O reencontro da família humana

10.11.2015 - Luis Filipe Guerra

O reencontro da família humana
(Crédito da Imagem: http://bit.ly/1Mm6XB7)
October 4,2015-Lesvos, North-east Aegean sea, Greece: Refugees arrive into a small plastic and cheap boat to the coast of the Greek island Lesvos from the Turkish land (Maro Kouri)

October 4,2015-Lesvos, North-east Aegean sea, Greece: Refugees arrive into a small plastic and cheap boat to the coast of the Greek island Lesvos from the Turkish land (Maro Kouri)

No passado dia 5 de Novembro, a European Law Student’s Association (ELSA) da Universidade do Minho, em parceria com a Amnistia Internacional, promoveu a realização de uma conferência na cidade de Braga (Portugal) com o sugestivo título “Fuga para a Europa – pelos refugiados” e que contou, entre outros convidados, com a participação de um representante do Observatório dos Direitos Humanos (ODH).
Na sua intervenção, o porta-voz do ODH começou por explicar quais os objetivos e as atividades do mesmo, bem como qual o papel que esta parceria interassociativa pode ter no processo de acolhimento e integração dos refugiados que vêm para este país, no seguimento da disponibilização do Estado português para dar asilo a 4.500 pessoas no quadro do plano estabelecido no âmbito da União Europeia.
Depois desta introdução, este palestrante adentrou-se no tema da conferência, fazendo um conjunto de considerações muito assertivas e inspiradoras e que merecem ser transcritas aqui:
“(…) Há uma verdade histórica que importa recordar neste momento delicado: a humanidade nasceu em África e iniciou a sua diáspora há muitos milénios atrás, estabelecendo-se em distintos lugares e criando civilizações e culturas diferentes ao longo do tempo. Nesta época de mundialização, em que os transportes e as comunicações aproximaram os povos e os indivíduos, a família humana reencontra-se finalmente. É um reencontro com sentimentos misturados: desconfiança e curiosidade pelo outro, temores e esperanças em relação ao futuro; afirmação da própria cultura e vontade de aprender com o melhor das outras. Em si mesmo, este reencontro é um processo de aprendizagem universal e uma oportunidade de construção de uma nova civilização planetária, diversa e convergente, mas não é fácil nem linear. É feito de choques e abraços, avanços e retrocessos, mas tem a seu favor os ventos da História, como se o destino humano não se pudesse cumprir sem vencer esta etapa, desde sempre imaginada e almejada. Este fenómeno de mundialização deixa perceber nitidamente que não é mais possível fomentar conflitos no quintal do vizinho sem que os estilhaços dos mesmos nos venham cair no nosso e que se não queremos lidar com as consequências das nossas ações desestabilizadoras devemos repará-las e abstermo-nos de as repetir”…
Mais adiante, o porta-voz do ODH prosseguiu a sua comunicação do seguinte modo:
“(…) Hoje, o mundo está confrontado com uma vaga incomum de refugiados e imigrantes que põe a nu os desequilíbrios regionais, a violência política e económica, a crise ambiental. E não há respostas estruturadas a esta situação, como se não fosse possível senão dar-lhe respostas paliativas pontuais e ainda assim a contragosto e devagar. Não se contesta a necessidade de encontrar soluções sustentáveis para esta problemática, mas isso não passa seguramente por deixar primar o temor e o cálculo na escolha dos caminhos a seguir. Também não se trata de demonizar os povos e as pessoas que se opõem ao acolhimento dos refugiados, mas sim de os persuadir e ajudar a reconciliar com as memórias e as projeções dolorosas que estes lhes trazem. É como se faltasse apenas colocar a cabeça de outra maneira para poder encontrar soluções de longo prazo para esta situação. Como se o ser humano pudesse nesta ocasião deixar-se guiar pela inspiração e não pelas crenças e ilusões da sua consciência. Se escolher a primeira via, não desligará o fenómeno das migrações dos problemas que lhe dão origem, acometendo a sua resolução, mas sem deixar de prestar acolhimento a quem dele necessita. Se seguir este caminho, não deixará de compreender a necessidade prioritária de paz no seu interior e no mundo como condição para a construção da justiça universal, atuando em conformidade. E, portanto, compreenderá que a resposta à emergência humanitária atual não escamoteia a necessidade de negociar a paz e estabelecer as condições de regresso dos povos aos seus países de origem, quando assim o desejem (como será certamente o caso da maioria). Neste contexto, não nos devemos esquecer que os conflitos são sempre oportunidades de se passar a uma nova etapa das relações e que é possível encontrar soluções satisfatórias para todas as partes envolvidas, atendendo às suas necessidades essenciais e aspirações legítimas. Nesse sentido, os conflitos em curso que estão a aumentar a pressão migratória carecem de fortes iniciativas para a paz, com a implementação de cessar-fogos e a abertura de negociações incondicionais com todos os beligerantes, incluindo aqueles que outros apelidam de terroristas”.
Finalmente, a comunicação do representante do ODH concluiu do seguinte modo:
“Nesta época em que o ser humano se lançou a desbravar o espaço, há uma imagem icónica que devia preencher o nosso imaginário coletivo: o nosso planeta azul, visto de longe, casa comum de muitos milhões de pessoas que têm a sorte improvável de partilhar este tempo e este espaço, sabendo uns dos outros. É a ocasião e a oportunidade de humanizar a Terra, dando continuidade ao esforço titânico dos nossos antecessores para superar as condições de dor e de sofrimento a que estiveram submetidos e preparando as condições para a felicidade e a liberdade dos vindouros”.

Categorias: Direitos Humanos, Europa, Nota de imprensa, Paz e Desarmamento

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.

maltepe escort