Depois da grávida de Taubaté, agora vem o hacker russo de Araraquara

24.07.2019 - Redação São Paulo

Depois da grávida de Taubaté, agora vem o hacker russo de Araraquara

A história da grávida de Taubaté comoveu muitas pessoas. Uma mulher grávida de quadrigêmeos, aparecendo em rede nacional e angariando presentes. Porém era uma inverdade. O tempo revelou a farsa. Com o caso dos hackers russos não sabemos quanto tempo será necessário para a farsa se revelar.

Sim, o Brasil não é para amadores. Após a enxurrada de revelações trazidas pela Vaza Jato, que fizeram desmoronar a imagem de Moro e Dellagnol, pondo em cheque a credibilidade da maior operação anti-corrupção realizada no brasil, um novo fato marcante ganha destaque nacional: a prisão de supostos hackers pela Polícia Federal. A mesma polícia subordinada a Moro que, em meio a um profunda crise, tirou uma polêmica licença nos EUA.

As matérias publicadas pelo site The Intercept Brasil, revelaram o conluio entre o Ministério Público Federal e a Justiça Federal, que sob forte viés político perseguiram o ex-presidente Lula. Dentre os fatos publicizados podemos destacar:

  • Procuradores buscando impedir uma entrevista de Lula para interferir diretamente nas eleições;
  • Dallagnol duvidando das provas do processo do triplex do Guarujá, e obtendo ajuda de Moro – juiz do caso!;
  • A proteção de algumas figuras, como FHC e empresários do setor da saúde;
  • Deltan buscando lucrar com a visibilidade que a operação lhe conferia;
  • A proteção de Moro ao clã Bolsonaro para angariar uma vaga no STF (Supremo Tribunal Federal), instância máxima do poder judiciário.

É importante reforçar que Moro, juiz do caso de Lula, ganhou a vaga de Ministro da Justiça do governo Bolsonaro. Assinou a sentença do principal adversário do militar aposentado que preside o Brasil, e depois foi recompensado com um super-ministério.

Leia também: “(Dossiê) 17 fatos provam que a eleição de Bolsonaro foi totalmente fraudulenta”

Os pontos acima evidenciam as arbitrariedades cometidas pelos atores do judiciário. O que espanta é que, no começo do furo jornalístico, Moro do alto de sua toga, dizia que não havia “nada demais no conteúdo das conversas”. Isso mesmo! Mas depois disse que era ação de hackers que haviam editado o conteúdo. Há uma forte contradição no seu discurso, o que põe em cheque a sua argumentação.

Diversos veículos midiáticos brasileiros, como a revista Veja, o jornal Folha de São Paulo, dentre outros, confirmaram a veracidade da conversa. O conteúdo obtido a partir de uma fonte anônima foi apurado seguindo os critérios de qualidade.

Os jornalistas compararam as conversas que tiveram com procuradores no Telegram com o material obtido. E o que acharam? O que foi visto? Que o conteúdo era o mesmo. Atestando a veracidade da informação.

Leia também: “Cai a máscara da Lava Jato”

Os hackers russos de Araraquara são uma forma de criar um ambiente de desinformação. Desviando a opinião pública para os fatos realmente relevantes e preocupantes: a interferência política de membros do judiciário, e o que isso representou para o Brasil em termos políticos, econômicos e sociais.

A facilidade de prender os supostos hackers soa estranha em uma lentidão para encontrar Queiroz, envolvido em um escândalo de corrupção dos filhos Bolsonaro. De encontrar os algozes de Marielle e Anderson, mortos por sua militância.

 

Categorias: Ámérica do Sul, Economia, Política
Tags: ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.