Oriente Médio em risco

09.07.2014 - Gilberto Rodrigues

Oriente Médio em risco
(Crédito da Imagem: http://bit.ly/U4yfr0)

O legado de uma intervenção ilegal se faz cada dia mais presente no Iraque. O sinistro ataque americano que derrubou Saddam Hussein em 2003, à revelia do mundo e da ONU, colhe seus frutos venenosos. O Oriente Médio vive o risco de guerra regional.

Um grupo insurgente composto por Sunitas (que apoiavam Saddam), perseguidos pelo novo governo Xiita em Bagdá (apoiado pelos EUA), saiu da mera resistência para a guerra civil no país, declarando a criação de um califado islâmico no Iraque e na Síria (com a sigla ISIL), que se espraia pelo noroeste do Iraque e a parte leste da Síria. Essa região está desgovernada e sujeita ao mando dos mais fortes.

O avanço dos milicianos sunitas é preocupante, suas forças ocuparam um vasto território e ameaçam chegar a Bagdá. Poços de petróleo sírios estão nas mãos desse grupo e injetam combustível (literalmente) para a causa desses radicais, considerados mais brutais que a Al Qaeda em seus métodos.

O governo Obama, que recebeu essa bomba relógio de seu antecessor George W. Bush tem poucas opções. A opinião pública norte-americana não apoia novo envio de soldados para o Iraque, além do que isso contraria a própria decisão do presidente de retirar a presença dos EUA dali. Uma inusitada solução é o apoio do Irã contra o ISIL. De fato, Teerã (governada por Xiitas) apoia Bagdá e não quer confusão na sua fronteira.

Essa solução torna o Irã parceiro dos EUA num dos temas mais sensíveis da geopolítica atual. Mas o Irã é demonizado pela maioria dos políticos americanos e sofre sanções econômicas dos EUA e da União Europeia por seu programa nuclear. Como justificar essa parceria?

As crises na Síria e no Iraque somadas colocam o Oriente Médio em risco de uma conflagração regional, que poderá envolver o Irã e outros países vizinhos. O caminho mais lógico seria um acordo de paz na Síria e a normalização das relações com Teerã, a fim de neutralizar a verdadeira ameaça que surgiu do ISIL, resultado, é bom que se diga, do fracasso de se criar uma democracia pluralista – promessa americana – em Bagdá.

Categorias: Assuntos internacionais, Internacional, Opinião, Oriente Médio
Tags: , , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.