A pegada dos líderes

13.07.2020 - Bogotá - Redaccion Colombia

This post is also available in: Espanhol, Francês, Italiano, Grego

A pegada dos líderes

Esta nota apresentará uma série de colunas, que compartilharemos ao longo de vários dias. É uma iniciativa colombiana pela paz, que nos propomos a divulgar.

 

Por Gloria Arias Nieto*

Os números são esquecidos, pois, além de serem desencontrados, estão quase sempre distantes. Mas os seres humanos, vivos ou mortos, são histórias, verdades, ausências e afetos.

Desde 2016, mais de 600 líderes sociais foram assassinados na Colômbia. Ciquenta e seis líderes, de 1º de janeiro a 19 de abril de 2020, imersos na incerteza.

Matar um líder é matar a esperança de um povo; é asfixiar a voz que serve de ponte entre os mais vulneráveis e aquele que deveria agir com afinco para mudar a realidade. Ser reconhecido como líder por uma comunidade requer anos de trabalho, convicção e vocação. É uma atividade de alto risco, de alta respeitabilidade e letalidade.

O líder social é quase sempre a única opção que a Colômbia esquecida tem para ser escutada. Em nosso país, os líderes são ameaçados, forçados ao deslocamento ou ao exílio e constantemente expostos à morte violenta.

Por que tanto ódio, tanto medo deles? Talvez porque dizem a verdade, porque defendem os mais vulneráveis, a terra, a cultura, os direitos tantas vezes não respeitados por sociedades indiferentes e governos cronicamente incapazes de proteger a vida dos cidadãos.

Por isso, um grupo de colunistas se reuniu para honrar a memória dos líderes assassinados; para não permitir que suas histórias se percam ou caiam no esquecimento. Teve início como uma proposta dentro do movimento Defendamos la Paz e rapidamente mais vozes se uniram. Sabemos que nossas palavras não trarão de volta as vidas apagadas, mas o silêncio não é uma alternativa. Desde domingo, 7 de junho, mais de 50 colunistas de várias cidades da Colômbia, Espanha e Argentina estão dedicando seus espaços de opinião para recordar as vidas de nossos líderes assassinados. Até agora, 64 colunas foram publicadas em 12 veículos de comunicação e no domingo, 14 de junho, o jornal El Espectador dedicou sua primeira página, seu editorial e mais três páginas para homenagear a memória dos líderes sociais.

Michel Forst, relator das Nações Unidas, declarou em fevereiro que a Colômbia é um dos países mais perigosos do mundo para a defesa dos direitos humanos. E as evidências nos mostram que Forst estava certo.

No próximo dia 26 de julho estaremos sintonizados de diferentes lugares do mundo para dizer ao governo da Colômbia e à sociedade em geral que temos que quebrar a cumplicidade do silêncio; que é necessário e urgente respeitar e cumprir os acordos de paz, os direitos humanos e os acordos de não violência. Proteger a vida dos signatários da paz e dos líderes sociais não é uma proposta: é um dever ético dos 50 milhões de colombianos e de todos os cidadãos do mundo, que têm plena consciência de que a guerra é o pior erro, o fracasso mais doloroso da humanidade.

Temos a capacidade de romper o silêncio e despertar. A Colômbia pode e deve alcançar a paz e aprenderá a se reconciliar. Essa é a nossa tarefa mais essencial.


* Médica e jornalista, colunista do El Espectador. Promotora de processos de paz e reconciliação. Membro do movimento Defendamos la Paz (DLP) @gloriariasnieto

Categorias: Ámérica do Sul, Direitos Humanos, Opinião, Paz e Desarmamento
Tags: , , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.

maltepe escort