Amazônia Real lança documentário “Aquarteladas”, sobre a voz das mulheres do quilombo Forte Príncipe

08.07.2018 - Manaus, Brasil - Redação São Paulo

Amazônia Real lança documentário “Aquarteladas”, sobre a voz das mulheres do quilombo Forte Príncipe
Imagem de Aquarteladas. (Crédito da Imagem: Amazônia Real)

Por Amazônia Real

A agência de jornalismo independente Amazônia Real lançou na sexta-feira (15/06) na plataforma do Youtube o documentário “Aquarteladas”, produzido pelo projeto “Olhando por dentro da Floresta Amazônica”. Sob a ótica das mulheres da Comunidade de Remanescentes Quilombolas do Forte Príncipe da Beira, o filme conta a história e a opinião delas sobre o conflito territorial com o Exército brasileiro, que ocorre há mais de 14 anos, em Rondônia.

A comunidade, que fica na região do Vale do Guaporé, no município de Costa Marques, foi criada por negros e indígenas escravizados. Eles participaram da construção da fortaleza Real Forte Príncipe da Beira, obra da Coroa Portuguesa no final do século 18, e depois foram abandonados.

Com a consolidação do domínio português, o Real Forte Príncipe da Beira perdeu sua importância estratégica e pouco a pouco foi abandonado pelos militares. Com a instalação da República no Brasil, a fortaleza foi legada ao esquecimento, assim como os escravos.

Na década de 1930, o Exército brasileiro reocupou a fortaleza com o Contingente Especial de Fronteira Real Forte Príncipe da Beira. Hoje a unidade é denominada de 1º Pelotão Especial de Fronteira (PEF).  O Exército reivindica a posse de parte das terras tradicionais alegando que a área é de segurança nacional e que a população não seria descendente de quilombolas, pois teria sido criada em 1942.

Em 2005, a Fundação Palmares emitiu a Certidão de Autorreconhecimento dos Remanescentes de Quilombolas do Forte Príncipe da Beira. Esta certidão é o primeiro passo do processo de demarcação, que está em andamento pelo INCRA.

Para o documentário “Aquarteladas”, o  1º Pelotão Especial de Fronteira (PEF) do Exército não autorizou a produção de imagens da equipe da Amazônia Real dentro do quartel militar e assim como entrevistas de oficiais sobre o caso.

Quilombolas do Forte Príncipe da Beira-Vale do Guaporé – Costa Marques RO. (Foto: Marcela Bonfim/Amazônia real)

No filme, as mulheres de remanescentes quilombolas denunciam que sofrem restrições dos militares no direito de ir e vir, para fazer as roças, pescar e nas atividades do extrativismo vegetal.

No elenco de “Aquarteladas” a jornalista Maria Fernanda Ribeiro e a fotógrafa Marcela Bonfim, que assinam a direção do documentário, entrevistaram as lideranças Camila da Paz, Caroline de Azevedo Gomes, Dilce Gomes Neri, Edilaine Barros Fernandes, Laís Miriam dos Santos, Maria do Nascimento Rodrigues, Raimunda D’Alvez Santos e Walderez Dias. O documentário contou com a edição de Carlos Maga e a mixagem de som de Pedro Romão. Também acompanharam o cotidiano das mulheres e de suas famílias.

Ambas colaboradoras da agência Amazônia Real, as diretoras do documentário  “Aquarteladas” também foram responsáveis por outras etapas do filme. Maria Fernanda Ribeiro assina as reportagens e o roteiro. Ela é jornalista freelancer e uma viajante da Amazônia com o objetivo de conhecer e compartilhar as histórias dos povos da floresta. É autora do blog Eu na Floresta, publicado no jornal O Estado de S.Paulo, e está com outros dois curtas metragens em andamento.

Marcela Bonfim assina também as fotografias e as imagens em vídeos do documentário sobre as mulheres do Forte Príncipe da Beira. Ela é fotógrafa e formada em Ciências Econômicas pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em 2008. É especialista em Direitos Humanos e Segurança Pública pela Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), em 2011. Atualmente, Marcela se dedica ao projeto “(Re)conhecendo a Amazônia Negra: povos, costumes e influências negras na floresta” –  projeto de militância e reflexão das artes visuais, no campo da antropologia visual, sobre a constituição e memória da população negra brasileira na região amazônica.

Quilombolas do Forte Príncipe da Beira-Vale do Guaporé – Costa Marques RO. (Foto: Marcela Bonfim/Amazônia real)

O documentário “Aquarteladas” faz parte do projeto “Olhando por dentro da Floresta Amazônica”, que tem o objetivo de contribuir para o entendimento sobre os impactos ambientais e as violações de direitos humanos que enfrentam os povos da Amazônia, sobretudo as populações indígenas, quilombolas, extrativistas e ribeirinhas que têm pouca visibilidade na mídia nacional. A iniciativa conta com a parceria da organização InfoAmazônia e recebe o financiamento da Aliança pelo Clima e Uso da Terra – CLUA.

Categorias: Ámérica do Sul, Assuntos indígenas, Cultura e Mídia, Direitos Humanos, Video
Tags: , , , , , , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.