Reflexões sobre a auto-cura

23.08.2016 - Pressenza IPA

This post is also available in: Espanhol, Francês, Alemão, Grego

Reflexões sobre a auto-cura

por Hugo Novotny

Uma das grandes contribuições de Silo[1] à humanidade, senão a maior na minha opinião, foi a horizontalidade do acesso ao Profundo e a internalização das referências.

Isto implica, pela primeira vez na história humana, uma espiritualidade sem sacerdotes, nem hierarquias, um cerimonial que pode ser praticado – e oficiado – por qualquer pessoa, sem preparação nem formação prévia, contando somente com o texto da cerimónia e realizá-la com o melhor do seu coração. Assim, como a prescindibilidade de todo o mestre físico, externo, substituído pelo guia interno configurado ou revelado pelo próprio trabalho pessoal, incluso para o Propósito supremo do contacto com o Sagrado, o Inominável.

Ao longo das civilizações e épocas estas funções foram cumpridas por entidades distintas. O Xamã reunia em si todas as funções: sacerdote, bruxo, curandeiro, conselheiro, educador, para a família, tribo ou povo a que servia.

À medida que se foi complexificando a organização social, estas funções foram-se distribuindo entre diferentes pessoas. Mesmo quando, no caso da medicina, houve sempre uma íntima ligação entre a religião e as cosmogonias mais importantes: a religião védica e a medicina Ayurveda, o taoismo e a medicina chinesa, o budismo e a medicina tibetana, a espiritualidade Tiahuanaco e os Kallawallas andinos, etc.

Com o avanço do positivismo, a ciência foi-se afastando aceleradamente da espiritualidade, surgindo a dialética ciência-religião tão própria da civilização ocidental dos últimos séculos. Fenómeno que também afectou a medicina, avançando para uma crescente especialização em compartimentos estanque, perdendo-se a qualidade da integralidade e também o vínculo com o psicológico, o afectivo e o espiritual, subordinados à supremacia da tecnologia e o “critério da verdade” ditado pelos laboratórios farmacológicos multinacionais.

Mas já nas últimas décadas do nosso tempo, à medida que uma crescente necessidade de renovação espiritual começa a sentir-se nas pessoas e a generalização da internet e das redes sociais, põem à mão de grandes conjuntos o acesso à memoria colectiva de todas as épocas e culturas, esta situação começa a modificar-se. O “doente” pode agora dispor dos conhecimentos e experiências de muitos que passaram pela mesma situação e de grande quantidade de opções entre as quais escolher para afrontar a sua disfunção e superar a dor que experiencia. Ao mesmo tempo que vai emergindo novamente a certeza vivencial, suportada por inumeráveis testemunhos pessoais, de que “tudo está relacionado”; o corpo e a mente, os afectos e as dolências, a doença e a energia que se bloqueia ou acumula.

Neste contexto irrompe a Mensagem de Silo, com a sua horizontalidade do acesso ao Profundo e internalização das referências. Com a cura do sofrimento, um caminho de superação da dor e do sofrimento em si mesmo, no próximo e na sociedade humana. Com seu amor ao corpo, a natureza, a humanidade e ao espírito[2]. E a sua concepção psicológica de uma consciência activa, intencional, construtora de realidades dignas de serem amadas [3].

Nesta nova atmosfera espiritual é agora possível intuir um novo conceito de cura intencional, de auto-cura; na qual o rol activo de quem sofre uma disfunção física, a sua intenção de superar a dor e o sofrimento a ele ligado, adquirem um protagonismo decisivo. Sem negar o beneficio que pode contribuir a essa tarefa o avanço da ciência e da tecnologia, a pessoa está agora em condições de escolher entre diferentes opções de tratamento e tomar o leme do seu próprio processo, assistida por médicos e outros trabalhadores de saúde que o ajudem a alcançar o seu objectivo.

Nesta atmosfera espiritual é também de muito significado o apoio e acompanhamento de outros entes queridos, que tanto como ele querem a sua cura. O âmbito cerimonial da Mensagem resulta do mais propício para clarificar e fortalecer, tanto o próprio Propósito como o apoio afectivo-energético do seu meio imediato.

 

Hugo Novotny. Investigador do Parque de Estudo e Reflexão “Carcarañá”, Argentina. Membro da Comunidade da Mensagem de Silo. Mail: hugonov@gmail.com/Web: www.parquecarcarana.org

[1]   Silo: pseudónimo literário do pensador, escritor y guia espiritual Mário Luís Rodríguez Cobos
(Mendoza, Argentina, 1938-2010) www.silo.net

[2]   A Mensagem de Silo www.silo.net/es/message/index

[3]   Silo. Apontamentos de Psicologia www.silo.net/es/collected_works/psychology_notes

Tradução: Djamila Andrade

Categorias: Humanismo e Espiritualidade, Opinião
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.