da hidroxicloroquina deve-se ao aumento de PH no interior da célula, precisamente porque se liga a radicais ácidos, causando um aumento de PH que se torna mais básico com a consequente incapacidade do vírus de se desenvolver na célula. Outro mecanismo de ação da hidroxicloroquina é que ele impede que o vírus se ligue à porfirina inibindo o EME, que é a parte não proteica da hemoglobina (composta pelo complexo Ferro + Porfirina + oxigênio) O coronavírus impede a ligação entre ferro e porfirina e, portanto, o oxigênio não pode mais ser transportado, a hidroxicloroquina forma uma ligação estável com o EME, removendo-o do coronavírus. Por outro lado, a azitromicina, além de sua ação anti-inflamatória, possui atividade antiviral e imunomoduladora.

[3] Em 2015, 33 estudos chineses encontraram esse risco (https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26564594/

[4] Um estudo retrospectivo da Universidade de Nova York mostrou um alongamento do trato QT até 500mseg (val nor QTc em homens 0,44seg, em mulheres 0,45s) com risco de arritmias graves, portanto, é incrível que pacientes com insuficiência renal e simultânea ingestão de Amiodarona contraindicados no tratamento com hidroxicloroquina e azitromicina tenham sido incluídos no estudo!!!. É espontâneo perguntar se esse estudo é ÉTICO de fato, uma extensão do trato QT pode determinar uma arritmia grave chamada “Torsade de Point”, que degenera facilmente em uma fibrilação arritmia ventricular fatal que se resolve apenas com desfibrilação elétrica.

Categorias: Ciência e Tecnologia, Entrevista, Internacional, Saúde
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.

maltepe escort