Hoje meu coração treme de tristeza com as imagens de cadáveres empilhados ao lado da cerca de Melilla. Nunca pensei que um continente como a África, com suas riquezas, sua fauna e sua diversidade cultural, pagaria o preço da fome com vidas ceifadas pela crueldade daqueles que agem movidos pelo desprezo e pela indignidade.

Refugiados sudaneses fugindo da guerra passaram pelo Chade, Líbia, Tunísia e Argélia. Eles estavam procurando uma oportunidade como muitos refugiados hoje definhando em meio à fome e doenças no Iêmen, Síria, Líbia ou Ucrânia.

Lembro-me do dia em que perdi minha casa na cidade de Dakhla no Saara Ocidental, foi um momento inesquecível da minha infância. A Argélia então abriu suas fronteiras para nós, sua Lua Crescente Vermelha distribuiu alimentos e produtos de primeira necessidade. Levaram-nos meninos e meninas para acampamentos de verão, nos acolheram em suas escolas e depois nos educaram como fez Cuba, país que nos recebeu, dando-nos a oportunidade de sobreviver à guerra e refúgio.

Os refugiados sudaneses cujos corpos repousam em sepulturas anônimas foram enterrados com a aprovação do Marrocos. País que os utiliza em seu pulso fronteiriço com a Espanha. Ele os deixa mendigar nas montanhas, maltrata-os e humilha-os, e depois se apresenta como o gângster da segurança contra as ondas da fome. Mundo triste em que a crueldade ultrapassa limites inimagináveis. Os sudaneses tinham um nome, uma família, uma cidade e um país. Eles não deveriam ter sido despejados como as matérias-primas que vêm da África. Os pesqueiros do Saara Ocidental, Mauritânia e Somália. O urânio do Chade, o petróleo do Sudão e da Líbia, o coltan da República do Congo e o fosfato do Sahara Ocidental, são as riquezas de um continente que definha entre a corrupção e a pilhagem.

Triste caminho de um mundo que esqueceu o valor da vida humana, um mundo que se joga no vazio, quando se mostra indiferente à morte de um africano. Agora que escrevo essas linhas, cercado de livros e imerso em um ensaio de uma escritora africana chamada Sylvia Serbin, leio em seu livro “Rainhas da África”, a história da escravidão e do racismo. Ele nos conta sobre a resistência de Anne Zinga, Rainha de Angola, uma mulher que lutou contra o colonialismo e conseguiu manter seu povo livre por muitos anos.

Neste livro ela nos lembra que a origem do ser humano está no Vale do Rift, na Etiópia, o Australopithecus afarensis Lucy é um exemplo indelével dos ancestrais de nossa espécie.

Marrocos retratou-se nesta nova afronta com o silêncio cúmplice de Pedro Sánchez. A nova relação que se funda na violação do direito à autodeterminação do povo saariano equivale à violação das vidas inocentes de jovens africanos que fogem da guerra e da miséria. Este parece ser o novo acordo sobre imigração. A União Europeia apoia-o e a impotente União Africana fica em choque.

Estou consternado com cada vida perdida em busca de um caminho de esperança. Se os refugiados da Ucrânia são acolhidos hoje, o mundo deve dar o mesmo tratamento aos refugiados da África e de outros países.

O linguista e filósofo búlgaro-francês, Tzvetan Todorov, disse: “A grande maioria dos crimes coletivos sempre foi cometida em nome do bem… Causas nobres não desculpam atos ignóbeis”.

Cada vida perdida no Atlântico, no Mediterrâneo, nas cercas de Ceuta e Melilla, é mais uma razão que ataca a nossa consciência e nos deixa sem argumentos quando falamos de direitos humanos e justiça.

África chora
a morte de seus filhos
ele se vira em suas feridas
na agonia de um jovem
ferido nos olhos
quebrado no corpo,
inerte diante de uma cerca
enquanto uma mãe
olha para sua sepultura anônima.

A África treme
entre lamentos,
gritar ao ar livre
dançar a canção primitiva
lutar contra as ondas
em um novo desafio.

África procura um céu
um lugar sem fronteiras
onde bondade
seja a razão da vida.

 


Tradução de Verbena Córdula