ARTES VISUAIS

Por CWeA Comunicação

 

A iniciativa pioneira lança no mercado a ferramenta Pixway, da Tropix, empresa de arte digital, do grupo liderado por Daniel Peres Chor, e que desde sua criação há quatro meses já conta com uma rodada de investimentos de US$ 2 milhões.

 

A Danielian Galeria, já no primeiro trimestre de 2022, irá emitir certificados digitais na venda de suas obras, passando a ter 100% dos negócios registrados como NFTs (tokens não fungíveis)a partir da tecnologia blockchain. As primeiras obras a se beneficiarem desta inovação serão a dos artistas Geraldo Marcolini (1969), Glauco Rodrigues (1929-2004), Jorge Guinle (1947-1987), Josafá Neves (1971), Manfredo de Souzanetto (1947), Marçal Athayde (1962) e Nelly Guttmacher (1941), representados pela galeria.

A iniciativa pioneira lança no mercado a ferramenta Pixway, da Tropix, empresa de arte digital, liderada por Daniel Peres Chor, e que desde sua criação há quatro meses já conta com uma rodada de investimentos de US$ 2 milhões.

Ludwig Danielian, sócio-diretor da Danielian Galeria, junto com seu irmão Luiz Danielian, afirma que “à medida que as obras de arte forem tokenizadas, elas passarão a ter uma certificação de domínio público, uma validação muito mais segura do que a existente em uma folha de papel, que independe de registros em cartório, e, portanto, está mais sujeita a falsificações. A tokenização garante, assim, o direito de sucessão das obras para os artistas ou suas famílias”.

“Estamos nos preparando para o futuro. A transparência sempre foi uma questão fundamental para a Danielian Galeria, e achamos esta ferramenta no mercado a partir da Tropix, e queremos seguir em frente com esta parceria. Inicialmente com as obras que forem vendidas, depois aplicar o NFT em todo o nosso acervo, e futuramente expandirmos para a certificação digital dos acervos dos artistas trabalhados por nós. Este é um caminho sem volta”, destaca Ludwig Danielian.

Daniel Peres Chor explica que “a operação da Pixway começa naturalmente com uma aplicação voltada para o mercado de fine arts, onde já atuamos com nosso marketplace que é a Tropix. Com a Pixway, queremos ser uma espécie de cartório para as galerias e para os artistas, tanto no mundo online quanto no mundo offline. Pretendemos usar a tecnologia que construímos para a Tropix e a Pixway com outros players e em outras verticais, para diversas aplicações”.

A ferramenta capaz de registrar ativos físicos ou digitais na tecnologia blockchain é um próximo passo na empreitada do mesmo grupo de notáveis em criptonegócios que construiu a Tropix. Entre eles, estão Bernardo Schucman, maior minerador de bitcoin do Brasil e um dos criadores do protocolo no qual se baseia a plataforma de comunicação Google Meet; Alexandre Icaza, venture builder com 20 anos de experiência no mercado de privateequity; Guilherme Nigri, colecionador e investidor em mais de 15 projetos no Vale do Silício; e Zé Lima, especialista em marketing e fundador de mais de dez start ups. Aplicações da tokenização em novos territórios estão previstas para breve.

 

LIVRO “MANUEL MESSIAS – DO TAMANHO DO BRASIL”

No início de 2022, a galeria lança seu selo Danielian Edições, com a publicação “Manuel Messias – do tamanho do Brasil”, livro de 248 páginas, e formato 27cmx21cm, e textos de Ademar Britto Junior, Marcus de Lontra Costa, Guilherme Gutman, Izabel Ferreira, Lilia Schwarcz e Rafael Fortes Peixoto.

 

DANIELIAN GALERIA – BREVE HISTÓRICO

A Danielian Galeria foi fundada em 2005, com o nome de Colecionador Escritório de Arte, dentro do ambiente de convívio de uma tradicional família de colecionadores que formou, ao longo dos anos, um importante acervo de arte brasileira com foco na produção do século 19 e da primeira metade do século 20. Ainda neste início, teve ampla atuação no mercado brasileiro, realizando pequenas exposições e participando de feiras internacionais sediadas no Brasil, como a ArtRio e SP-Arte.

Em 2019, a partir do desejo de atuar de maneira mais efetiva no cenário artístico e cultural brasileiro,é inaugurado o seu novo espaço em uma ampla casa no bairro da Gávea, no Rio de Janeiro, com o nome Danielian Galeria. Dirigida pelos irmãos Ludwig Danielian e Luiz Danielian, a galeria vem realizando exposições coletivas e individuais de notável importância social e cultural, criando novas conexões entre arte e o público, sendo local de discussão e reflexão.

A Danielian Galeria representa os artistas Geraldo Marcolini (1969), Glauco Rodrigues (1929-2004), Jorge Guinle (1947-1987), Josafá Neves (1971), Manfredo de Souzanetto (1947), Marçal Athayde (1962) e Nelly Guttmacher (1941).

No início de 2022, a galeria lança seu selo Danielian Edições, com a publicação “Manuel Messias – do tamanho do Brasil”, livro de 248 páginas, e formato 27cmx21cm, e textos de Ademar Britto Junior, Marcus de Lontra Costa, Guilherme Gutman, Izabel Ferreira, Lilia Schwarcz e Rafael Fortes Peixoto.

O livro é a segunda etapa do amplo projeto realizado pela Danielian Galeria e coordenado por Marcus Lontra e Rafael Peixoto, que busca preencher a lacuna existente sobre o importante artista Manuel Messias dos Santos (1945-2001), que sofreu um processo de “apagamento” da história da arte brasileira por sua origem humilde, ser negro, e ter no final de sua vida morado nas ruas de Santa Teresa. Apesar de todas as dificuldades que enfrentou, Manuel Messias teve participação ativa na cena artística brasileira durante 30 anos, com exposições no Brasil e no exterior, sendo premiado diversas vezes e com unanimidade crítica a respeito de sua obra.

Em setembro e outubro de 2021, a Danielian Galeria realizou a exposição “Manuel Messias – do tamanho do Brasil”, com 50 obras do artista nascido em Sergipe, entre xilogravuras, seu principal meio de trabalho, e também pinturas com tinta a óleo e pastel.

O livro é resultado de intensa pesquisa, em que foram rastreados mais de 200 trabalhos em acervos particulares e instituições, e mais de 200 artigos em jornais e publicações, e foram colhidos testemunhos de artistas e curadores que conheceram Manuel Messias, a fim de organizar uma cronologia mais precisa dos fatos que marcaram a trajetória de Manuel Messias. “O projeto do livro tem três eixos fundamentais: a pesquisa, a reprodução de obras e o embasamento crítico e teórico”, contam Marcus Lontra e Rafael Peixoto.

Com esta iniciativa, a Danielian Galeria consolida sua atuação no cenário cultural brasileiro desenvolvendo projetos institucionais que estimulam novos olhares sobre a produção artística e intelectual brasileira. A partir de exposições e publicações, a Danielian Galeria busca promover a integração entre o público e o pensamento artístico, contribuindo para a ressignificação do conceito de galeria de arte.

 

Funcionamento: Segunda a sexta-feira, de 11h às 19h

​Rua Major Rubens Vaz, 414, Gávea,Rio de Janeiro, RJ, CEP 22.470-070

​+55 (21) 98802-8627 e +55 (21) 2522-4796 // contato@danielian.com.br