O novo normal das escolas

08.07.2020 - Rio de Janeiro, Brasil - Redação Rio de Janeiro

This post is also available in: Espanhol, Italiano

O novo normal das escolas

Desde 2014, o autor dessa matéria¹ leva para frente em diversas regiões de Pernambuco, um projeto que visa transformar os espaços educativos através da não violência. Esse é seu entusiasta depoimento, após um encontro realizado com colegas de 70 escolas pernambucanas.

 

Por Vinícius Pereira Tavares¹

Olá amigxs!

Queria compartilhar nesses âmbitos virtuais uma experiência que tive a pouco.

Na tarde do dia 17.06.2020, participei de uma reunião/transmissão junto com profissionais da educação de diversas escolas de Pernambuco e o tema dessa conversa foi Planejamento e Organização da Não Violência na Escola.

Eu particularmente estava animado, mas não esperava que o nível da reunião fosse tão alto quanto foi, fiquei surpreso com tudo: desde as perguntas e a sintonia dos participantes, com as respostas que eu mesmo dei (algumas bem inspiradas), a cumplicidade dos responsáveis pelo setor de Mediação de conflitos e cultura de paz da Gerência Regional de Educação e sobretudo, fiquei surpreso com os depoimentos finais que sinalizam que algo novo havia nascido.

Comecei explicando que nosso breve encontro não seria sobre as dinâmicas de humanização, nem da importância da humanização ou não violência. Seria direta e reta, sobre Planejar e organizar a não violência nas escolas. Sem perceber, lancei um sinal pra quem já está no caminho, sem justificar a importância ou debater nada. Lancei o sinal não pros duvidosos, mas para aquela pessoa que já decidiu e foi captada pelo sinal. E pra minha surpresa, a sintonia foi total. Pode parecer arrogância isso, mas os vi como pares, sim pares de humanização. Depoimentos na mesma direção, perguntas de quem também já decidiu pelo caminho, de quem já fracassou e decidiu pelo avanço.

Não sei como cresceu, mas a expectativa para a reunião era de 20 a 30 pessoas. Fomos quase 70, estamos falando de um universo de 100 escolas, e cada uma dessas pessoas representa uma escola.

Falamos sobre muitas coisas:

  • Falamos de que a humanização das escolas precisa apostar nos espaços humanizadores coletivos, diversos e sinceros. Enquanto falava só me vinha em mente os retiros, os encontros, os debates e acolhimentos de amigxs humanistas. Sem perceber conectei com essa verdade interna e lancei a garrafa ao mar, que prontamente foi lida.
  • Falei sobre a importância de ter um planejamento que compreenda processos e passos de aproximação a um conflito. Me veio em mente o nosso método, nossa forma, e sobretudo o compromisso. Por que desenvolver algo considerando um processo exige compromisso para sair das ações reativas de combate a violência. Outro ponto foi a importância de desenvolver papéis e protocolos para atuar sobre as diversas formas de violência.
  • Muitos perguntaram como envolver professores e estudantes nesse processo. E ao usar a explicação da ação válida, ficou claro para todos, se é coerente você vai querer repeti-la, se é válida, outros se somaram. Eu disse que o processo de humanização é bom de ser feito e que acreditassem em mim. Façam e verão. Parece que acreditaram. Sobre os papéis e protocolos falei da importância de aprendermos novos papéis para enfrentar os novos desafios.
  • Perguntaram como será o “novo normal” na escola. Isso meu deu uma dica que há o desejo de que um novo cotidiano, uma nova escola, novas relações precisam ser estabelecidas. Parece que esse termo foi cunhado pelo vírus e pela pandemia. Ledo engano, hoje eu vi sua verdadeira raiz e sentido. Ele já estava buscando existir, só não tinha como apresentar-se. Viva o novo normal. Viva as novidades que estão por vir. O termo é novo, mas o desejo é antigo.
  • Analogias humanistas nunca foram tão adequadas. Fogo direto x fogo ambiente  /  o caminho da água (o caminho mais fácil)  /  andaimes de uma construção. E o melhor, nunca fizeram tanto sentido. O fogo direto representou a mediação ou o punitivismo na escola e o fogo ambiente representou o âmbito humanista, o âmbito transformador. O caminho da água seria buscar os corações abertos para seguir esse processo juntos. Andaimes seriam o próprio núcleo, que construirá algo maior que si próprio.
  • O clima estava tão alto que falamos até sobre a importância de conversarmos sobre a morte na escola. Isso mesmo, a morte, o maior dos tabus. Infelizmente veio através da tragédia de ver estudantes e profissionais perderem entes queridos. Vejam que louco, a escola abrindo-se para os temas centrais da vida. Sem pudores, sem medo e com o clima de acolhimento. Fiquei surpreso e alegre com estas portas que se abriram. Não é óbvio, poderia ser diferente, poderiam ser totalmente indiferentes, mas viram outra prioridade. Olharam pro lado e viram pessoas sofrendo e não mais calendários e provas. Viram pessoas. Isso é muito novo.

Parece estar claro a necessidade do humanismo para a educação e parece que essa porta está aberta. Sei que meu relato está meio confuso e embolado, mas sabem como são esses depoimentos emotivos, saem esbarrando em tudo e cheio de pressa.

Vinicius com a galera do II Encontro de Educação Humanizadora e Não Violência, setembro 2018


¹ Humanista, sociólogo e coordenador do projeto Não Violência nas Escolas.

diversidade.naoviolencia@gmail.com| Facebook

Categorias: Ámérica do Sul, Educação, Não violência
Tags: , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Dia da Não Violência

Dia da Não Violência

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.