EVENTO

Por CWeA Comunicação

Participarão também designers, pesquisadores e diretores de instituições de Moçambique, Portugal, Cabo Verde, Brasil e Angola. Transmissão pelos canais do Youtube e Facebook da @dezaineconference

O IED Rio, em uma parceria com a Dezaine Conference, evento internacional criado a partir da Cidade de Maputo para celebrar e refletir sobre o design contemporâneo, que será realizado nas plataformas digitais nos dias 11 e 12 de novembro de 2021, participará em dois painéis, apresentados por Yamê Reis, coordenadora do curso Design de Moda, e Renata Ratto, coordenadora do curso Master Profissional em Branding, representando o Brasil.

Em sessões gravadas e transmitidas pelos canais do Youtube e Facebook da Dezaine Conference palestrantes de Moçambique, Portugal, Cabo Verde, Brasil e Angola abordarão questões dentro do tema “Cultura e Negócios do Futuro”. Primeira revista de design em Moçambique, com alcance em 15 países, Dezaine convidou profissionais, pesquisadores e dirigentes de instituições ligadas ao desenvolvimento da cultura do design. Estão entre os apoiadores, além do IED Rio, a Unesco e o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal.

Yamê Reis, designer de Moda, Master em Gestão de Negócios de Moda, e Mestre em Sociologia Política, desde 2017coordena o curso Design de Modano IED Rio, onde também leciona. No mesmo ano, fundou a Moda Verde, empresa de curadoria de conteúdo, mentoria e consultoria, que atua nas áreas de educação, direção criativa e projetos especiais para moda sustentável. É criadora do Rio Ethical Fashion, o maior Fórum Internacional de Moda Sustentável da América Latina. Na Dezaine Conference, Yamê Reis irá falar sobre Tendências de formação em design: pesquisa versus mercado?

Renata Ratto, designer, estrategista de marca e educadora, coordena o curso Master Profissional em Branding no IED Rio, e na Dezaine Conference irá falar sobre o case Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira. Participará deste painel Rafaela Bastos, ex-aluna do curso de Branding do IED Rio, e quem atua na aplicação das propostas desenvolvidas no curso pela comunidade mangueirense. Renata Ratto trabalhou durante 13 anos como diretora de arte e gestora do Instituto Antonio Carlos Jobim. Rafaela Bastos é presidente da Fundação João Goulart, da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Gestora Pública, geógrafa, especialista em gerenciamento de projetos, economia comportamental e branding.

Mais informações sobre o evento em: https://www.dezaine.co.mz/conferencia

Participe: https://bit.ly/joindezaineconference2021

Os demais oradores serão:

PORTUGAL

Ana Rita Mendes – Designer Projecto d´Ajuda (Portugal)

Ana Rita Mendes vem da cidade de Tomar, bem no centro de Portugal, é designer freelancer e uma das suas áreas prediletas é o design editorial.

Durante a pandemia, no âmbito da unidade curricular de design de comunicação na FAUL, participou junto de quadro de designers do projeto de Design social em parceria com a incubadora popular da d’Ajuda, sob a orientação da professora doutora Teresa Cabral.

Ângela Fernandes – Designer Projecto d´Ajuda (Portugal)

Ângela é designer, nasceu em Coimbra mas mudou-se para Lisboa para estudar design, as suas paixões incluem cinema, cozinha, animais e viagens. Durante a pandemia, no âmbito da unidade curricular de design de comunicação na Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa, participou junto de quadro de designers do projeto de Design social em parceria com a incubadora popular da d’Ajuda, sob a orientação da professora doutora Teresa Cabral.

Carolina Vieira – Designer Projecto d´Ajuda (Portugal)

Carolina Vieira é Designer, nasceu e estudou em Lisboa. Alguns dos seus inúmeros interesses são os das áreas do Design, Ilustração, Animação, Artesanato, entre muitos outros. Durante a pandemia, no âmbito da unidade curricular de design de comunicação na FAUL, participou junto de quadro de designers do projeto de Design social em parceria com a incubadora popular da d’Ajuda, sob a orientação da professora doutora Teresa Cabral.

Helena Sofia Silva – Professora e Pesquisadora em Design

Tendências de formação em design: pesquisa versus mercado?

Helena Sofia Silva é docente e investigadora em design, sediada no Porto. É licenciada em Design de Comunicação pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto e mestre em Design e Cultura Visual pela ESAD – Matosinhos, onde lecciona desde 2000, temas relacionados com a história e a teoria dos média e da moda. O seu trabalho de investigação centra-se atualmente em expressões gráficas de protesto em Portugal, partindo da atividade e do acervo do Arquivo Ephemera e é desenvolvido no Programa Doutoral em Design da Universidade do Porto. Autora de Design Português – 1980/1999 (Verso da História, 2015), colaborou nas monografias dedicadas a João Machado e Francisco Providência (Cardume Editores, 2016). Com este último partilhou a curadoria da exposição inaugural da Casa do Design, Burilada | Arte-factos para a sobrevivência, em 2016.Foi curadora, com José Pacheco Pereira, da exposição de cartazes de protesto O que faz falta é agitar a malta (2018), projeto selecionado na categoria Investigación y Diseño da BID 18 – Bienal Iberoamericana de Diseño (Madrid). Participou na primeira edição do Porto Design Biennale em 2019 com a exposição Que Força é Essa (Casa da Arquitectura, Matosinhos). Deste projeto resulta a edição de Que força é essa. Protesto e participação democrática em Portugal (Tinta da China, 2019) e contribuições em Imagem no Pós-Milénio – Mediação, Processo e Tensão Crítica (esad-idea, 2021) e Páginas Inquietas. Sobre documentos insubmissos. (Dois dias edições, 2019).

Joana Martins – Designer Projecto d´Ajuda (Portugal)

Joana Martins, é Designer, no seu trabalho como Designer reflete a conexão entre o Design e as questões sociais, uma área que lhe desperta especial interesse.

Durante a pandemia, no âmbito da unidade curricular de design de comunicação na FAUL, participou junto de quadro de designers do projeto de Design social em parceria com a incubadora popular da d’Ajuda, sob a orientação da professora doutora Teresa Cabral.

João Barata – Designer de Moda

João Barata, com 32 anos, é designer de moda há mais de dez anos. É licenciado e tem um Mestrado em Design de Moda; é Doutoramento em Design de Moda. João Barata é Professor Auxiliar na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias em Lisboa, leciona à licenciatura de Comunicação Aplicada e à de Design e Produção de Moda e é redator para a revista Dezaine. O seu percurso profissional passou pelo estágio na Marca Lidija Kolovrat – coleção apresentada na Moda Lisboa; pelo desenvolvimento de acessórios em couro numa marca/empresa em Braga; e pela leccionação de disciplinas às licenciaturas de Design (IADE-UE) e Design de Moda (UBI) e aos mestrados em Branding e Design de Moda (parceria UBI + IADE-UE) e ao mestrado de Design de Moda (UBI).

MOÇAMBIQUE

Alfredo Cuanda – designer/consultor/investidor

Cultura, design negócios do futuro

Designer Multidisciplinar de Negócios. Moçambicano de nacionalidade, determinado em ajudar Criadores Emergentes (Freelancers, Organizações, e Empreendedores) em África a idealizar, cocriarem e crescerem seus Negócios de Activos Sistematizados. Fundador e Consultor da IDEÁRIO Lda. – Innovations/Outsourcing/Investments.

Ana Karina – Designer e Docente

Tendências de formação em design: pesquisa versus mercado?

Ana Karina Alvarinho Gonçalves nasceu em Maputo em 1984.É licenciada em Design de Equipamento pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, e mestrada em Design de Equipamento – Especialização em Design de Produto, pela mesma instituição. Tendo regressado ao seu país, trabalhou durante alguns anos nas áreas de Design de Equipamento e Design de Comunicação, desenvolvendo projectos para empresas e instituições. Começou a colaborar com a equipa da comissão instaladora em 2009, na fase final da implantação do Instituto Superior de Artes e Cultura (ISArC) e fez parte do primeiro grupo de docentes desta instituição, onde tem vindo a trabalhar desde então. No ISArC, além da docência em Design, e da orientação de vários trabalhos de investigação dos estudantes, ocupou os cargos de Chefe de Departamento de Design e, desde final de 2017, o de Diretora da Faculdade de Artes, da qual fazem parte os cursos de licenciatura em Design e de licenciatura em Artes Plásticas. Interessa-se por diversas áreas do Design de Equipamento, com especial atenção à área da investigação da cultura material de Moçambique e as possibilidades de sua aplicação no Design, na convicção de este ser um meio fundamental de desenvolvimento do país.

Ivan Bonde – Diretor do Instituto Nacional das Indústrias Culturais e Criativas /Ministério da Cultura e Turismo / Moçambique (INICC)

Cultura e negócios: como contribuem os bens e serviços criativos para o crescimento social e da indústria?

Ivan Bonde é formado em Direito. Depois de desempenhar funções de liderança no Departamento Jurídico do Ministério da Cultura entre 2012 – 2015, e do Gabinete Jurídico de 2015 a 2020, é desde 2020 Diretor – Geral do Instituto Nacional das Indústrias Culturais e Criativas. Ivan Bond é especialista em políticas e legislação cultural, com destaque para o contexto moçambicano, estando atualmente a fazer um significativo contributo na reforma do quadro jurídico legal que busca espaço para uma maior exploração da cultura e das artes como ativo económico.

Leonilda da Sanveca – Diretora da Faculdade de Ciências da Linguagem, Comunicação e Artes / Universidade Pedagógica de Moçambique

PhD em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil (2013) e Mestre do mesmo Curso e Universidade (2007). Graduada em Jornalismo pelo Unicentro Newton Paiva de Belo Horizonte, Brasil (2005). Formada em Secretariado Executivo, pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial de Minas Gerais, Brasil (2002). É Jornalista, pela Escola Média de Jornalismo de Maputo (1999).

Docente e Pesquisadora da Universidade Pedagógica de Maputo onde é Diretora da Faculdade de Ciências de Linguagem, Comunicação e Artes e do Mestrado em Jornalismo e Media Digitais. Nos Cursos de Licenciatura em Design de Comunicação e Mestrado em Design e Multimídia leciona Introdução ao Design de Linguagens, Semiótica Aplicada ao Design e Prática Técnico-Profissional em Design.

Marta Vânia Uetela – Designer industrial moçambicana

BioMec

O que levou a criar a BioMec, um estúdio que desenha e constrói próteses ortopédicas de alta performance com base em resíduos plásticos recuperados no mar, para que mais pessoas com desafios de mobilidade possam experenciar uma vida com produtividade e autoestima. Marta Vânia Uetelaé apaixonada por sistemas alternativos de produção, design, mar, plantas e adora resolver problemas usando alternativas locais, tecnologia e acredita profundamente na capacidade de inovação dos africanos.

Matilde Muocha – Consultora em Indústrias Culturais e Criativas

Moderadora do painel: Cultura e negócios: como contribuem os bens e serviços criativos para o crescimento social e da indústria?

Especialista em Indústrias Culturais e Criativas, História & Memória, Gestão de Criatividade para o Desenvolvimento. Pós-Graduada em Gestão de Cidades e Empreendimentos Criativos pela Universidade Nacional de Córdoba na Argentina e Mestre em História de Moçambique e de África Austral pela Universidade Eduardo Mondlane. Desenvolve pesquisas nas áreas de gestão de indústrias culturais e criativas e do património cultural, com particular interesse na análise do potencial económico das artes e da cultura para o desenvolvimento local, bem como no estudo de memórias coletivas. É coautora da 1ª e 2ª Edição do livro “Indústrias Culturais: O Que São? Como Gerir?”. É autora de vários artigos publicados em revistas científicas, de lazer e em jornais em Moçambique e em revistas internacionais. É Editora da Revista Moçambicana sobre Indústrias Culturais e Criativas. No seu percurso destaca-se ter sido, durante 9 anos, Curadora da Fortaleza de Maputo. Matilde Muocha é alumnai do IVLP (Visitante Internacional em Liderança para Preservação Cultural) do Governo Americano, Edição 2011. Atualmente é docente e Investigadora no Instituto Superior e Artes e Cultura, onde é igualmente Diretora Geral Adjunta para Área de Administração e Finanças. Encontra-se a frequentar o Doutoramento em Cultural Policies and Management pela University of Witwatersrand da África do Sul.

Ofélia Silva – Oficial Nacional do Programa da Cultura/UNESCO

Cultura e negócios: como contribuem os bens e serviços criativos para o crescimento social e da indústria?

É Mestre em Gestão do Patrimônio Cultural. Desempenha as funções de Oficial do Programa Nacional de Cultura da UNESCO Moçambique desde 2013, instituição na qual há mais de 25 anos. Ofélia Tomás da Silva trabalhou como Secretária do Representante da UNESCO em Moçambique e Assistente do Programa Regional de Cultura durante o período de 1999-2005; e Gerente de Projetos e Programas de Cultura na UNESCO Moçambique, de 2006 a 2012.

ANGOLA

Iris Chocolate – Artista visual

Estudo de cores da cidade de Luanda

Iris Buchholz Chocolate (Alemanha, 1974) é uma artista e designer que vive e trabalha em Luanda, Angola. Licenciatura em Estudos design de comunicação, especialidade teoria-texto-conceito com o Prof. Dietrich Diederichsen. Após a sua graduação, entre 1999 e 2005, trabalhou como assistente artística e Diretora Executiva de Camouflage Bruxelas – o satélite europeu do Centro de Arte Contemporânea de África. Coordenou uma importante coleção de arte contemporânea africana e trabalhou como designer responsável pela editora Contact Zones NRB, Nairóbi, Quênia. As suas exposições coletivas em África, Ásia, América do Sul e do Norte, incluindo a Trienal de Luanda, o Museu Nacional de Singapura, a Bienal do Mercosul e o Museu Judaico de Nova York seguiram-se.

Atualmente expõe com Paula Nascimento na 17ª Exposição Internacional de Arquitetura, La Biennale di Venezia, Itália. É cofundadora e diretora artística de lugânzi-The Living Archive, uma plataforma de investigação para a arte e aprendizagem cultural baseada em Luanda.

CABO VERDE

Irlando Ferreira – Diretor do Centro Nacional de Arte, Artesanato e Design (CNAD), Cabo Verde

Cultura e negócios: como contribuem os bens e serviços criativos para o crescimento social e da indústria?

Irlando Ferreira é Mestre em Gestão e Estudos da Cultura e licenciado em Teatro, pela Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa, Portugal. Integrou o INOV-Art – Programa de Estágios Internacionais para Jovens (USA), no domínio cultural e artístico.

Desde 2015 exerce funções de Diretor do Centro Nacional de Arte, Artesanato e Design (CNAD), Instituto Público de Cabo Verde, que integra vários projectos, designadamente Museu, Centro de Investigação e Biblioteca, Laboratório Experimental de Arte, Artesanato e Design e um amplo projecto de desenvolvimento do sector criativo em Cabo Verde. É autor do livro, “Cabo Verde, Economias Criativas, que Benefícios para o País? – O caso, Atlantic Music Expo Cabo Verde.