Celebram na ONU aproximação CUBA-EUA

01.10.2015 - Prensa Latina

Celebram na ONU aproximação CUBA-EUA

Presidentes de Cuba e EUA realizaram sua primeira reunião bilateral desde a abertura das embaixadas em julho passado após 50 anos de relações rompidas.

Nações Unidas, 30 set (Prensa Latina) O palco de aproximação entre Cuba e Estados Unidos motiva comentários favoráveis de líderes mundiais que intervêm no debate da Assembleia Geral, o qual entra hoje em seu terceiro dia.

Ações russas na Síria são apenas antiterroristas, afirma Lavrov

Desde a África, Europa e América, ao redor de uns vinte chefes de Estado ou de Governo têm celebrado em seus discursos a restauração de relações diplomáticas e a abertura de embaixadas em Havana e Washington, ainda que muitos têm recordado que se mantém o bloqueio norte-americano como principal obstáculo.

“Nossa região, onde reina a paz e a democracia se alegra do estabelecimento das relações diplomáticas entre Cuba e Estados Unidos e com esta ação se põe fim a uma política da guerra fria que deve terminar com o fim do bloqueio a Cuba”, afirmou a presidenta brasileira, Dilma Rousseff.

Por sua vez, a presidenta da Argentina, Cristina Fernández, considerou o novo palco “uma vitória especial de Cuba”, ainda que reconheceu o governo estadunidense “que finalmente abrisse a cabeça e que as coisas não podiam continuar assim”.

Outros chefes de Estado latino-americanos e caribenhos destacaram a aproximação, como o mexicano Enrique Peña Nieto, o venezuelano Nicolás Maduro, o dominicano Danilo Medina, o equatoriano Rafael Correia e o uruguaio Tabaré Vázquez.

A sua intervenção no palco da Assembleia Geral, o premiê de San Vicente e as Granadinas, Ralph Gonsalves, afirmou que “os presidentes Raúl Castro e Barack Obama têm demonstrado uma coragem louvável ao trabalhar juntos para superar nos últimos anos de inimizade e desconfiança mútua”.

Para a mandatária chilena, Michelle Bachelet, trata-se de um passo histórico, que demonstra a forma civilizada de resolver as diferenças.

Desde outras regiões também se realçou aqui a retomada de vínculos diplomáticos, materializados em 20 de julho, quando Havana e Washington converteram ademais suas seções de interesses em embaixadas.

Tem tido várias novidades no panorama político e geográfico que alentam a um mundo mais seguro. Uma destas é o início das relações entre Cuba e Estados Unidos, advertiu o líder namíbio Hage Geingob.

Os presidentes de Libéria, Ellen Johnson Sirleaf; Seychelles, James Alix Michel; Moçambique, Filipe Nyusi; África do Sul, Jacob Zuma, e Portugal, Aníbal Cavaco, junto ao premiê da Itália, Mateo Renzi, celebraram o acontecimento.

Tanto Raúl Castro como Obama abordaram o novo palco bilateral em seus discursos ante a plenária dos 193 estados membros da ONU.

Ambos reiteraram a vontade de manter o processo de aproximação após à normalização de vínculos, apesar das profundas diferenças entre os dois países.

O líder cubano fez questão de que não poderá ser falado de relações normais enquanto persistam o bloqueio imposto por Washington durante mais de meio século, a ocupação do território de Guantánamo pela Base Naval norte-americana e atos hostis como as transmissões ilegais de rádio e televisão e os planos desestabilizadores.

Em declarações à Prensa Latina, a secretária executiva da Comissão Econômica para América Latina e o Caribe (Cepal), Alicia Bárcena, destacou a retomada de vínculos entre Cuba e Estados Unidos, um passo que considerou importante para a região.

Categorias: América do Norte, Paz e Desarmamento, Política, Região
Tags: , , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.