Desrespeitado, Plano Nacional de Educação completa cinco anos sem avanços

29.05.2019 - São Paulo, Brasil - Redação São Paulo

Desrespeitado, Plano Nacional de Educação completa cinco anos sem avanços
Greve Geral da Educação #15M • 15/05/2019 • Porto Alegre (RS) (Crédito da Imagem: Mídia NINJA)

Por Rodrigo Gomes/RBA, Rede Brasil Atual

Análise elaborada pela Campanha Nacional pelo Direito à Educação mostra que, das 20 metas estabelecidas, apenas quatro tiveram avanços parciais no período

O Plano Nacional de Educação (PNE) – estabelecido pela Lei 13.005/2014 –, completou cinco anos de vigência. O que deveria ser motivo para comemorar, na verdade revela uma frustração. Das 20 metas elaboradas após anos de debate e mobilização de educadores e organizações, com o objetivo de melhorar a educação no país, apenas quatro tiveram avanços parciais no período. Na segunda-feira (27),, durante o Evento Nacional da Semana de Ação Mundial 2019, a Campanha Nacional pelo Direito à Educação lançou um relatório analisando a execução dos artigos, metas e estratégias com prazos intermediários e revelou dados classificados como “alarmantes”.

“A educação está escanteada no Brasil desde 2015, a partir dos cortes de Joaquim Levy (então ministro da Fazenda do governo Dilma Rousseff (PT)). Há uma clara limitação econômica obstruindo a realização do Plano Nacional de Educação, mas diante da crise iniciada em 2014, todas as decisões políticas tomadas desconsideram a consagração do direito à educação, especialmente sob Michel Temer. E isso tende a piorar com Jair Bolsonaro, inviabilizando o cumprimento do PNE até 2024”, analisou Daniel Cara, coordenador geral da Campanha.

Dentre os pontos mais graves do descumprimento do Plano Nacional de Educação estão as metas 1, 2 e 3, relativas à universalização da educação básica. Em consequência, milhares de crianças seguem sem acesso à educação, seja em creches, pré-escolas ou mesmo no ensino fundamental e médio.

Dados de 2017 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) mostram que 34,1% das crianças de até 3 anos estavam matriculadas. Número bem inferior à meta de 50%. A universalização do acesso à pré-escola devia ocorrer até 2016, mas os dados da PNAD mostram que 7% das crianças brasileiras ainda estavam fora da escola em 2017.

Para a Campanha, o maior obstáculo para a universalização do acesso à educação de qualidade no país é a atual política de cortes orçamentários que afetam a área da educação. A prática, iniciada no governo de Michel Temer com a aprovação da Emenda Constitucional 95/2016 – que estabelece o Teto de Gastos – e intensificada já nos primeiros meses do governo de Jair Bolsonaro, coloca em risco o cumprimento das metas e estratégias estabelecidas no Plano Nacional de Educação e impactando também o próximo plano, que terá vigência entre 2024 e 2034.

Por exemplo, o mecanismo que calcula a verba necessária para garantir o acesso à educação pública de qualidade – chamado Custo Aluno-Qualidade Inicial e Custo Aluno-Qualidade (CAQi/CAQ) –, criado em 2007 e incluído no PNE, não só tem sido descumprido, como também atacado por setores que defendem a privatização da educação.

Em março deste ano, o Conselho Nacional de Educação se declarou incompetente “para definir o valor financeiro e precificação do Custo Aluno Qualidade Inicial”, deixando o instrumento sem aplicação prática.

Categorias: Ámérica do Sul, Educação, Jovens
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

 

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.