Migrantes no mundo alcançam quase 250 milhões: breves e necessárias reflexões

08.07.2018 - Itália - MigraMundo

Migrantes no mundo alcançam quase 250 milhões: breves e necessárias reflexões
Migrantes e refugiados a caminho da Europa. (Crédito da Imagem: Manu Gomez/ Fotomovimiento.)

Por Pe. Alfredo J. Gonçalves
Em Roma (Itália)

Junto com o crescimento do número de migrantes e pessoas em situação de refúgio no mundo, crescem também as políticas de rechaço a essas populações.

Os números retratados pelos mais recentes relatórios da ONU confirmam o crescimento significativo dos deslocamentos humanos de massa. Os migrantes internacionais alcançam a marca de 244 milhões em 2015, um aumento de 41% em relação a 2000. Os dados foram publicados na terça-feira, dia 12 de junho de 2018, pelo relatório do Departamentos de Assuntos Econômicos e sociais da ONU (DESA). Desnecessário acrescentar que dezenas de milhões são refugiados e que, entre estes últimos, a grande maioria reside nos países limítrofes do qual se viram obrigados a escapar, como é o caso da etnia Rohingya em fuga de Myanmar para o vizinho Bangladesh.

De outro lado, “uma pessoa em cada três segundos vira um refugiado, tempo menor que o necessário para ler esta frase”. A afirmação e da Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), que alerta para o crescimento dos casos de conflitos, violência e perseguição. De acordo com a ONU, o número de refugiados, incluindo os “desplazados” pela violência interna, atinge o recorde de 68,5 milhões em 2017, segundo relatório Tendências Globais, divulgado em 19 de junho de 2018. A crise humanitária é a mais grave desde a fundação da ONU, em 1945.

Resulta que o fenômeno migratório, em todos os seus aspectos, tornou-se em todo o mundo tema relevante da pauta de qualquer campanha eleitoral. Não raro, o ponto número um não só dos debates, mas também dos resultados finais da eleições. Às vezes, assunto indigesto no cenário da geopolítica nacional e internacional. Bastaria rememorar os casos dos Estados Unidos, da França, da Alemanha, da Áustria, da Itália, da Espanha, da República Checa, da Eslováquia, da Holanda – sem falar dos vizinhos Venezuela e Colômbia. A razão é dupla: por um lado, a violência e a pobreza fazem aumentar sempre mais o número de migrantes, prófugos e refugiados; por outro, o endurecimento da legislação por parte dos governos, numa grande guinada à direita, torna mais vísivel o fenômeno devido à pressão sobre as fronteiras. Esses complexos fronteiriços, verdadeiras panelas de pressão, como que entram em ebulição, prestes a explodir!

Imagens na TV dos EUA mostram crianças imigrantes em centros de detenção. Reprodução/CBS

Duas observações merecem destaque. A primeira refere-se ao duro golpe da separação dos menores em relação a seus pais e familiares, no processo de triagem/expatriação da política de tolerância zero do governo Donald Trump, nos Estados Unidos. Ficamos sem palavras diante de semelhante violação dos direitos humanos, bem como de violência física, emocional e psíquica para com as crianças. Como fica a convivência no interior da família, “conditio sine qua non” para uma autêntica saúde mental? As imagens de meninos e meninas “enjaulados” na fronteira mais parecem cenas sepultadas e esquecidas das grandes guerras mundiais e que, por uma crueldade do destino, se levantam para acusar a indiferença mundial.

A segunda observação tem a ver com a saga do navio Aquarius, da organização não-governamental SOS Mediterranée. Por mais de uma semana a embarcação errou pelas águas do Mediterrâneo entre Malta, Itália e Espanha, à espera de um porto onde desembarcar os 629 imigrantes resgatados nas costas da Líbia. O caso do “navio à deriva” vem mexendo com a política migratória de toda a União Europeia (UE). O último caso foi a nave Lifeline, com 240 pessoas a bordo. Com o endurecimento do novo governo italiano, por parte de seu Ministro do Interior, Matteo Salvini (Lega, partido de direita), o número de imigrantes que desembarcaram na Itália caiu em 82% desde janeiro de 2018. Em contrapartida, no mesmo período, o desembarque de imigrantes na Espanha mais que dobrou, e subiu 40% na Grécia.

Migrantes. Manifestação Lisboa 2012. Foto: manudiarioliberdade

Enquanto isso, uma vez mais, os líderes da União Europeia (UE) tentaram um acordo para resolver o que chamam de “crise imigratória”. Como distribuir os imigrantes de acordo com a população de cada membro da UE? Como afirma um alto dirigente de Bruxelas, qual o país que aceitará hospedar centros de identificação, triagem e distribuição dos recém-chegados?

Tudo indica que a discussão haverá de prolongar-se tanto quanto o êxodo de imigrantes que, a partir do Médio Oriente e da África, tentam um futuro mais promissor na Europa.

Categorias: Direitos Humanos, Europa, Internacional, Não discriminação, Opinião
Tags: , , , , , , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.