QUANDO HÁ CENSURA E OPRESSÃO NA UNIVERSIDADE PÚBLICA, NÃO PODEMOS NOS CALAR!

10.05.2014 - Redação São Paulo

QUANDO HÁ CENSURA E OPRESSÃO NA UNIVERSIDADE PÚBLICA, NÃO PODEMOS NOS CALAR!
(Crédito da Imagem: http://tinyurl.com/le6bud3)

Publicamos a Nota de repúdio e denúncia dos coletivos LGBT que lutam para conscientizar e superar a discriminação em Recife (Brasil)

Na próxima semana, do dia 12 ao 16 de maio, acontecerá o II Seminário de Gênero e Sexualidade da UFPE, com painéis, minicursos, oficinas e intervenções previstas para acontecer em vários centros da Universidade, incluindo o Centro de Ciências Jurídicas. O Seminário foi construído pelo Diretório Acadêmico de Ciências Sociais – DACS em conjunto com o Movimento Zoada, o Coletivo Feminista Diadorim, o Coletivo LGBT Toda Forma – FDR e o Grupo de Pesquisa de Gênero e Sexualidade Diversiones.

Na última quinta-feira, no entanto, tivemos a notícia de que a reserva de espaços na Faculdade de Direito do Recife (CCJ), feita pelos grupos da Casa envolvidos na construção do evento, foi cancelada pela Direção sem qualquer justificativa. Buscamos informações com o Setor Administrativo sobre os motivos desse cancelamento e tivemos a surpresa de saber que, supostamente, todos os eventos previstos para o Centro estavam suspensos até a quarta-feira, dia 14 de maio, quando ocorrerá uma reunião extraordinária do Conselho Departamental referente à regulamentação de eventos na Faculdade.

Ao conversar com a Direção, foi-nos explicado que somente eventos “diretamente ligados” à academia e ao Direito poderiam ser livremente realizados até a data prevista. Argumentou-se que os eventos têm ocorrido com grande frequência “atrapalhando” as aulas, segundo se apontou, essas sim o verdadeiro foco do ensino jurídico. Foi dito que os eventos vêm causando tumulto, afastando os/as estudantes das aulas e incomodando professores/as e funcionários/as, gerando até problemas com a segurança da Faculdade. Apesar de todos os pontos elencados, em conversa posterior com membros do DADSF, tivemos conhecimento de que outros eventos, organizados pelo próprio Diretório e por professores/as não foram cancelados.

Diante de toda a situação, algumas questões surgem como necessárias para reflexão: a quem serve uma universidade pública e a quem cabe o poder de limitar seu diálogo com outros conteúdos supostamente “não-acadêmicos”? Por quê a presença de pessoas e pautas às quais o Direito historicamente nega direitos é tão incômoda? E, finalmente, o que simboliza o impedimento do II Seminário de Gênero e Sexualidade dentro da Faculdade de Direito do Recife, senão uma lamentável demonstração de homofobia, machismo e descaso para com o tripé constitucional da Universidade?

É digna de nota a restrita perspectiva de Universidade que alguns/mas professores/as da Faculdade possuem. Muito embora estejamos entre juristas e disponhamos de uma norma constitucional que elenca o ensino, a pesquisa e a extensão como elementos constitutivos da Universidade Pública, alguns/mas dos/as docentes ainda insistem em tratar a Universidade como um cursinho profissionalizante, um lugar para onde se vai só e unicamente assistir aulas e tão melhor se forem assistidas em silêncio. Devendo-se ressaltar também a postura frequentemente autoritária e anti-dialógica adotada pelos/as mesmos/as, abusando-se de um poder do qual se creem tão detentores/as, negando a relevância e até a existência de interesses e necessidades dos/as estudantes.

Com maior razão ainda fica demonstrado o preconceito que repousa sobre o Centro de Ciências Jurídicas, se lembrarmos o histórico recente de ações contra o Coletivo LGBT Toda Forma. Assistimos consternados/as a retirada da bandeira-símbolo do movimento durante a I Semana LGBT sem que qualquer retratação fosse empreendida pela Faculdade.

De igual modo, vem se enfrentando uma enorme dificuldade para efetivar a Semana da Visibilidade Trans. Em que pesem os grandes esforços de diálogo do Toda Forma, a avaliação feita pelo Conselho Departamental foi recheada de argumentos vazios e formais para sua não aprovação. Na mesma linha, durante a II Semana da Mulher, organizada pelo Coletivo Feminista Diadorim, alguns/mas professores/as não tiveram sequer a cautela em esconder o machismo que carregam em seus discursos, debochando da causa feminista e humilhando algumas companheiras dentro das salas de aula.

Podendo soar exagerado para o senso comum teórico e para o conservadorismo tradicionalista, infelizmente ainda bastante presentes e atuantes no âmbito de nossa Faculdade, esses casos escancaram o machismo e a homo-lesbo-bi-transfobia alimentados e reproduzidas na Universidade. É preciso lembrar que essas opressões não se operacionalizam apenas através da chamada violência real, com agressões físicas ou mesmo insultos. É sobretudo no campo do não nomeado e do não pensável que atuam como mecanismos produtos e produtores de violências simbólicas, hierarquização e normatização. Estes são os motivos os quais parecem perenemente motivar alguns/mas professores/as da Casa a pressionar a Direção contra os/as estudantes.

Encerramos esta nota, questionando o tipo de universidade pública que nós, estudantes, queremos, a universidade é pública para que público? Tendo em vista os atos descritos acima, pode-se pensar que não é para o povo, nem para as mulheres e muito menos para os/as LGBTs. Tão importante quanto, é a preocupação com a democracia, que se mostra brutalmente atacada com frequência em NOSSA Faculdade, com a arbitrariedade com que se veta e se cala a voz do/a estudante em privilégio das vontades de uma parcela conservadora dos/as professores/as. Instaura-se, pois, um clima belicoso entre o corpo docente e o discente com tentativas desesperadas da Direção de agir como árbitro neste duelo de poder.

É nesta conjuntura que convocamos todos os coletivos, grupos de pesquisa e de extensão, movimentos estudantis, estudantes, professores/as e funcionários/as a somar forças na nossa luta contra a censura e a inferiorização das pautas estudantis, contra as opressões de gênero e sexualidade e contra um ensino hierárquico e acrítico! O II Seminário de Gênero e Sexualidade vai acontecer, sim, e convidamos todos e todas a participarem e se unirem a nós na luta por uma universidade popular, dialógica e participativa! Juntos/as seguiremos por uma universidade de e para todos/as. Como disse a teórica feminista e LGBT Judith Butler: “Se a esperança é uma demanda impossível, então nós demandamos o impossível.”

Assinam esta nota:

Movimento Zoada

Coletivo LGBT Toda Forma

Coletivo Feminista Diadorim

 

cartazsem-ufpe

http://tinyurl.com/le6bud3

Categorias: Ámérica do Sul, Internacional, Não discriminação, Não violência, Nota de imprensa
Tags: , , , , , , , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.