Grandes Empreendimentos, Grandes Tragédias

13.07.2020 - Belo Horizonte, Minas Gerais - Fernanda Perdigão

Grandes Empreendimentos, Grandes Tragédias
Bento Rodrigues, Mariana, Minas Gerais (Crédito da Imagem: Senado Federal)

Existem hoje no Brasil cerca de 790 barragens de mineração. Só o estado de Minas Gerais têm cerca de 50 barragens consideradas de alto risco, sendo que 22 dessas barragens foram interditadas e 28 ainda estão em funcionamento. Minas Gerais carrega este nome devido a grande quantidade de riquezas minerais –nome que representa exatamente o campo minado composto de grandes empreendimentos predatórios dos recursos minerais. O estado foi palco das duas maiores tragédias minerárias no país e onde também surgiu a empresa Vale do Rio Doce, patrimônio dos mineiros  que a partir de sua privatização em 1996, durante o primeiro governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, se transformou no pesadelo para a população de Minas Gerais, com o surgimento pós privatização da Vale S.A.

Após a privatização, a empresa passou a ter a visão ideológica do lucro acima de todos e foi a protagonista das duas maiores tragédias humanas e ambientais já registradas nos últimos tempos. Quando na tarde de 05 de novembro de 2015, na cidade histórica de Mariana, MG, a Barragem do Fundão se rompeu despejou cerca de 62 milhões de metros cúbicos de lama tóxica por onde passou, atingindo o Rio Doce e afetando cerca de 230 municípios de Minas Gerais e se estendendo até o Estado do Espírito Santo, onde alcançou o mar. A barragem pertence ao grupo de empresas Vale S.A., que é composto pela Anglo Australiana e BHP Billiton e controlada pela empresa Samarco Mineração S.A. Ambas empresas fazem parte do conjunto Vale S.A. e BHP Billiton. Os danos foram além da vida humana, destruiu e afetou todo um ecossistema desde o solo a vida aquática, a fauna e flora por todo o percurso atingido pela contaminação da lama tóxica.

Os subdistritos de Bento Rodrigues, que se localiza a cerca de 2,5 quilômetros vale abaixo, e Paracatu de Baixo, foram quase completamente inundados e destruídos pela enxurrada de lama. Centenas de famílias perderam suas casas, e até hoje quase 5 anos após a tragédia, os atingidos pela mineração ainda lutam por seus direitos e pela retomada da vida. Toda a cultura dos povoados atingidos desceu juntamente com lama, deixando um rastro de destruição e mantendo a contaminação por metais pesados no solo, o que traz os mais variados danos à saúde de quem ainda sobrevive nas áreas atingidas e que convivem com a poeira. A presença da lama hoje camuflada por uma camada verde insiste em resistir e luta para se refazer, mostrando como a resiliência não somente do povo que ali vive, mas, sobretudo a resiliência suprema da natureza diante os desmontes dos grandes empreendimentos predatórios das Minas Gerais, permanece.

Mariana Minas Gerais. Foto Ibama

Desde então, diante a comoção pela gravidade do ocorrido em Mariana, houve uma mobilização para implantação do projeto de Lei Mar de Lama Nunca Mais, ambientalistas, ativistas, alguns deputados e sociedade civil, uniram forças para proposta de melhorar as práticas de grandes empreendimentos minerários, o que não foi o suficiente para evitar mais uma catástrofe no ano de 2019.

Às 12 horas e 28 minutos do dia 25 de janeiro de 2019, todos voltaram a atenção diante o rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão na cidade de Brumadinho também no estado de Minas Gerais.

Tendo novamente como protagonista um cenário desolador, caótico e perverso a empresa Vale S.A., ganha novo destaque. Desta vez, a abrangência de destruição se fez mais marcante, tendo ceifado 272 vidas humanas de forma direta e um número ainda não calculado de vítimas pelos danos emocionais, devido ao crescimento de suicídios. Nessa tragédia, foram derramados cerca de 13 milhões de metros cúbicos de rejeitos e teve cerca de 269,84 hectares de vegetação destruída, além de mais um rio morto, o Rio Paraopeba, em seus mais de 300 Km de extensão, foi inundado pela lama.

O Município de Brumadinho, tipicamente interiorano, com seus cerca de 45 mil habitantes sofre com a visão do lucro acima de tudo e todos pelo exercício das atividades dos grandes empreendimentos minerários.

Mais uma vez, repetindo o cenário anterior da luta dos ativistas, ambientalistas e comunidade, vemos a discrepância de aplicabilidade do direito diante a tragédias de magnitudes significativas para a comunidade, meio ambiente e sociedade como um todo.

Hoje, pouco mais de um ano após a tragédia crime da empresa reincidente Vale S.A, permanece a luta para que o estado de Minas Gerais não permaneça como campo minado de grandes empreendimentos que geram grandes prejuízos, e o cenário de luta é sempre o mesmo.

Brumadinho, MG. Foto Ibama.

As ações da empresa Vale S.A., para evitar punições severas e prejuízos aos seus investidores, parte da tentativa de inviabilizar o andamento célere das Instituições de Justiça, dos grupos da sociedade civil e da própria imprensa, utilizando-se da técnica do silenciamento e invisibilidade de lideranças, que é ardilosamente articulada para que sua imagem seja mantida, tendo como pilar principal para seus grandes acionistas internacionais, o “Respeito pela Vida”, resta-nos saber, pela vida de quem.

A dramática realidade dos povos tradicionais das regiões que sofrem com a exploração das terras em busca dos bens minerais, causa abafamento do estilo de vida e toda a história contida destes povos, a mudança da paisagem e rotina são sufocadas pela grande movimentação de caminhões, carros e funcionários de empresas terceirizadas, e aos poucos as típicas cidades interioranas tornam-se grandes canteiros de obras.

Os impactos afetam o fornecimento de recursos hídricos de grandes centros urbanos como a capital do estado de Minas Gerais, a cidade de Belo Horizonte, que hoje passa pela realidade de um possível colapso hídrico devido aos rompimentos de barragens em Mariana e Brumadinho e possíveis novos rompimentos, bem como pelas outorgas cedidas para a operação minerária arcaica desenvolvida pelos grandes empreendimentos.

O rompimento de uma barragem é uma verdadeira tragédia e tem como premissa a negligência de empresas que priorizam seus lucros e governantes que não fiscalizam e fazem vista grossa.  E as consequências não são sentidas apenas na região, população ou cidade afetada, mas é sentida por toda uma nação e é nosso dever trazer a reflexão de co-responsabilidade dando voz a todos que denunciam e que cobram por mudanças e a aplicabilidade de leis ambientais mais rigorosas. Precisamos refletir também sobre o quanto Vale uma vida, qual a importância do lucro frente a vidas humanas e principalmente dar força a ações de solidariedade diante dessas grandes tragédias, para com a luta pelos direitos e principalmente pela não repetição desses atos.

Brumadinho, MG. Foto Ibama

Ainda há muitas questões em aberto a serem respondidas como qual será a Rota de Fuga necessária para uma ampla discussão e mudanças de práticas da exploração mineral predatória? Como os povos atingidos pelas grandes tragédias de grandes empreendimentos podem se fortalecer? Como vencer a barreira do silenciamento, e ter centenas de metros cúbicos de vozes pela luta de seus direitos? E todas essas perguntas devem ser levadas em conta. Quando teremos órgãos licenciadores aptos e fortes a operar de forma rigorosa, frente aos licenciamentos que permitem não somente a exploração do solo, mas que ao ser cedido, dita sobre a vida do entorno deste lugar, de culturas, tradições e povos inteiros.

Eu só sei que o lucro não Vale uma vida, a vida não se vale pelo lucro, as grandes tragédias não podem ser esquecidas e resumidas em matérias de jornais apenas, e novos marcos em defesa à vida devem ser criados, implantados e cobrados.

Categorias: Ámérica do Sul, Ecologia e Meio Ambiente
Tags: , , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Dia da Não Violência

Dia da Não Violência

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.