Com Lula no coração

06.04.2018 - Río de Janeiro, Brasil - Redação São Paulo

This post is also available in: Espanhol

Com Lula no coração

Por Andrea Medina

Despertei no computador, por conta das notícias sobre a eminente prisão de Lula, porque, penso, ao menos aqui posso filtrar algo, já que a TV e os jornais, sabemos, não são confiáveis para nada. Me recordo então de Silo, quando nos recomendou suspeitar de tudo que a imprensa apresente como fato, quando a melhor atitude no caso, seria justo, pensar o contrário. Então penso e aqui escrevo, que o caso do presidente pode ilustrar bem tudo isso, mas com a diferença aqui é não tratar-se de uma figura, porque é a minha vida mesma, que está presa em uma teatral inversão de valores, onde defesa promove ataque e justiça, a cruel injustiça.

Hoje, ainda imersa na dor da ausência de Marielle, assassinada há 25 dias, preciso conviver com a eminente prisão de Lula, no entanto, ainda que a minha experiência de vida militante una estes dois eventos em um só, acredito que também estão unidos em outra ponta, à censura ao carro alegórico da Paraíso do Tuiuti e a intervenção militar na cidade do Rio de Janeiro e a todos os assassinatos diários de lideranças do campo e indígenas. Sim, é o que parece: estamos sob ataque, que é, ao mesmo tempo uma sensação vaga e real, porque nosso sentir social é midiático.

Ao perceber a necessidade de voltar a falar da mídia, lembro que, em todos os dias, são selecionadas as imagens que nos fazem sentir de um jeito ou de outro, e tudo me parece tão sofisticado neste aparato porque ai, o governo do país vizinho aparece martirizando seu próprio povo e, ai, com o reverso desta emoção, solidarizamos com Neymar, por seu dedo quebrado.

Então, buscando me informar, dolorida e pasma, tento escapar das armadilhas da consciência, tão comuns àqueles que creem e si e nos demais, quando o poder endurece e neste sentir posso registrar como ele atua em seu tripé, para afirmar-se sobre nossas intenções, porque a informação que nos ilude amalgama-se à defesa que nos ataca e a justiça, pronta a punir-nos, quem os contestamos.

Recordo que Silo também nos alertava sobre a liberdade como um processo, que vivemos a liberdade entre condições, uma é uma ideia, em si mesma, liberadora, porque nos abre o futuro e me ajuda a pensar que nos toca, neste momento de desorientação, lembrar que consciência humana não é passiva e nossa luta é bem antiga, e me pego evocando sua orientação, de paz no coração e luz no entendimento.

Categorias: Ámérica do Sul, Opinião, Política
Tags: , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.