Chegou a hora para nós os indocumentados

22.11.2016 - USA - Ilka Oliva Corado

This post is also available in: Espanhol

Chegou a hora para nós os indocumentados
As migrações de centro-americanos para Estados Unidos tiveram início na década de 1980, desde quando invadiu o território para aplicar o Plano Condor e a agenda regionais das ditaduras e ao que chamaram de Conflito Armado interno mas que na Guatemala deixou um genocídio e a terra arrasada.
Nesse contexto milhares se viram obrigados a deixar a América Central para salvar suas vidas e buscar refúgio no México e, paradoxalmente, nos Estados Unidos. Não tendo sido suficiente a ingerência do Plano Condor naqueles anos o renovam em 2004 com o nome de Tratado de Livre Comércio entre Estados Unidos, América Central e República Dominicana. Com isso legalizaram o ecocídio, a mineração, a exploração dos recursos naturais, a investida das empresas transnacionais na região. Em síntese o neoliberalismo se estabeleceu na região. Com isso os ricos ficaram mais ricos e os pobres mais pobres. E começou a perseguição impiedosa de jornalistas, defensores de direitos humanos e do meio ambiente. O assassinato de Berta Cáceres o comprova em Honduras. E o desaparecimento forçado dos 43 estudantes de Ayotzinapa no México.
México começou a sofrer muito antes, em 1992 quando foi firmado o Tratado de Livre Comércio da América do Norte, entre México, Estados Unidos e Canadá. Começou a vigorar em 1994, mesmo ano em que Bill Clinton iniciou a construção do muro entre Estados Unidos e México. Foi em Nogales que então fizeram pistas de aterrissagem como as que fizeram nas guerras do Vietnã e do Golfo. A partir daí se fala em combater o tráfico de drogas. O muro era para persuadir os migrantes a não cruzar a fronteira  porque só lhes restava como opção o deserto e os milhares de quilômetros sem água e a certeza da morte.
Milhares de mexicanos se viram obrigados a migrar como única forma de sobrevivência. Dados oficiais da Patrulha de Fronteira (sabemos que na realidade é muito maior) em torno de 6.330 pessoas morreram na tentativa de cruzar o deserto entre México e Estados Unidos entre 1984 e 2014. Informe da organização humanitária Colibrí Center for Human Rights, em Tucson, Arizona, diz que desapareceram em torno de 2.500 no deserto.
Democratas e republicanos são a mesma coisa quando se trata de política externa e de indocumentados. Em 2006 foi aprovado a renovação do muro na fronteira e isso por iniciativa assinada por Hillary Clinton e vários senadores democratas, a que levou o nome de Lei Vala Segura (Secure Fence Act).
Com isso veio também a Operação Contorno (Streamline Operation) que é o encarceramento massivo de indocumentados detidos pela Patrulha de Fronteira e que cumprem pena de até 180 dias nos cárceres antes de serem deportados a seus países de origem.  Isso depois dos vexames que sofrem nas mãos dos agentes policiais que roubam o pouco dinheiro e objetos pessoais que portam. Abusos sexuais por atacado em meninos e meninas, adolescentes e mulheres, que ficam sempre impunes. Tais políticas de segurança nacional desumanizaram as migrações e permitem que grupos anti-imigrantes percorram o deserto com rifles automáticos e matem indocumentados em caçadas festejadas pelos xenófobos radicais.
O Plano Condor é renovado a cada década e em 2008 se criou o Plano Mérida, que é um tratado de segurança estabelecido entre Estados Unidos, México e América Central. A este seguiu em 2014 o Plano Fronteira Sul que militarizou desde a fronteira sul de Estados unidos até a fronteira entre México e Guatemala, seguido pelo Plano Maya-Chortí, que abarca Guatemala e Honduras. Para reforçar foi criado, no triângulo norte da América Central o Plano Aliança para a Prosperidade.
Nessa época lançaram a bomba mediática da crise de crianças centro-americanas que viajam sozinhas, com ajuda de meios de comunicação como Telemundo, Univision e CNN em espanhol. Nenhum deles se atreveu a evidenciar que não existia certa crise e que as migrações de meninos e meninas e de adolescentes que viajavam sem companhia de um adulto se fazia por décadas. Hillary Clinton se pronunciou dizendo que essas crianças deviam regressar a seus países de origem porque aqui não há lugar para eles. Como acreditar nela em sua proposta de Reforma Migratória durante a campanha eleitoral para presidência?
Com esses tratados se disfarça que criminalizam as migrações forçadas e se autoriza que os governos dos países envolvidos lucrem com as vidas dos migrantes em trânsito. Aqui é onde foram criadas as grandes máfias e de onde dirigem as operações anti-imigrantes. Devido a tudo isso se incrementou a violência no tráfico de pessoas para exploração sexual, trabalho forçado e tráfico de órgãos. Também os desaparecimentos forçados e as fossas coletivas clandestinas: uma nova moda de genocídio no México.
Na América do Sul a mais afetada tem sido Colômbia com o Plano Colômbia que é um protótipo como os aplicados no México e América Central. Por essa razão, desde 1999 o governo colombiano tem licença para “combater” os narcotraficantes, como eles chamam as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia. Porque, para ser sincero, quem negocia com os verdadeiros narcotraficantes é a DEA. Licença que permite também a exploração dos minerais, o paramilitarismo, as fossas clandestinas e o ecocídio. Em todos esses tratados participaram as administrações de Bill Clinton e George Bush filho. Vê como não são diferentes os democratas os republicanos?
O que ocorre com os outros países da América do Sul? Peru assinou o Tratado de livre Comércio Peru-EUA, em 2006 e implementado em 2009. Podemos ver que isto obrigou a que milhares de peruanos também migrassem para Estados Unidos e Europa. O mesmo ocorreu no Chile com o Tratado de Livre Comércio Chile Estados Unidos firmado em 2003. Em linhas gerais os tratados de livre comércio entre EUA e os países latino-americanos significam a aplicação renovada de um sistema neoliberal que teve início com o golpe de estado que derrubou o governo de Salvador Allende e que arrasa com América Latina há 40 anos.
Contudo, atenção! Em 2005 a dignidade latino-americana foi defendida com consciência e amor, e foram Hugo Chávez, Néstor Kirchner e Lula da Silva, presidentes de Venezuela, Argentina e Brasil, os que da IV Cúpula das Américas em Mar del Plata, Argentina,  disseram não à Alca. Pudemos ver como esses países se mantiveram estáveis com os governos progressistas e que, agastados por não poder comprar esses governantes, levou Obama a firmar a Lei contra Venezuela, roteiro para uma invasão militar a qualquer momento. Na sequência fosse também o propulsor do golpe de estado contra Dilma no Brasil, e agora procura estreitar relações com Brasil e Argentina.
É assim que em grandes rasgos podemos entender as razões da migrações forçadas de latino-americanos para os Estados Unidos e porque é maior em uns países do que em outros. Se deve à agenda neoliberal de uns da progressista em outros.
Tradução  Revista Diálogos do Sul, Brasil 
Categorias: América do Norte, Direitos Humanos, Opinião
Tags: , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.