MÚSICA

Por Renan Simões

 

Em seu álbum de estreia, Silva apontou caminhos para a salvação da canção indie pop brasileira do século XXI e, embora este tenha sido bastante valorizado pela crítica, os caminhos abertos não foram trilhados por outros artistas, tampouco pelo próprio artista em seus lançamentos posteriores. Um rico diálogo entre melodias cantaroláveis, arranjos minuciosos, excentricidades musicais e uma profusão de timbres maravilhosos faz desta uma das estreias mais consistentes da atualidade.

Os principais destaques são a dançante Falando sério e a introspectiva Mais cedo, verdadeiras joias. O álbum tem seus pontos baixos, como as desinteressantes Cansei e Claridão, mas traz importantes renovações do gênero, como 2012, 12 de maio, Posso, Imergir e Moletom.

O som viajante, misturado e muito bem feito de Ventania e Acidental apresenta perspectivas interessantes para o cenário nacional, que ainda se encontra imbuído de pouca informação, pouca expressão verdadeira, pouca expertise musical e muito mau gosto. Curiosamente, se há uma faixa que representa tudo o que eu não suporto no indie pop nacional esta é A visita, a de encerramento de Claridão – embora tenha, convenhamos, uma brilhante seção mais ao final.

Para concluir, vale pontuar que, antes de se lançar como artista, Silva foi meu colega de turma no curso de Bacharelado em Música da Faculdade de Música do Espírito Santo, e foi um grande incentivador para que eu renovasse a minha escuta musical. Silva, muito obrigado! Se eu estou aqui hoje fazendo essas reflexões musicais, é graças a você!

Silva, Claridão, a verdadeira renovação da canção indie pop nacional! Ouça, desfrute, reflita, repasse: