Yanis Varoufakis lança seu movimento Democracia na Europa

18.02.2016 - Marianella Kloka

This post is also available in: Inglês, Espanhol, Francês, Italiano, Alemão, Grego

Yanis Varoufakis lança seu movimento Democracia na Europa

O que esta multidão heterogênea de pessoas em pé no foyer do teatro do Povo está fazendo lá? Por que eles estão esperando com horas de antecedência por um ingresso? Por que os estrangeiros buscam em agonia por um link de transmissão ao vivo? No final do dia, o que é o assim chamado DiEM25?

O manifesto foi publicado em 9 idiomas reconhecendo, e ao mesmo tempo tentando superar, a dificuldade básica da Babel e se transformando em um movimento pan-europeu. Uma coisa é evidente: a Europa de hoje não pode se comunicar e concordar dentro de si mesma.

Claro, o fato de que a única substância de ligação entre muitos dos países envolvidos é a união monetária, é pior do que o efeito de multi-linguagem. Os primeiros tratados da UE foram um esforço para controlar os preços e cartéis, apesar do fato de que os acordos econômicos não deveriam ser a principal preocupação na unificação das nações de uma região. A primeira parte do discurso de Yanis Varoufakis se concentrou neste ponto e o perigo que vem dos esforços, das vozes do nacionalismo, para nos forçar de volta para os Estados-nação.

Então, o que é DiEM25? Srećko Horvat, um dos apoiadores do DiEM25 respondeu a uma pergunta do público: “Se isso acabar como um outro partido teremos perdido o jogo, se isso acabar sendo apenas uma reunião espontânea de pessoas que sera dissolvida, quer pelas forças especiais lá fora nas praças, ou devido a uma incapacidade de se traduzir em algo maior, teremos também perdido o jogo “.

Então, eu visitei o site e preenchi o formulário de inscrição. Ao digitar minhas informações de contato tive a resposta: “Você é agora um membro de DiEM25 e um voluntário para os próximos grandes coisas por vir. Logo entraremos em contato com você e discutiremos qual parte do processo / progresso se encaixa ao seu interesse. ”

De acordo com Yanis Varoufakis, as instituições europeias estão gravemente doentes; algo que foi claramente demonstrado pelo vídeo apresentado durante o lançamento DiEM25 de ontem. Como primeiro “antídoto” em toda a Europa foi proposto um pedido de transparência em todas as reuniões oficiais e institucionais. Este pedido de transparência encontra terreno fértil na sociedade civil, bem como em personalidades políticas e acadêmicas que, de uma forma ou de outra, têm experimentado os efeitos de decisões tomadas a portas fechadas: a maior parte das negociações sobre os acordos transatlânticos (TTIP, TTP, CETA) , todas as reuniões do Eurogrupo, as negociações entre os estados e as instituições europeias com os bancos, as empresas farmacêuticas, etc. Todos os “principais pilares” da política econômica global e europeia são exercidas por trás de portas fechadas ou por notas manipuladas independentemente do que é realmente discutido. Esta necessidade de transparência foi mencionado mais de 15 vezes no evento de ontem e a transmissão ao vivo de todas estas reuniões foi a primeira demanda por ação.

Foi proposta como uma exigência de meio termo a co-formulação de um programa de política alternativa para as questões financeiras, dívida, a pobreza e o trabalho; que será realizada através de plataformas de internet e enriquecida com discussões vitais. Como as questões de linguagem e de acesso serão geridas em fóruns on-line por assunto é uma questão que ainda não foi esclarecida. Parece que DiEM25 vai tentar fornecer a infra-estrutura para facilitar esse diálogo, a fim de que as decisões finais entre os povos da Europa possa ser tão participativo quanto possível. Estamos esperando por isso.

O objetivo final é criar um modelo diferente de governância, com destaque para a comunidade local, numa organização horizontal, onde o desafio de discussões e propostas será de “baixo para cima” e não “de cima para baixo”, como nós experimentamos hoje. Ambicioso? Claro. Necessário? De fato.

Mas heterogênea não era só a multidão reunida no Volksbühne. A partir de diferentes origens e com diferenças ideológicas graves e diferentes prioridades – como o tipo de ação imediata necessária para as nossas sociedades de hoje – foram também os apoiadores oficiais apresentados pelo Sr. Varoufakis. “Será que vamos mudar as políticas climáticas, a fim de desfrutar de mais sociedades humanistas ou vamos mudar o sistema, a fim de ter sucesso e ter melhores condições climáticas?” foram duas posturas dominantes entre políticas ecologista e de esquerda. “Devemos operar dentro do sistema capitalista ou a orientação da Europa deve ser diferente e se sim, como?” DiEM25 e todas aquelas pessoas que falavam no palco estavam de acordo sobre os seguintes pontos básicos:

Que nenhum povo europeu …

  • Possa ser livre enquanto a democracia de outro seja violada
  • Possa viver com dignidade, enquanto a outro ela é negada
  • Possa esperar pela prosperidade se outro é empurrado para a insolvência permanente e depressão
  • Possa crescer sem bens básicos para os seus cidadãos mais fracos, o desenvolvimento humano, equilíbrio ecológico e uma determinação para se tornar livre de combustível fóssil.

Nos discursos dos apoiadores convidados no palco eu pude distinguir raiva com a situação de hoje enquanto resultado das políticas de austeridade, uma determinação para o que vai acontecer amanhã, a vontade de igualdade de participação de grupos deixado para trás, transparência e coragem. Além disso todos eles acreditam que, se a democracia for realmente implementada, teremos automaticamente o tipo de União Europeia que queremos. Esta é a minha dúvida pois eu acredito em uma mudança profunda em nossos valores, a fim de sermos capazes de ter o tipo de Europa e o tipo de mundo que queremos, colocando o ser humano no centro das nossas políticas e preocupações e isto não vem automaticamente. Precisamos trabalhar em diferentes níveis de violência e medo produzidos e impostos por este sistema e, infelizmente, não só no nível social.

Mas eu não pretendo deixar esses pensamentos rastejando em minha mente. Pelo contrário, como um membro ativo do movimento humanista mundial eu vou tentar, juntamente com outras pessoas para transformá-las em propostas concretas e comunicá-las ao DiEM25, pois é certamente a coisa mais interessante que tenho visto desde os movimentos espanhóis e “Occupy”.

O público deificado Ada Colau, Julian Assange, a jovem representando Blockupy, a abordagem artística de Brian Eno. Eles aplaudiram com paixão toda crítica às discussões à portas fechadas dos tratados transatlânticos e cada comentário sobre os grandes esforços feitos pelos países do Mediterrâneo há mais de um ano agora para lidar com a crise de refugiados (basicamente Grécia e Itália). Eles aplaudiram a admissão de fracasso de Varoufakis como ministro das Finanças, uma falha do governo grego para obter apenas uma concessão por parte das impiedosas instituições europeias. Eles calorosamente aceitaram a afirmação de Slavoj Žižek de que o fracasso era esperado porque a resposta deve vir de todos os povos da Europa, como uma sequência da derrota do último verão.

E, finalmente,nos lembramos das palavras de Samuel Beckett citadas por Srećko Horvat: “Tente novamente. Falhe novamente. Falhe melhor “.

Traduzido por Cleverson Rubedo

Categorias: Direitos Humanos, Europa, Política
Tags: , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.