Afinal, quem é Judith Butler?

07.11.2017 - Redação São Paulo

Afinal,  quem é Judith Butler?

A vinda da filósofa estadunidense Judith Butler ao Brasil incomodou certos setores da sociedade. Ao ponto de serem criados no Facebook eventos pedindo a sua saída do país. Os mesmos grupos conservadores que promovem os projetos de lei da “Escola sem Partido” e que tentam censurar colégios, museus e exposições.

Houve protestos contra e a favor a presença da acadêmica hoje, dia 07/11, no Sesc Pompeia. No ato pessoas atearam fogo em uma boneca gritando “queimem a bruxa”.

Afinal, quem é Judith Butler e por que ela incomoda tanto certos setores da sociedade brasileira?

Judith Butler é uma renomada filósofa com uma grande produção acadêmica. Renomada nos chamados estudos sobre gênero. Diferentemente do que é propagado, ela não é a criadora dos estudos sobre gênero. Estes estudos tiveram seu início com “Sexo e Temperamento” de Margaret Mead, de 1935. Observe que a autora ainda utiliza a categoria (palavra) sexo ao invés de gênero. Apesar disso, o livro é um marco nos estudos realizados sobre gênero e sexualidade.

Mead demonstra em seu texto as diferenças entre os temperamentos em diferentes sociedades da Polinésia. Homens e mulheres tinham diferentes comportamentos, não havia uma forma universal de homem ou de mulher, havia masculinidades e feminilidades produzidas culturalmente, socialmente.

Os estudos de gênero contemporâneos, como os de Judith e os de Joan Scott, demonstram e reiteram as diferenças existentes entre as pessoas.

Leia também – “Gênero Diversidade sem Fim” 

Não se trata da ideia preconceituosa sobre ideologia como algo desprendido da realidade, estratosférico e que tenta dar um sentido para a realidade que não existe nela mesma. Ora, sabemos que há diferenças. Isso é tangível. Visível. As pessoas que querem censurar Judith são as mesmas que querem fechar os olhos para essa realidade – a de que existem pessoas diferentes, que não se encaixam no binômio masculino/feminino e que não se identificam com o sexo de nascimento.

A grande preocupação dos movimentos LGBTQ+ e das teóricas que versam sobre a temática de gênero e sexualidade, não é imprimir de forma ditatorial um modo de vida para as pessoas, é mostrar que o diferente existe e que é importante coexistir. Viver em conjunto.

Judith não quer destruir determinado modo de vida, muito menos a heterossexualidade. Sua obra pretende mostrar este outro lado, que é apagado. Censurado. Pessoas que são invisibilizadas e apagadas sistematicamente. Desumanizadas. Tudo isso em um país como o Brasil que é campeão internacional no número de mortes de pessoas transsexuais.

Fechar os olhos para essa realidade é uma ato de crueldade.

Judith vem ao Brasil para falar sobre seu livro – “ Caminhos Divergentes, Judaicidade e Crítica do Sionismo”. A autora se debruça nele na crise que se instaurou no Oriente Médio, na relação de Israel com seus vizinhos e com os povos palestinos.

Está é Judith Butler, uma teórica de gênero, das relações políticas que o Estado de Israel assume. A filósofa incomoda justamente por questionar o status quo, de que o sexo de nascimento está ligado ao gênero que a pessoa tem que assumir. Ora, sabemos que não é assim que ocorre. Gênero, sexo e orientação sexual são coisas diferentes.

“ Se a esperança é uma demanda impossível, então demandamos o impossível”

Butler

 

Categorias: Ámérica do Sul
Tags:

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.