“Nós somos a solução do Brasil, não o problema”

05.11.2016 - Brasil - Mídia NINJA

“Nós somos a solução do Brasil, não o problema”
(Crédito da Imagem: Mídia NINJA)

Estudantes de diversas escolas ocupadas do DF reafirmam uma luta para além da qualidade de ensino.

O Centro Educacional GISNO, situado na asa norte do plano piloto de Brasília, recebeu na manhã desta quarta (2/11) os estudantes das escolas ocupadas do Distrito Federal para apresentar a situação das ocupações e os impactos da decisão do MEC sobre o processo ENEM. Para os representantes o momento é propício para reafirmar uma escola pública de qualidade, livre e sem qualquer tipo de preconceito como racismo e lgbtfobia.

Ana Flávia, estudante de 16 anos do Centro Educacional Elefante Branco (CEDEB), afirma: “A gente está lutando. A nossas escolas estão ocupadas, estamos em greve contra a PEC 241, PEC 55, contra a Reforma do Ensino Médio, sabemos a necessidade de uma reforma no ensino, mas não desse jeito, uma reforma autoritária, que desrespeita os estudantes, que tira nossos direitos, que nos ataca. Somos os principais agentes desse processo e todos precisam nos ouvir.”

Os estudantes aproveitaram para denunciar o movimento contrário a desocupação que tem atacado as escolas ocupadas. Mesmo sofrendo ameaças, os estudantes reafirmam a luta pela educação que eles acreditam. “Somos chamados de vagabundos diariamente. É uma pressão psicológica muito forte para adolescente, muitos tem 15 anos, com diretor indo contra, com professor indo contra. A gente só está lutando pela educação. A gente só quer melhoria para nossas escolas”, destaca Marcelo, estudante do CED GISNO.

Fred, estudante de 17 anos do Centro Educacional do Oeste (CEMSO), complementou: “A gente está contra também a lei da mordaça, da Escola Sem Partido. Essa é a lei do partido único, do partido da ignorância, da alienação dos estudantes. Por que se você não debate, se você não conversa sobre as coisas, como é que a gente vai ter consciência? Como é que a gente vai questionar? A gente tem que ter nossa formação para entender como o mundo funciona. Querem que a gente saia do Ensino Médio sem nenhum consciência de vida pública.”

estudantes1-mn

Foto Mídia NINJA

Marcelo aproveitou a oportunidade para compartilhar a experiência da ocupação e o desejo por um futuro de transformações. “Tem pessoas que estão limpando a escola , cuidando com da escola, outras pessoas estão elaborando aulas. A gente quer a melhoria, a gente também quer entrar na universidade, mas a gente quer que mais gente entre na universidade. A gente quer uma escola para ter gosto. A gente quer uma escola livre. Livre do racismo, da homofobia, da violência. Gostaria de registrar aqui que estamos na luta pela Educação.”

O adiamento das provas do ENEM para os dias 3 e 4 de dezembro é avaliado pelos estudantes como uma ameaça do governo. “Tem muitas pessoas que vão fazer o ENEM. Tem muitas pessoas do 3º anos, mas também tem muitas pessoas do 2º e 1º anos que não farão o exame e isso não irá comprometer a ocupação. Sobre as escolas-sede do ENEM, acreditamos que isso vem como uma ameaça, é colocar os estudantes contra os estudantes.”

Mesmo com os desafios colocados, a estudante Ana Flávia destaca a importância desse momento histórico. “Não é isso que vai nos barrar. Nós temos um ideal maior que isso. Nós estamos unidos na luta para continuar. Nós estamos em luta pelo Brasil e o Brasil vai ser transformado pela educação”, conclui.

Categorias: Ámérica do Sul, Direitos Humanos, Educação
Tags: , , , , , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.