Obras de Bolsonaro para Amazônia abrem a floresta ao agronegócio

14.02.2019 - São Paulo, Brasil - Redação São Paulo

This post is also available in: Espanhol

Obras de Bolsonaro para Amazônia abrem a floresta ao agronegócio
(Crédito da Imagem: Omer Bozkurt)

Por Eduardo Maretti/RBA

Deputado federal Nilto Tatto (PT-SP) aponta relação entre obras anunciadas pelo governo e seus compromissos de campanha firmados com empresas estrangeiras de mineração e da agroindústria.

O governo de Jair Bolsonaro elabora um “pacote” de obras de “desenvolvimento” para a região amazônica, com projetos de infraestrutura como uma ponte sobre o Rio Amazonas na cidade paraense de Óbidos, além de uma hidrelétrica em Oriximiná, também no Pará, e a extensão da BR-163 até a fronteira do Suriname, de acordo com informações do jornal O Estado de S. Paulo.

Para o deputado federal Nilto Tatto (PT-SP), apesar do discurso de que o desenvolvimento amazônico tem como objetivo, entre outros, a defesa da soberania brasileira contra interesses multinacionais, a intenção do governo é bem diferente.

“Eles querem retomar, do ponto de vista político-ideológico, o mesmo discurso do período da ditadura. Mas existe uma grande contradição entre o uso antigo da ideia de soberania, de ocupar e integrar a região contra a cobiça internacional, e os interesses reais. Na verdade, esse conjunto de obras e infraestrutura é para poder facilitar a entrega de patrimônio nacional para o capitalismo internacional”, diz o parlamentar.

Tatto relaciona projetos de infraestrutura, como os revelados pelo jornal paulistano, a serem levados a cabo pelo governo de Bolsonaro, com o objetivo de contemplar os próprios compromissos de campanha do atual presidente com seus apoiadores da elite econômica.

“O sentido desses projetos é a ampliação da ocupação, seja para mineração, seja para agricultura e agronegócio, em detrimento dos direitos de populações locais, dos povos indígenas, ribeirinhos e outros grupos, e também em prejuízo da sustentabilidade e inclusão social dessas populações.”

A meta faz parte do contexto das prioridades do governo em relação ao patrimônio nacional, tal como desenvolvido nos quase três anos do governo de Michel Temer.

“É a ideia da entrega de patrimônio nacional, numa visão de privatização de empresas públicas e venda de terras para estrangeiros”, acrescenta o deputado. “Abrem-se estradas da Amazônia para, depois, facilitar a entrega de grandes extensões de terras para o próprio agronegócio e às empresas estrangeiras. Hoje, o agronegócio é extremamente financeirizado, com os grandes fundos dominando a cadeia dos negócios.”

O Ministério do Meio Ambiente é comandado, no governo Bolsonaro, por Ricardo Salles. No programa Roda Viva desta segunda-feira (11), Salles causou indignação ao falar do líder seringueiro Chico Mendes. “O que importa quem é Chico Mendes agora?”, disse.

Categorias: Ámérica do Sul, Ecologia e Meio Ambiente, Política
Tags: , , , , , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.