Morreu genocida Jorge Rafael Videla

22.05.2013 - Télam - Agencia Nacional de Noticias de la República Argentina

Morreu genocida Jorge Rafael Videla
(Crédito da Imagem: Foto: Wikimedia Commons | Edgardo E. Carbajal)

O ditador faleceu ontem de manhã, às 8.25 por causas naturais. Tinha chegado ao poder em 1976, após o golpe de Estado e comandou a ditadura mais sangrenta da Argentina, até 1981.

Segundo o parte médico, Videla, com 87 anos, “foi encontrado na sua cela sem pulso nem reação pupilar, pelo qual foi realizado um ECG (eletrocardiograma) comprovando o óbito, sendo as 08.25 hs do dia de hoje”.

O ditador liderou o golpe militar ocorrido em 24 de março de 1976, ocupando a presidência até 1981 e atualmente enfrentava um julgamento oral pela chamada “Operação Condor”, a coordenação da repressão ilegal entre governos de facto latino-americanos.

A última visita aos tribunais federais em Retiro foi na terça-feira passada, quando foi levado da prisão de Marcos Paz para ser interrogado perante o Tribunal Oral Federal 1 pela Operação Condor, onde estava sendo julgado com mais 24 acusados.

Na ocasião negou-se a prestar depoimento, mas leu um breve manifesto no qual assumiu “plenamente” as “responsabilidades castrenses” pelo fato que ele chamou uma “guerra” contra o “terrorismo” e deslindou de culpas os subordinados chefiados por ele.

A Câmara o encontrou responsável por muitos homicídios qualificados, 504 privações ilegais da liberdade, torturas, roubos agravados, extorsão e sequestros extorsivos. Após ser condenado em 1985 a cumprir prisão perpétua no processo 13 do emblemático Julgamento das Juntas Militares, Videla foi indultado pelo presidente Carlos Menem em 28 de dezembro de 1990 e esteve livre até 1998, quando o juiz federal de San Isidro Roberto Marquevich o prendeu por roubo de menores, o único crime que estava fora da órbita do indulto presidencial.

No dia 5 de julho de 2012 foi condenado a 50 anos de prisão pelo Tribunal Oral Federal 6, quando o encontraram culpável de executar um programa sistemático de subtração de menores, filhos das sequestradas nos centros clandestinos de detenção e condenado por 18 casos, entre eles o do Guido, neto da presidenta das Avós de Plaza de Mayo, Estela de Carlotto.

A pena de 50 anos se transformou em prisão perpétua ao ser unificada com duas condenas anteriores a cadeia perpetua, a do processo 13 e outra proferida na província de Córdoba em dezembro de 2010, pelo assassinato de 31 presos políticos.

Categorias: Ámérica do Sul, Internacional, Política

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.