Professores chilenos entram em greve contra o sucateamento da educação pública

06.06.2019 - São Paulo, Brasil - Redação São Paulo

Professores chilenos entram em greve contra o sucateamento da educação pública

Por Brasil de Fato

Movimento também quer revogação de medidas do governo Piñera que atacam disciplinas como História e Artes

Os professores da educação pública no Chile começaram a semana em uma mobilização sem prazo para acabar. Na última segunda-feira (03), a Ordem de Professores do país, que agrupa as entidades de professores da educação básica, anunciou a greve da categoria após mais de um ano de negociações com o Ministério da Educação.

A mobilização tem entre suas reivindicações a melhoria das condições trabalhistas no setor e no sistema de educação pública do país.  As professoras e os professores denunciam a falta de investimentos na área, que reflete, entre outras coisas, na falta de material pedagógico e serviços de limpeza nas escolas. Para eles, a precarização do ensino público abre caminho para a privatização da educação no país.

Os manifestantes pedem também a revogação das medidas anunciadas em maio pelo governo de centro-direita do empresário Sebastián Piñera (Renovação Nacional). Entre as elas, está a alteração das disciplinas de História, Educação Física e Artes na grade curricular do ensino médio, que deixam de ser obrigatórias para o segundo e terceiro anos do ciclo, a partir de 2020.

Mario Aguilar, presidente da Ordem de Professores, acusa o governo de minar o pensamento crítico e o caráter de formação integral da educação pública.

“É uma medida absurda rechaçada por toda a sociedade chilena. O governo não tem interesse em formar cidadãos, apenas produtores e consumidores, de acordo com uma visão empresarial. A disciplina de História é importante para o desenvolvimento do pensamento crítico. Mas eles não querem cidadãos críticos. Querem uma educação instrumental, técnica, vinculada a interesses do mercado de trabalho”, criticou o professor durante entrevista com o jornal argentino Página 12.

Até esta quarta-feira (5), cerca de 70% da categoria tinha aderido à greve nacional. Na capital do país, mais de 40 colégios públicos estão paralisados. Os organizadores da greve afirmam que manterão a paralisação até que o governo decida negociar.

“Esta é uma greve que tem caráter indefinido, mas esperamos que não se prolongue tanto e isso depende do governo. Estamos dispostos a reiniciar um diálogo e conversar, mas com respostas concretas e não como aconteceu na sessão anterior, onde ficamos trabalhando por meses e o governo nos desrespeitou com uma resposta que não significa nada”, declarou Aguilar.

Como parte da mobilização, aconteceu na última segunda-feira (3) uma jornada de atividades com assembleias comunitárias e aulas públicas das disciplinas afetadas pela reforma de Piñera em diversas estações de metrô de Santiago.

A principal atividade da jornada, uma marcha realizada no centro da capital, foi reprimida pela polícia. “Uma reação que, para os mais velhos, relembrou os tempos da ditadura de Pinochet”, comenta o representante dos professores.

Após a repressão, o movimento estudantil somou-se ao  movimento e os dois setores realizarão nesta quinta-feira (6) uma marcha nacional em defesa da educação pública.

Demandas específicas

Em meio à mobilização nacional, as professoras de educação infantil reivindicam que os representantes da categoria incorporem alguns pontos à pauta apresentada ao Ministério da Educação. Elas denunciam que são desvalorizadas, recebendo salários menores, por atuarem em uma área composta majoritariamente por mulheres.

Segundo Rosario Olivares, porta-voz da Rede Docente Feminista (Redofem), as professoras representam 75% da categoria e, por isso, devem apresentar suas demandas específicas ao Ministério de Educação.

Como continuidade às manifestações das estudantes universitárias chilenas em defesa de uma educação não-sexista, as participantes da greve exigem também que este seja um dos temas abordados nas futuras negociações.

Categorias: Ámérica do Sul, Educação, Política
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.