Por entre guerrilhas, um exemplo de paz

19.06.2016 - San José de Apartadó, Colombia - Calle2

This post is also available in: Espanhol

Por entre guerrilhas, um exemplo de paz
(Crédito da Imagem: Fellipe Abreu)

Povoado colombiano em Urabá, região dominada por guerrilheiros e paramilitares, consegue estabelecer a tranquilidade com trabalho comunitário e proibição de armas

Por Fellipe Abreu, para Calle2 

“Proibida a entrada sem autorização!”, diz a placa na entrada da Comunidad de Paz de San José de Apartadó, na Colômbia. Dentro da comunidade, mais um dia começa tranquilo: as mulheres acendem os fogões à lenha, enquanto os homens saem para trabalhar no cultivo de cacau e as crianças se arrumam para o colégio. Mas a tranquilidade atual esconde uma história de mais de três décadas de violência.

O dia é 26 de dezembro de 2005. Ainda estava escuro quando eles chegaram. Por volta das 5h da madrugada, um grupo de militares invadiu uma casa em uma localidade conhecida como Vereda La Cristalina, onde dormiam seis jovens com idades entre 15 e 25 anos, depois de uma festa de Natal. Todos eles foram assassinados. Ao todo, sete vidas se perderam, já que Blanca Quintero, uma das vítimas, estava grávida.

Foto: Fellipe Abreu

Foto: Fellipe Abreu

Infelizmente, esse incidente é apenas um dos muitos massacres que já aconteceram em San José de Apartadó nos últimos anos. A poucos metros do portão de entrada da comunidade, é possível ver um monte de nomes pintados em diferentes cores. É o Monumento de la Memória, que homenageia todas as pessoas assassinadas até hoje, seja por grupos paramilitares, guerrilheiros ou pelo próprio Exército.

A Colômbia é o 15º país mais violento do mundo. Com uma economia estável, e em crescimento, o país é dominado por cartéis de produção de cocaína e por guerrilhas armadas. O governo de Juan Manuel Santos negocia, há dois anos, acordos de paz com as FARCs (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e, há dois meses, com o ELN (Exército de Liberação Nacional). Porém, há o receio de que novos grupos guerrilheiros tomem o lugar ‘vazio’ das tradicionais guerrilhas.

A Comunidade de Paz de San José de Apartadó está localizada em Urabá (na fronteira com o Panamá), região conhecida por ser uma das mais conflagradas pela guerra travada entre guerrilheiros e paramilitares. Apenas entre 1995 e 1997, foram assassinadas 1.200 pessoas na região e outras 10 mil foram desplazadas (deslocadas pelos conflitos).

Cansados de estar no meio da guerra, em março de 1997, decidiram se declarar neutros no conflito e fundaram a Comunidad de Paz, rejeitando a presença de qualquer ator armados dentro do seu território − inclusive o próprio exército colombiano.

Foto: Fellipe Abreu

Foto: Fellipe Abreu

Eles também instalaram um esquema de trabalho coletivo e comunitário. A cada dois meses, os moradores se reúnem em assembleias, onde tomam decisões sobre o futuro, resolvem conflitos entre vizinhos, aplicam multas ou trabalho comunitário a quem infringe o regulamento e verificam o funcionamento de 55 grupos temáticos de trabalho (saúde, educação, cultivo, etc). Às sextas, eles se dedicam ao trabalho comunitário: limpam o povoado, fazem manutenção na escola ou ajudam algum morador que precisa de melhorias em sua casa.

Em uma das muitas pequenas casinhas de chão de terra batida vive Doña Brígida Mendoza. Sempre com o semblante oscilando entre o doce e o ingênuo, quem lhe vê pela primeira vez não imagina a história da sua vida. Ela começou ajudando os pais no pequeno cultivo da família, mas anos depois conseguiu seu primeiro trabalho remunerado, em uma indústria bananeira. “Éramos 46 mulheres, que trabalhávamos todos os dias das 4h às 23h. Era desumano. Formamos um sindicato e combinamos de chegar mais tarde ao trabalho. Os patrões descobriram que eu era uma das líderes do sindicato e me demitiram”, lembra Brígida.

Doña Brígida, que cresceu com mais três irmãos, se casou e teve sete filhos. Todos os três irmãos e dois dos sete filhos dela foram assassinadas por grupos paramilitares ou guerrilheiros. “A última que morreu foi minha filha mais nova, Elisenia González. Ela tinha 15 anos quando foi assassinada no massacre do dia no dia 26 de dezembro de 2005”.

Foto: Fellipe Abreu

Foto: Fellipe Abreu

Leia artigo completo na Calle2

Categorias: Ámérica do Sul, Paz e Desarmamento
Tags: , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.