DIREITOS HUMANOS

Por Mônica Marins

 

Indígenas são feridos à bala após tentarem retomar território no Mato Grosso do Sul

 

Indígenas Kaiowá e Guarani foram atacados e feridos por policiais do Batalhão de choque da Polícia Militar, nesta sexta-feira (24), no Mato Grosso do Sul. A denúncia é da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil – APIB. Segundo os relatos, os ataques tiveram início durante a madrugada, durante uma ação de tentativa de retomada da terra, por parte dos indígenas da aldeia de Amambai e 9 pessoas foram atingidas.

Diversos vídeos circularam na internet desde o início da tarde desta sexta-feira, com imagens de que vários indígenas feridos por tiros. Os indígenas chegaram a pedir socorro médico pelas redes sociais. Segundo a APIB há três pessoas desaparecidas desde a noite de quinta-feira (23).

Tudo começou quando, na noite desta quinta-feira, cerca de 30 indígenas Kaiowá e Guarani realizaram uma ação para a retomada de parte do território reivindicado por eles, localizado dentro do marco território Dourados-Amambai Pegua II, em Naviraí (MS). Indígenas afirmam que policiais fortemente armados chegaram usando de violência e atirando nas pessoas. Não havia mandado judicial. O ataque permaneceu até o dia amanhecer. Após o pedido de socorro, os indígenas feridos foram levados até o hospital. Há 6 pessoas internadas.

O Conselho Indígena Missionário – CIMI – que acompanha a situação, informou que há o risco de que a situação se agrave e evolua para um massacre ainda mais violento e contra os índios, como aconteceu em Caarapó (MS), no ano de 2016. Segundo a entidade a reserva Amambai é a segunda maior de Mato Grosso do Sul em população: são cerca de 10 mil indígenas.

Confira a nota abaixo: