Em Campo Grande, mulheres protestam contra cultura do estupro

03.06.2016 - Redação São Paulo

Em Campo Grande, mulheres protestam contra cultura do estupro
(Crédito da Imagem: André Knöner Monteiro)

Por Natália Moraes

Centenas de mulheres saíram às ruas na noite desta quarta-feira (1º) em Campo Grande (MS), para exigir respeito, fim da cultura do estupro e da violência. O protesto segue uma agenda nacional de atos em solidariedade a uma adolescente que foi vítima de um estupro coletivo no Rio de Janeiro (RJ). Homens e estudantes secundaristas também compareceram.

Os manifestantes concentraram-se na Praça do Rádio Clube e seguiram pela Avenida Afonso Pena, com cartazes e palavras de ordem como “machistas não passarão”. Segundo uma das organizadoras do ato, a universitária Yorrana Della Costa, as mulheres vivem um momento oportuno para “gritarem”. Ela cita o projeto de lei 5069, de autoria do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), que prevê a proibição do aborto mesmo em casos de estupro, obrigando a vítima a ter o filho do agressor.

Para Costa, Mato Grosso do Sul tem “forte” a cultura sertaneja, que pode ser um agravante para o machismo no Estado. Segundo o Mapa da Violência, MS ocupa a 6ª posição em um ranking nacional de feminicídios. Não é à toa que, em 2015, Campo Grande foi a primeira capital a receber a Casa da Mulher Brasileira, local que oferece atendimento humanizado às vítimas de violência.
Cultura do estupro

Uma das principais reivindicações foi o fim da cultura do estupro, que culpa a vítima pela agressão sofrida. Nela, são usadas justificativas como a roupa que a mulher vestia ou o horário que estava na rua, para culpá-la por não ter se “cuidado”. A atitude revela uma sociedade machista que ainda violenta as mulheres de diversas maneiras, já que o único culpado pela violência sexual é o estuprador. “O que mais me incomodou no caso dessa menina é as pessoas encontrarem motivos para não achar pavoroso”, lamenta Costa. Este traço – a naturalização da violência contra a mulher – é mais um exemplo da cultura do estupro.

cuadrocg
Justificativas frequentes utilizadas para culpar a mulher pelo estupro. Via Empodere Duas Mulheres

Além da pauta principal, o evento contou com discursos de negras e trans, que buscam visibilidade e respeito. Para a militante Romilda Pizani, “enquanto mulher e negra, o ato é importante, mas a maioria das que estão aqui não são negras, e são as mais atingidas”. Pizani, que faz parte do grupo TEZ (Trabalho e Estudo Zumbi), questiona as políticas públicas voltadas às mulheres em Mato Grosso do Sul, que segundo ela, não fazem um recorte de etnia. “Se você for à Casa da Mulher Brasileira e pedir o número de negras atingidas [pela violência] você não vai encontrar”.

Para mudar a cultura do estupro, um dos caminhos é a educação. Para Costa, é necessária a discussão de gênero nas escolas, e em todos os lugares. “As pessoas precisam entender que ‘psiu’ não é elogio”. Já Pizani defende a valorização do saber popular para combater o racismo e o machismo, e também a reflexão nos momentos de lazer. “Por exemplo, devemos problematizar novelas”.

fotocg1
“Não é não”: Mulheres ainda lutam para terem o corpo respeitado. Foto: André Knöner Monteiro

Elas se preocupam com o crescimento do discurso ódio, que seria uma reação às conquistas pelas minorias. Este ódio toma forma em retrocessos, visíveis nas esferas de poder. Em Campo Grande, um deles é o projeto de lei nº 8.242/16, de autoria do vereador Paulo Siufi (PMDB), que prevê o fim da discussão de gênero e sexualidade nas escolas da rede municipal, dentre outros assuntos. Apelidado de “Lei da Mordaça”, o projeto está pautado para ser votado pelos vereadores no dia 7 de junho.

Segundo a professora Nilcieni Maciel, o projeto é “uma forma de tolir a gente, de subestimar o conhecimento do professor”. Para Maciel, falar sobre gênero e sexualidade nas escolas não é impor uma doutrina, é sobre ensinar os estudantes a respeitarem a diversidade. “Quando você coloca que não pode falar de algo, você é negligente com a formação dos alunos, discutir gênero é falar sobre respeito, antes de tudo, respeito ao corpo do outro”.

Na contramão do retrocesso que atinge o Brasil, mulheres vão às ruas, organizam-se, e a rede de solidariedade às vítimas de estupros tem aumentado. Campanhas e mobilizações têm sido feitas nas redes sociais, onde a mensagem é clara – chega de silêncio. Assim, a luta segue em frente. Por todas elas, por todas nós.

Fontes:
http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf
Assessoria da vereadora Luiza Ribeiro

Categorias: Ámérica do Sul, Diversidade, Internacional, Não violência
Tags: , , , , , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.